Editorial: vida

Jogos interativos ajudam na fisioterapia e sociabilidade de idosos

Um tratamento que alia cuidados fisioterápicos em idosos, com diversão e muitas brincadeiras. O uso de jogos interativos, ou “gameterapia”, ganha cada vez mais espaço em clínicas e espaços dedicados à terceira idade. Segundo Vanessa Tamborelli Frakas, fisioterapeuta do Residencial Club Leger, localizado em São Paulo, o uso de jogos interativos possibilita trabalhar o equilíbrio, o condicionamento físico, aeróbica e a estimulação cognitiva.

– Os jogos produzem movimentos semelhantes ao que fazemos dentro da fisioterapia convencional e abrange pacientes que fazem fisioterapia ortopédica, neurológica entre outras – destaca Vanessa.

Ela aponta que a utilização do videogame na reabilitação faz com que os idosos tenham mais motivação. A cada ponto conquistado ou fase superada, o idoso consegue visualizar de forma muito interativa e rápida, fazendo com que as terapias se tornem mais lúdicas e leves.

– Isso ajuda a humanizar o tratamento, muitas vezes doloroso e exaustivo, além de possibilitar acessibilidade para pacientes com deficiência. Muitos movimentos que o paciente, às vezes, não consegue mais realizar, através do jogo consegue vivenciar novamente aquela atividade ou movimento há muito tempo não executado – afirma a fisioterapeuta.

Vanessa explica que alguns estudos científicos mostram que os games ajudam, tanto em adultos quanto em idosos, no aumento das atividades do hipocampo (responsável pela memória), córtex pré-frontal dorsolateral (que controla o planejamento, a tomada de decisões e a inibição) e cerebelo (responsável por atuar no controle e no equilíbrio motor).

Ela acrescenta que a escolha dos jogos a serem utilizados dependerá dos objetivos que o terapeuta estabelece para cada paciente.

– Os principais consoles utilizados e mais acessíveis são WII e o X- Box, porém temos outros tipos e há também a possibilidade de desenvolvimento de jogos para programas específicos de reabilitação, porém o custo é mais elevado – explica.

O gerente executivo do Residencial Clube Leger, Vinícius Neves, ressalta que este tipo de atividade é difundida nos principais centros de tratamentos de idosos nos EUA.

– Muitas instituições norte-americanas mantêm uma grade fixa com este tipo de programação. Vamos fazer o mesmo aqui no Residencial Leger, acontecendo, neste primeiro momento, às quartas. Além dos aspectos clínicos, temos uma ótima resposta em termos de socialização e do senso de competitividade saudável que ajuda a ativar a autoestima – relata Neves.

Vanessa alerta que a uso dos jogos tem de ser colocado dentro de um planejamento visando os objetivos traçados e observando os bons resultados que possam gerar.

– Mesmo divertidos, os movimentos, quando mal executados, podem até agravar a situação. Além disso é muito importante ressaltar que a os jogos não substituem a fisioterapia convencional, mas complementa o tratamento.

Setembro Amarelo

O CVV (Centro de Valorização da Vida), a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) e Conselho Federal de Medicina (CFM) trouxeram para o Brasil, em 2014, a campanha SETEMBRO AMARELO. Na mesma lógica do “Outubro Rosa” e “Novembro Azul”, o SETEMBRO AMARELO tem como objetivo chamar a atenção das pessoas à problemática do suicídio e estimular a conversa sobre a questão por meio de diversas atividades que serão realizados no decorrer de setembro.

 

O dia 10 de setembro foi oficializado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como o Dia Mundial de Prevenção do Suicídio.

 

O suicídio é uma questão urgente e preocupante. Um dado alarmante é que o suicídio é a segunda maior causa de mortes entre jovens na faixa de 15 a 29 anos. No Brasil, a cada 45 minutos uma pessoa morre por suicídio (32 por dia), de acordo com dados do Ministério da Saúde de 2014. Segundo a OMS, a cada ano, mais de 800 mil pessoas tiram a própria vida no mundo. A OMS prevê que o número de suicídios no mundo pode dobrar até 2020.

 

Esses dados mostram que o suicídio é uma questão de saúde pública.

 

O suicídio é uma questão que impacta a sociedade como um todo, pois ele não escolhe cor, raça, nível social ou cultural.  Estudo realizado pelo IBGE, com coordenação da OMS, na região de Campinas, mostrou que ao longo da vida, 17,1% dos brasileiros “pensaram seriamente em por fim à vida”, 4.8% chegaram a elaborar um plano para tanto, e 2,8% efetivamente tentaram o suicídio.

 

O silêncio é a pior solução. De cada três pessoas que tentaram o suicídio, apenas uma foi, logo depois, atendida em um pronto-socorro. Um dado importante para ser compartilhado é que 90% dos casos pode ser prevenido.

 

 

Ações

 

Uma das ações que mais chamam a atenção durante a campanha é a iluminação de pontos turísticos e de destaque com a cor amarela, como aconteceu com o Cristo Redentor, no Rio de Janeiro, nos últimos anos. O desafio é aumentar o número de pontos iluminados de amarelo e ações de engajamento nas ações de prevenção ao suicídio este ano, mas é necessária a adesão de prefeituras, clubes, condomínios comerciais e residenciais e qualquer outra organização que possa ajudar nas ações.

 

Para colaborar, qualquer pessoa pode divulgar em suas redes sociais, iluminar ou identificar a fachada de uma casa ou prédio e sugerir a iluminação do local de amarelo, promover passeios de motos ou bicicletas com balões, fitas ou panos amarelos, caminhadas com camisetas amarelas, debates ou outras ações que impactem a população.

 

O site setembroamarelo.org.br traz mais informações e alguns materiais de apoio que podem ser utilizados sem prévia autorização. Todos que enviarem fotos de suas iniciativas para o e-mail setembroamarelo@cvv.org.br poderão ver o material compartilhado na fanpage do CVV (facebook.com/cvv141) ou do Setembro Amarelo (facebook.com/setembroamarelo).

 

 

Sobre o CVV

O CVV – Centro de Valorização da Vida, fundado em São Paulo em 1962, é uma associação civil sem fins lucrativos, filantrópica, reconhecida como de Utilidade Pública Federal em 1973. Presta serviço voluntário e gratuito de apoio emocional para todas as pessoas que querem e precisam conversar, sob total sigilo. Os mais de um milhão de atendimentos anuais são realizados por 2.000 voluntários em 18 estados mais o Distrito Federal, pelo telefone 141 (24 horas), pessoalmente (nos 76 postos de atendimento) ou pelo www.cvv.org.br via chat, Skype e e-mail. Desde setembro de 2015 realiza o atendimento pelo telefone 188, primeiro número sem custo de ligação para prevenção do suicídio, nesse primeiro momento exclusivamente no estado do RS.

 

Atividades Marcadas para o Mês de Setembro:

 

  • Dia 10/09 –  Caminhada pela Valorização da Vida e Pedalada pela Vida. Local da Concentração: Av. Paulista, esquina com a Brigadeiro Luiz Antonio. Horário: 10 horas. Não é preciso fazer inscrição.

 

  • Dia 11/09 – Seminário Setembro Amarelo. Conversando sobre Prevenção do Suicídio – Local: Câmara Municipal de São Paulo, Viaduto Jacareí, 100 – 1º Andar. Horário: 14 às 18 horas. Não é preciso fazer inscrição.
 
       

​.

   Dia 12/09 – Seminário Setembro Amarelo. Conversando sobre Prevenção do Suicídio – Local : Assembleia Legislativa 

do Estado de São Paulo – 

​      ​

Auditório

Franco Montoro – Av Pedro Alvares Cabral, 201 – Horário a partir das 14 horas –

Não

é preciso fazer inscrição.

 

  • Dia 14/09 – Caminhada Noturna pela Valorização da Vida. Local da Concentração: em frente ao Teatro Municipal de São paulo, no centro. Horário: 20 horas. Não é preciso fazer inscrição.






“Projeto Vida Saudável” quer mandar embora as calorias a mais

Foto Flavio Costa

Deixar hábitos ruins para trás como comer de forma desregrada e ser sedentário não é a coisa mais fácil do mundo — muito pelo contrário. E para ajudar a população de Barueri nessa importante missão, a Secretaria de Esportes criou o “Projeto Vida Saudável”, que quer fazer os munícipes viverem uma vida mais ativa. O melhor de tudo é que uma aula de apenas 45 minutos pode eliminar até 300 calorias.

 

O piloto do projeto começou na terça-feira, dia 21, no ginásio José Corrêa, às 6h da manhã e contou logo de cara com 30 participantes.

 

Saindo do sedentarismo

Na quinta-feira, 23, os números cresceram principalmente na primeira aula do dia. Na aula das 8h, um casal de Alphaville veio participar do treino que acontece no centro da cidade.

 

Cláudio Gomes Vieira, morador do Alpha Conde, disse que ficou sabendo das aulas e resolveu sair do sedentarismo. “Fazia algum tempo que eu queria voltar a fazer uma atividade física e eu achei aqui uma ótima oportunidade para recomeçar. Fui eu que tive essa vontade e convidei minha esposa para vir. Estou muito animado. O treino foi maravilhoso. O ambiente é muito legal. O local aqui é fantástico. Eu era um sedentário total. Me animei com essa campanha e não vou parar mais”, disse.

 

Já Sandra Regina dos Santos, esposa de Cláudio seguiu a mesma linha: “Eu adorei a aula, as professoras são muito animadas e o pessoal todo está muito entusiasmado. Toda terça e quinta estaremos aqui. É uma energia muito boa. Uma empolgação grande. Está todo mundo com muita vontade de fazer as ginásticas. Tá muito legal”.

 

As atividades vão ocorrer sempre às terças e quintas-feiras no ginásio José Corrêa. Os horários serão sempre os mesmos: 6h às 6h45; 7h às 7h45; 8h às 8h45, 17h às 17h45 e das 18h às 18h45.

 

As inscrições e as aulas começam oficialmente no dia 7 de abril e é importante que os participantes apresentem um atestado médico para poderem participar.

 

Qualidade de vida

O projeto, sempre com aulas de 45 minutos, terá condicionamento com elementos de ginástica localizada, step, jump, circuito aeróbio, treinamento funcional, abdominal e pilates. Os treinos serão abertos para homens e mulheres a partir dos 14 anos de idade.

 

Para a professora Fabiana Veiga, educadora física com especialização em pilates e danças, “as aulas estão sendo muito prazerosas. Ajudar a população na conscientização da qualidade de vida é muito bom. É muito gratificante. São várias modalidades dentro de uma aula só. Ela não fica maçante. Dependendo da intensidade que a pessoa coloca no exercício, uma aula dessa de 45 minutos pode eliminar até 300 calorias. É bem intenso e trabalhamos o corpo inteiro”.

 

Para Vania Costa, também professora da nova atividade, as aulas são bem gradativas. “Praticamente 90% do pessoal que está vindo está começando, mas todo mundo independentemente do grau de avanço nas modalidades vai conseguir se adequar às aulas. Cada um faz dentro da sua possibilidade. Nosso propósito é estimular cada vez mais a população a vir para as aulas. As atividades melhoram a qualidade de vida tanto física como mental. A pessoa dorme bem e passa o dia muito melhor”, finaliza.