Editorial: Psicologa Carapicuíba

Depressão pós-parto, quando a chegada do bebê não alegra a mãe

2.3_Artigo Elizangela

*Elizangela Barbosa

A chegada de um bebê na família costuma causar muita alegria, até mesmo para as situações mais difíceis, quando não houve um planejamento ou até mesmo, quando todos os planejamentos não deram certo. A verdade, é que somos programados para nos derreter na frente de um bebê. E quando essa felicidade não alcança a mãe? Ela pode estar sofrendo de depressão pós-parto.

Após o parto é comum algumas mulheres apresentarem sintomas de tristeza, desespero e até crises de choro. Isso acontece devido às alterações hormonais que ocorrem logo após o parto. É muito difícil a mãe perceber que está sofrendo com esses sintomas, o papel materno ainda vem com muitas cobranças,  por isso a família e os amigos são muito importantes nesse momento. Eles poderão ajudar nos cuidados com o bebê para que a mãe consiga realizar outras atividades como descansar ou cuidar dela mesma. Esses sintomas devem desaparecer em alguns dias, e logo a mãe consegue aproveitar melhor esse momento.

A mãezinha precisará de mais cuidado, quando esses sintomas se intensificarem o sentimento de tristeza, o humor deprimido ou desespero constante ou, não sentir prazer na maioria das atividades diárias. Além da alteração de sono (para mais ou para menos) e alteração de apetite (também para mais ou para menos). Também pode ocorrer uma inquietação e dificuldade para se concentrar.  Um sintoma muito preocupante e grave na depressão são os pensamentos de morte que podem se referir a ela mesma ou ao bebê.

Se você está se sentindo deprimida ou desconfia de alguém que está assim após o nascimento do bebê. Converse com o seu médico pode ser o ginecologista, o obstetra, o endocrinologista e o psicólogo. Quanto mais cedo começar o tratamento, mais tempo terá para aproveitar a vida com o bebê.

*Elizangela Barbosa é psicologa em Carapicuíba.

Depressão: Um mal silencioso

o-DEPRESSION-facebook

Quem já não ouviu falar nela, a doença da alma. Já ouvi dizer que isso era frescura, mas infelizmente esse mal tem atingido muitas pessoas que sentiram na pele o que é ter depressão. Para família de uma pessoa que sofre depressão suportar a angustia da pessoa não é fácil, pois a sensação de impotência pode tomar conta. Em alguns casos é possível perceber o que desencadeou esse processo, mas em outras nem mesmo a própria pessoa sabe o que aconteceu.

A depressão caracteriza-se pela perda de prazer nas atividades diárias, apatia, diminuição da capacidade de se concentrar ou tomar decisões, alterações psicomotoras como lentidão, sensação de fraqueza e fadiga. Também ocorrem alterações no somo podendo ter insônia ou hipersonolência. O apetite também pode ser alterado para mais ou para menos, a redução do interesse sexual, de sair e de fazer tarefas que antes era prazerosa. Ideias suicidas também são sintomas que aparecem.

Enfim a depressão é uma doença seria que precisa de cuidados profissionais de um psiquiatra e de um psicólogo. Se você sente-se assim ou conhece alguém que esteja procure um profissional, pois depressão quando tratada tem cura.

Elizangela Barbosa – Psicóloga atuante em Carapicuíba – EMAIL:  elizbn@ig.com.br