Editorial: pandemia

Obras nas rodovias seguem em andamento na região metropolitana de São Paulo, mesmo com a pandemia

Imagem: Pixabay
Modernização de 212,75 kms de estradas gera 1.018 empregos e traz benefícios aos municípios lindeiros da região

O Governo de São Paulo manteve o cronograma de obras de infraestrutura nas rodovias da região metropolitana de São Paulo mesmo diante de um cenário pandêmico. Os trabalhos realizados pela Secretaria Estadual de Logística e Transportes (SLT), por meio do DER – Departamento de Estradas de Rodagem e pelas concessionárias, sob fiscalização da ARTESP – Agência de Transporte do Estado de São Paulo, não foram paralisados sequer nos meses de quarentena mais intensa (março e abril).

Atualmente, na região metropolitana de São Paulo são 09 intervenções em andamento, totalizando R﹩ 418,7 milhões de reais em investimentos com a modernização de 212,75 quilômetros de estradas. No Estado, são 132 obras com 1.500 quilômetros de vias em modernização que receberam investimentos de R﹩ 5,3 bilhões, geraram 13 mil empregos diretos e indiretos e beneficiarão 155 cidades com as futuras melhorias.

Duplicação de rodovias, faixas adicionais, marginais, novas pistas e recapeamentos de trechos existentes são alguns dos serviços que estão sendo realizados. As obras, além de beneficiar diretamente na mobilidade de quem viaja pelas rodovias que cortam os municípios da Grande São Paulo, contribui na geração de postos de trabalho. Somente para a região, foram mais de 1.018 novos empregos.

O secretário estadual de Logística e Transportes, João Octaviano Machado Neto, explica que manter obras de infraestrutura é fundamental para a retomada do crescimento econômico e o desenvolvimento regional. “Em todo o estado estamos atualmente com 132 obras em andamento, totalizando 1.500 quilômetros de rodovias. Em tempos de dificuldades, não podemos parar. Essas obras geram milhares de empregos. Além disso, o modal rodoviário é o principal meio de escoamento e abastecimento da população. O crescimento da infraestrutura paulista fortalece a retomada da economia do Estado e do País”.

“As rodovias da região metropolitana são importantes ligações da capital paulista ao litoral e interior do Estado e, com o resultado das obras, temos certeza que os usuários poderão contar com viagens ainda mais seguras e confortáveis”, afirma Milton Persoli, diretor-geral da ARTESP. “Estamos alinhados com todas as concessionárias para que, apesar da pandemia, consigamos seguir com nossa programação, com todos os cuidados necessários para preservar a saúde dos profissionais que atuam nas frentes de trabalho.”

Principais obras em andamento na região:

ARTESP

SP 021

Municípios: Carapicuíba, Osasco

Implantação de Marginal – km 19+700 ao 24+400 – ambos os sentidos (Padroeira – Raposo)

Investimento: R﹩ 57,2 milhões

Início: 01/06/2010

Previsão de término: 31/05/2021

SP 021

Municípios: Carapicuíba, Osasco

Faixa Adicional do km 15+500 ao 19+700 – Interna

Investimento: R﹩ 20,5 milhões

Início: 17/09/2012

Previsão de término: 31/05/2022

SP 021

Municípios: Barueri, Carapicuíba, Cotia, Embu, Osasco, Santana de Parnaíba, São Paulo

Pavimento Rígido – Intervenções ao longo da concessão – Ano 13

Investimento: R﹩ 1,1 milhão

Início: 01/06/2020

Previsão de término: 31/05/2021

SP 021

Municípios: Embu, Itapecerica da Serra

Pavimento Asfáltico – 1ª Intervenção Pista Externa e Interna km 30+000 ao km 43+200 – Trecho Sul

Investimento: R﹩ 18,1 milhões

Início: 02/12/2019

Previsão de término: 01/12/2020

SP 021

Município: São Paulo

Pavimento Asfáltico – 1ª Intervenção Pista Externa e Interna km 51+000 ao km 63+200 – Trecho Sul

Investimento: R﹩ 16,8 milhões

Início: 11/06/2019

Previsão de término: 11/11/2020

DER

SP 250

Duplicação e melhorias no trecho entre o Km 48,7 e o Km 62,6 com total de 13,9 km

Municípios: Vargem Grande Paulista, Cotia e Ibiúna

Investimento: R﹩ 115,1 milhões

Início: Janeiro de 2018

Previsão de término: Dezembro de 2020

SP 250

Duplicação e melhorias na via dividido em dois lotes

Lote 1

Duplicação e melhorias na via, incluindo a elaboração do projeto executivo de duas passarelas, Do Km 45,2 ao Km 48,7

Município: Vargem Grande Paulista

Investimento: R﹩ 25,1 milhões

Início: Setembro de 2018

Previsão de término: Dezembro de 2020

Lote 2

Duplicação e melhorias na via, incluindo a elaboração do projeto executivo de duas passarelas, alargamento de uma ponte e de dois muros de contenção, do Km 62,6 ao Km 69,58

Município: Ibiúna

Investimento: R﹩ 41,9 milhões

Início: Setembro de 2018

Previsão de término: Dezembro de 2020

SP 031

Municípios: São Bernardo do Campo, Santo André, Ribeirão Pires e Suzano

Recuperação da pista e das rotatórias do Km 33,1 ao 70,3

Investimento: R﹩ 19 milhões

Início: junho de 2019

Previsão de término: setembro de 2020

SP 088

Municípios: Arujá e Mogi das Cruzes

Melhorias entre o Km 32 e o 33,3 e duplicação e melhorias no trecho entre o Km 33,3 e o 39,4, além de quatro passarelas nos Kms 33,54; 35,23; 37,97 e 38,81

Investimento: R﹩ 103,9 milhões

Início: janeiro de 2018

Previsão de término: dezembro de 2020

Sobre a ARTESP

A ARTESP – Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo – regula o Programa de Concessões Rodoviárias do Governo do Estado de São Paulo há mais de 20 anos. Sob sua gerência, estão 20 concessionárias, que atuam em 10,8 mil quilômetros de rodovias, o que representa quase 31% da malha estadual, abrangendo 283 municípios.

A Agência também fiscaliza o Transporte Intermunicipal de Passageiros, exceto nas Regiões Metropolitanas de São Paulo, Campinas, Baixada Santista, Vale do Paraíba e Litoral Norte. Dentre as ações, realiza auditoria de frota, garagem e instalações, ações fiscais na operação das linhas regulares, nos terminais rodoviários e nas rodovias. Além disso, a ARTESP é responsável pela regulação da concessão de cinco aeroportos regionais.

Centro de Combate ao Coronavírus de Jandira já realizou mais de 4,8 mil atendimentos

Imagem: Luan Brito

Com equipe composta por médicos clínicos e intensivistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, a unidade atende todos os dias, por 24 horas

Com a pandemia do novo coronavírus e com o início dos casos dentro do país, a Prefeitura de Jandira vem investindo no combate à doença para conter a disseminação da Covid-19. Entre as principais ações municipais, está a criação do Centro de Combate ao Coronavírus (CCC), localizado na rua Novo Salomão Barjud, 220, com a finalidade de realizar o primeiro atendimento às pessoas com sintomas que tenham suspeita de contaminação do vírus.

A unidade obedece todos os protocolos de assistência recomendados pelo Ministério da Saúde, tais como disponibilizar álcool gel, triagem com enfermeiros capacitados para realizar o primeiro acolhimento e a realização da avaliação médica onde é verificado a possibilidade de estar ou não infectado e o grau de acometimento da doença. Para este atendimento inicial, o local conta com três médicos clínicos e um médico intensivista durante os sete dias por semana nas 24h do dia.

O CCC conta sala de raio-x equipada com aparelhos modernos e equipe capacitada para o atendimento dos procedimentos. Há ainda dez leitos equipados com ventiladores mecânicos, monitores multiparâmetros, bomba de infusão, e outros onze leitos de observação clínica. Os 21 leitos existentes ao todo estão divididos em ambientes de acordo com o grau de comprometimento do paciente, respeitando as normas de segurança para o profissional de saúde. Há também à disposição, por 24 horas, uma ambulância UTI devidamente equipada para remoções à outras unidades hospitalares ou para a realização de exames externos.

No setor amarelo, para casos moderados, o paciente permanece em observação, recebendo oxigênio suplementar e passa por realização de exames. Já nos setores vermelho e laranja, são destinados aos pacientes em casos críticos ou graves, tendo à disposição recursos tecnológicos semelhantes aos de uma unidade semi-intensiva.

Iniciados os atendimentos aos munícipes em 9 de abril, mais de 150 dias de funcionamento por 24 horas, o Centro de Combate ao Coronavírus de Jandira já realizou 4.802 atendimentos ambulatoriais e 194 internações, até o fim do mês de agosto. De acordo com o último boletim epidemiológico, divulgado na quarta-feira (16), o município tem 1,5 mil pacientes curados, 2,8 mil descartados e 95 óbitos confirmados, um dos menores índices regionais.

Para estes cinco meses de atendimentos, a equipe do CCC passou por cursos de qualificação e reforço como, por exemplo, a forma correta do uso dos principais EPIs, treinamento para intubação orotraqueal e máscara laríngea.

Além disso, os profissionais prestam uma assistência humanizada para o paciente e seus familiares, na qual a equipe médica realiza contato telefônico para informar, diariamente, aos familiares sobre o quadro de saúde do paciente, e há um assistente social para dar apoio emocional e social aos pacientes e familiares.

Como o ensino gratuito e o acesso à cultura podem transformar realidades e fazer do Brasil um preparador e exportador de talentos, mesmo durante a pandemia

Imagem: TV Cultura
Da favela no Brasil para o mundo – a história da aluna de viola do Instituto Baccarelli, Palloma Izidio (22 anos), e sua trajetória para chegar ao renomado Conservatório de Mons (Bélgica) pelas mãos do violista Marc Sabbah

Se por um lado a pandemia travou a cultura, por outro a nova forma de se relacionar com as pessoas tem construído pontes e encurtado distâncias entre professores de música do outro lado do mundo e alunos talentosos, por meio das aulas online.

Isso é o que tem ocorrido frequentemente no Instituto Baccarelli – com 23 anos de atuação, a organização sem fins lucrativos localizada na comunidade de Heliópolis (SP) – ensina música a mais de 1.200 crianças e jovens por ano. Em uma área de 5 mil m², o Instituto conta com 16 turmas de musicalização infantil, 13 corais, 48 turmas de coletivos de instrumentos e 4 orquestras.

Heliópolis é a maior comunidade de São Paulo e, também local onde o hospital de campanha registra o maior número de mortes por Covid-19. Ao todo 62% das mortes por coronavírus nos hospitais de campanha da cidade de São Paulo foram na unidade de Heliópolis. A unidade de saúde foi montada no dia 20 de maio e acumula 78 óbitos registrados e 617 altas. Cerca de 90% dos pacientes que passaram por Heliópolis com Covid-19 foram recuperados. Dos 200 leitos, 34 são de unidade de terapia intensiva.
 
A história da aluna Palloma

Por meio do Instituto Baccarelli os alunos estão tendo aulas online com grandes nomes da música na série de masterclasses, que faz parte do programa “Conexão Heliópolis” – a frente artístico-pedagógica do Instituto Baccarelli em versão digital, que se configurou após a pandemia.

Por essa frente, os alunos têm tido acesso ao conteúdo de ensino musical pela internet, possibilitando que continuem aprendendo, mesmo estando em casa em isolamento. As mais de 80 masterclasses promovidas até agora têm proporcionado interação entre os estudantes e grandes nomes da música, que entram em contato com os programas musicais em Heliópolis por intermédio do seleto time de professores do Instituto Baccarelli. Um dos maiores ativos do Instituto é seu corpo pedagógico, pelo alto nível técnico e pelas relações profissionais que mantêm com grandes e expressivos nomes da música, no Brasil e no mundo.

E foi por meio dessa rede que Palloma Izídio teve acesso a uma oportunidade internacional.

Estudante de um outro projeto social de ensino de música na cidade de Barra Mansa (RJ), Palloma já era uma admiradora do Instituto Baccarelli. Aos 18 anos de idade, em 2016, decidiu mudar-se da cidade onde morava com os pais, para morar sozinha na comunidade de Heliópolis e investir no seu sonho de estudar viola no Instituto Baccarelli. Atraída pela chance de ingressar em uma instituição de ensino gratuito e de excelência, com profissionais de renome internacional no mundo da música orquestral, em 2016 ela foi aprovada para a Orquestra Sinfônica Heliópolis, grupo artístico que dá direito a aulas particulares e auxílio-financeiro aos músicos participantes. E permanece lá até hoje.

Em 12/5/2020, em meio à quarentena, ela e mais três alunos foram convidados para participar de uma aula online com o violista norte-americano, Marc Sabbah, contatado por um dos professores do Instituto Baccarelli. Impressionado com o talento da aluna, Sabbah a convidou para fazer algumas aulas particulares online. Depois de algumas semanas, ele decidiu que ela tinha nível para estudar no Conservatório Real de Mons, na Bélgica, onde ele leciona.

A partir de uma carta de recomendação enviada pelo músico, Palloma pode se inscrever no processo seletivo e teve apenas uma semana para preparar o repertório exigido. “Se ela não estivesse bem preparada e estudando frequentemente, jamais teria conseguido gravar os vídeos com obras tão complexas em tão pouco tempo”, avalia o professor da Palloma no Brasil, o violista Gabriel Marin. No dia 10 de julho, ela recebeu a carta com a notícia de que foi admitida para iniciar seus estudos na entidade, um dos mais antigos e respeitados conservatórios do mundo.
 
O desafio de Palloma

Essa conquista com ‘cara de final feliz’ é apenas o começo do desafio. O Conservatório de Mons, por tradição, não oferece bolsas de estudos, então, ela agora está em busca de recursos para conseguir pagar o curso de bacharelado, a passagem e os custos para se manter na Bélgica pelo período de quatro anos.

O custo anual do curso é de €2 mil. Apesar de não se tratar de um conservatório caro para os padrões europeus, para essa brasileira da periferia, o custo é bastante elevado. Isso sem contar a luta contra o relógio. A jovem tem até o início do mês de outubro deste ano para pagar sua matrícula, viajar para a Europa e iniciar seus estudos.

Para isso, ela conta com a ajuda de amigos, instituições culturais, e do time do Instituto Baccarelli, que está se mobilizando para ajudá-la a chegar à Bélgica por meio de uma arrecadação online: http://abacashi.com/p/bacharel-na-belgica. . Essa conquista representa um grande salto profissional para Palloma e um reconhecimento à qualidade da classe musical brasileira, que continua preenchendo as vagas de escolas pelo mundo todo, mesmo diante de tantas dificuldades.

Também reafirma a importância do trabalho de instituições socioculturais como o Instituto Baccarelli, que segue oferecendo ferramentas para que centenas de crianças e jovens do país possam se desenvolver e buscar oportunidades de carreira – até mesmo no cenário internacional.
 
O Instituto Baccarelli

A história do Instituto Baccarelli, começa em 1996, quando comovido com a notícia de um incêndio que desabrigou centenas de pessoas em Heliópolis – comunidade próxima ao bairro onde vivia e trabalhava, o maestro Sílvio começou a dar aulas de música voluntariamente para 36 crianças de uma escola pública da região para ajudar a minimizar as tristezas causadas pela tragédia.

Alguns meses depois, estava formada a pequena orquestra de cordas que deu origem ao Instituto Baccarelli, projeto que atualmente oferece cursos de musicalização, canto e instrumentos sinfônicos para crianças e jovens da comunidade.

Hoje, o Instituto que carrega o nome do seu fundador, já proporcionou o ensino da música para mais de 3.000 pessoas em 23 anos de atuação e conta com a com direção artística e regência de um dos maiores maestros da atualidade, Isaac Karabtchevsky. A organização tem uma sede própria na Comunidade de Heliópolis, em uma área de 5 mil m², onde ensina música anualmente a 1.200 crianças e adolescentes a partir de quatro anos de idade. São 16 turmas de musicalização infantil, 13 corais, 48 turmas de coletivos de instrumentos e quatro orquestras.
 
Sobre o Instituto Baccarelli
 
O Instituto Baccarelli é uma das organizações sem fins lucrativos mais respeitadas no Brasil por proporcionar ensino de excelência combinando três eixos de grande importância: cultural, educacional e social. Além disso, formou a primeira orquestra do mundo em uma favela, quebrando diversas barreiras. Com direção artística e regência de um dos maiores maestros da atualidade, Isaac Karabtchevsky, a instituição oferece
todas as atividades gratuitamente e tem sua sede na comunidade de Heliópolis, onde atua há 24 anos, como agente de transformação social por meio da arte. Mais do que dar acesso ao ensino musical, o instituto mostra um futuro com mais perspectivas àqueles que, pela desigualdade, são colocados à margem da sociedade.

Para mais informações, acesse www.institutobaccarelli.org.br

Ideb 2019: SP lidera nos anos finais do ensino fundamental e retoma crescimento nas outras etapas

Estado registrou a maior evolução da história no ensino médio 

Dados do Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) 2019 divulgados nesta terça-feira (15) pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep), órgão do Ministério da Educação, apontam que a rede estadual de São Paulo teve o melhor resultado do Brasil nos anos finais do ensino fundamental e voltou a crescer nas outras etapas do ensino.  

No ensino médio, a rede estadual de São Paulo registrou o maior crescimento de sua história. Nos anos iniciais do ensino fundamental, se for avaliada a rede pública conjuntamente entre escolas estaduais e municipais, São Paulo também apresenta o melhor resultado do país.  

Ensino médio 

O maior desempenho foi notado no ensino médio, que saltou de 3,8 no último Ideb, em 2017, para 4,3 em 2019, registrando o maior crescimento da história das escolas estaduais neste ciclo de ensino.  

Após retroceder em 2017, a rede estadual cresce 0,5 no ensino médio em 2019 e permanece em 5º lugar no ranking entre os estados.  

“Estou muito feliz com o crescimento do ensino médio do Brasil. Sonho com um país que continue avançando. O crescimento de São Paulo é muito importante, estamos nos movendo dentro da nossa própria comparação, ainda mais se levarmos em conta o tamanho da nossa rede”, afirmou o secretário Rossieli Soares.  

Ensino fundamental 

Nos anos finais do ensino fundamental, São Paulo recebeu pontuação de 5,2 – antes tinha 4,8. O desempenho foi o melhor da história de São Paulo e de todas as outras redes estaduais do Brasil.  

 O Ideb 2019 também apontou evolução nos anos iniciais do ensino fundamental que já era bem avaliado. Saltou de 6,5 para 6,6 pontos. Vale lembrar que nesta etapa do ensino, São Paulo possui 631 mil alunos e tem a maior rede estadual de anos iniciais do país.  

O desempenho nesta etapa faz com que a rede estadual de São Paulo ocupe o segundo lugar entre as demais redes estaduais, fica atrás apenas do Paraná que possui 0,5% dos alunos matriculados em São Paulo.   

Como é calculado 

O Ideb é o principal indicador da qualidade dos sistemas educacionais brasileiro. Ele é calculado com base nas médias da Prova Brasil e fluxos de aprovação, reprovação e abandono extraídos do Censo Escolar. 

Impacto da pandemia 

Rossieli Soares reforçou que a tendência de crescimento apresentada pelo Ideb 2019 pode não se manter nos próximos anos por conta da pandemia do coronavírus enfrentada atualmente.  

“Precisamos fazer essa reflexão enquanto sociedade sobre o que está acontecendo. A pandemia trouxe aumento do desemprego e há um consequente risco de evasão escolar. Temos muitos esforços para garantir a aprendizagem neste período, mas o desafio está posto e é fundamental que a gente reflita”, diz Soares.  

O secretário lembrou que São Paulo implementou estratégias para garantir o ensino mediado por tecnologia com o Centro de Mídias SP e aulas via aplicativos e canais de TV. O Estado ainda construiu e aprovou o currículo paulista em implantação em 628 municípios, criou 53 escolas de Programa de Ensino Integral (PEI), realizou programa de recuperação de aprendizagem e formação de professores. 

Volta às aulas: segurança e comunicação são fundamentais, orienta especialista

Imagem: Freepik
Alvo de polêmicas, a decisão de retomar o calendário escolar exige cautela, cuidados redobrados e investimento na saúde e segurança de estudantes e colaboradores, para garantir o sucesso do processo de ressocialização escolar

No mês em que o país supera a marca de quatro milhões de casos de Covid 19 confirmados, governos e autoridades de saúde tentam chegar a um acordo sobre o processo de retomada do calendário escolar em estados e municípios brasileiros. Em São Paulo, por exemplo, a previsão de retornar as atividades no dia 08 de setembro foi adiada depois de uma análise dos índices de Coronavírus entre alunos e professores. Decisão que se repetiu também nos estados da Bahia, Santa Catarina e Ceará.

A medida é uma forma de evitar que se repita no Brasil os mesmos resultados de países onde as instituições de ensino foram reabertas, mas precisaram fechar as portas por causa do registro de novos casos. Alguns chegaram a reabrir priorizando crianças menores pela baixa taxa de adoecimento. Outros investiram em mudança de rotina e adotaram medidas como distanciamento das cadeiras, divisão de turmas por dias e horários diferenciados, redobraram práticas de higiene – como lavar as mãos, pelo menos, cinco vezes, durante o período na escola – entre outras. “São medidas simples, mas que podem contribuir com o sucesso desta fase”, explica o médico do Grupo Sabin Medicina Diagnóstica, Bruno Ganem.

Seguindo a linha estratégica de outros países, o Brasil orienta autoridades da educação para a retomada das aulas, mas com medidas que garantam bons resultados e, principalmente, após a realização de testes de covid-19 em professores, colaboradores e estudantes, para auxiliar na tomada de decisão e avaliar se é viável reabrir as portas. Para o especialista, cada etapa deste processo deve ser feita de forma cautelosa e, principalmente, segura. “Uma das principais preocupações de pais, professores, estudantes e autoridades é uma nova onda de infecções dentro das instituições. Há ainda uma outra preocupação porque em muitos casos crianças e adolescentes são assintomáticos e há um risco muito grande de levarem o vírus para dentro de casa, onde pode haver pessoas mais suscetíveis ao vírus, como os idosos, por exemplo. Por isso, todas as medidas que podem ser colocadas em prática a favor da saúde neste momento são fundamentais”, enfatiza o médico.

A importância da testagem e medidas de prevenção

Um estudo recém publicado pela revista britânica ‘The Lancet’ sugere que só é possível assegurar um retorno às aulas com pouca possibilidade de um novo surto, após grande volume de testagem de pessoas sintomáticas (entre 59% e 87%), e destaca também o rastreamento de contatos de alunos que estiveram e isolamento.

O médico vai além e destaca ainda outras importantes iniciativas que são decisivas nesta fase. “Observamos mudanças de hábitos sociais e, mais do que nunca, é preciso investir agora em práticas que atendam às exigências deste ‘novo normal’. E quando falamos em instituições de ensino, onde há um público mais diverso, com necessidades tão distintas, o processo precisa ser gradativo e requer medidas importantes. Destaco como fundamental os protocolos sanitários, que auxilia as instituições nesta reestruturação de suas atividades, respondendo de forma eficaz à essa mudança organizacional”, afirma Ganem.

“A Covid 19 provocou impactos significativos em todas organizações e temos a certeza de que nada será como antes. É um cenário desafiador e também é o momento ímpar para que os gestores repensem seus modelos e invistam nos protocolos de saúde, para favorecer que seja uma fase amparada em segurança sanitária e confiança, dois pilares fundamentais nesta etapa”. O médico detalha que os protocolos sanitários dispõem de três ‘engrenagens’ que funcionam em total sintonia. “Primeiro, é preciso fazer triagem dos profissionais para entender quais são as populações das escolas e os riscos oferecidos. Esta é uma etapa de extrema relevância para criar a engrenagem seguinte, a do monitoramento, questionar o que será monitorado para dar mais segurança aos grupos selecionados na triagem. Por fim, os essenciais protocolos de testagem. Esses pilares funcionando darão a sustentação necessária à segurança sanitária”, enfatiza o médico.

De acordo com o especialista, a consultoria às instituições proporciona uma fusão da segurança com a comunicação mais fluida entre as equipes, que também é essencial para reestabelecer a confiança e promover um ambiente seguro, saudável e acolhedor. “Todas as etapas da consultoria são desenvolvidas para adequar os ambientes às novas realidades. O Grupo Sabin, em parceria com a In Press Oficina, por exemplo, dispõe do projeto Novos Costumes, é uma consultoria especializada para a Covid 19. Especialista vão às instituições, avaliam os espaços e rotinas, desenvolvem protocolos e monitoram os resultados. Todo o trabalho é personalizado, de acordo com cada segmento de atuação, perfil dos colaboradores e dos clientes ou usuários”, destaca o médico.

Para conhecer mais sobre o projeto, acesse: http://novoscostumes.com.br/

Pesquisa Educacional Impacto Covid na rede SENAI-SP mostra que 79% dos alunos estão satisfeitos com estratégias de ensino remoto

Imagem: Freepik
Responderam à pesquisa 6.279 estudantes, 560 docentes e 139 gestores de 91 escolas do estado de São Paulo
 
Pesquisa realizada pelo SENAI-SP revela que 79% dos alunos da rede se sentem totalmente atendidos e 19% parcialmente atendidos em atividades que envolvem comunicação, acompanhamento, resolução de atividades, respostas às dúvidas e suporte à utilização de ferramentas remotas adotadas pela instituição durante a pandemia. A Pesquisa Educacional Impacto Covid-19 foi aplicada em toda a rede de escolas do SENAI-SP, localizadas na região metropolitana do estado de São Paulo, interior e litoral, de 21 a 31 de julho.

Outro dado da pesquisa mostra que cerca de 90% dos alunos concordam – totalmente ou parcialmente – que as estratégias adotadas pelas escolas garantiram sua formação. Quanto ao desenvolvimento das capacidades técnicas, 58% se dizem totalmente atendidos com as devidas estratégias de mudanças para o ensino remoto e 33% parcialmente atendidos.

O levantamento também ouviu professores e gestores que no período da pandemia tiveram que se adaptar ao novo formato em dar aulas mantendo a qualidade do ensino sem interromper a boa capacitação de profissionais da indústria.

Segundo o levantamento, a grande maioria dos docentes, 90%, declarou que os cursos foram modificados para que fossem viabilizados de forma remota. Para que isso fosse possível, 24% dos gestores proporcionaram aos professores os ambientes e a estrutura da escola, e 19% disponibilizaram recursos para a preparação das aulas, como laboratórios, oficinas e equipamentos para gravação e transmissão. Cerca de 14% ainda ofereceram computadores e notebooks aos professores. Outra importante ferramenta de apoio foi a criação de grupos de estudos para que os professores compartilhassem suas experiências, estratégia citada por 34% dos gestores das escolas.

Quanto ao suporte tecnológico aos alunos, 27% dos gestores das escolas disponibilizaram computadores, notebooks e tablets. Houve ainda relatos sobre provimento de rede de internet e levantamento para liberação de modem. De acordo com a pesquisa, 72% dos estudantes acessam internet por banda larga (cabeada ou wifi), enquanto 24% pela banda larga e pacote de dados móveis e 4% só por meio de dados móveis. A maioria dos estudantes (68%) possui computador e celular, enquanto 26% declararam possuir só celular. Destes, 44% compartilham o dispositivo (celular ou computador) com outras pessoas na casa.

As estratégias educacionais à distância mais utilizadas foram: videoaula (98%), e-mail (94%), chat (93%) e WhatsApp (90%). Cerca de 76% utilizaram os ambientes remotos de ensino – como Teams, Moodle e Google Classroom – sem dificuldade, e somente 11% revelaram dificuldades em realizar as videoaulas síncronas.

Bem-estar
A pesquisa também analisou os impactos da pandemia na saúde física, emocional, familiar e financeira dos alunos e professores. Aproximadamente 35% declararam que enfrentaram sofrimento emocional com prejuízo nas suas atividades educacionais. Este sofrimento emocional foi verificado também em 22% dos familiares dos alunos e em 9% dos docentes. Já os impactos financeiros atingiram cerca de 20% dos estudantes que declararam ter perdido o emprego, enquanto 55% tiveram algum impacto financeiro pessoal ou familiar. Entre os docentes, 41% declararam ter sofrido impacto financeiro individual ou familiar. Esse e valor se manteve constante em todas as regiões do estado.

Para o apoio físico e emocional das pessoas, foram usadas as ferramentas como e-mail, WhatsApp e encontros remotos. Além de outras práticas, como distribuição de cestas básicas e práticas de acolhimento e motivação.

Outro ponto que chamou a atenção na pesquisa foi a atuação dos Analistas de Qualidade de Vida (AQV), que acompanham de perto os alunos e colaboradores em diversas questões pessoais e profissionais, humanizando cada vez mais, a relação da instituição com as pessoas. Este apoio foi referenciado espontaneamente por 8% dos entrevistados.

Satisfação e desenvolvimento técnico
O levantamento também quis saber se os alunos estavam totalmente satisfeitos com o curso oferecido no período da pandemia e 60% responderam que sim, 37% parcialmente satisfeitos e somente 3% declaram insatisfação.

Quanto ao desenvolvimento das capacidades técnicas, 58% foram totalmente atendidos, e 33% percebem que tal desenvolvimento aconteceu parcialmente. Esse resultado obtido na pesquisa pode ser indicativo da natureza do curso e da necessidade de realização das práticas em ambiente presencial. Este comportamento se repete quando perguntados sobre o sentimento de prejuízo ao desenvolvimento das competências profissionais do perfil: 28% sentem-se prejudicados em suas competências profissionais, 54% concordam parcialmente e 28 % discordam da existência de prejuízo em sua formação.

Sobre as estratégias remotas serem garantidoras da formação profissional, 37 % concordam totalmente, 53% parcialmente e 10% não concordam. Esta discordância pode estar relacionada desde as questões estruturais (acesso, ferramentas, ambiente remoto) até as questões pedagógicas e de natureza específica de cada curso. Além disso, aponta para a pertinência da adoção do ensino hibrido, modelo que mescla momentos em que o aluno estuda sozinho, de maneira virtual, com outros em que a aprendizagem ocorre de forma presencial, valorizando a interação entre pares e entre aluno.

Retorno Presencial
Questionados sobre o retorno às atividades presenciais, 50% dos estudantes já se sentem à vontade, 35% ainda condicionam o retorno às condições oferecidas pelas escolas e pelo próprio município e 15% não estão confortáveis com a volta. A pesquisa também perguntou sobre a continuidade das estratégias remotas adotadas durante a pandemia, e 54% concordam com sua manutenção – total ou parcial, enquanto 46% não concordam.

Grupo de risco
Entre os docentes, aproximadamente 20% informaram que pertencem ao grupo de risco para COVID-19 e estão localizados na Região Metropolitana de São Paulo. Entre os estudantes, este número foi de 12%, observando-se um percentual maior nas escolas do litoral paulista.

Perfil da pesquisa
A maioria dos estudantes é do gênero masculino (69%) e têm entre 14 a 25 anos (92% do total), com a maior média de idade observada na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). 78% dos docentes têm entre 31 e 50 anos e 12% mais de 51 anos de idade. 81% são homens, 3% possuem características de deficiência e 60% moram em residências com até três pessoas, sendo que a proporção é maior na RMSP (66%) e no litoral (63%).

CAIXA DISPONIBILIZA R$ 15 BILHÕES PARA MAIS DE 136 MIL PEQUENAS E MICROEMPRESAS

Imagem: Divulgação

Pelo Pronampe, banco liberou R$ 2,55 bilhões na última semana e seguirá com as contratações até o limite do Fundo Garantidor de Operações (FGO)

As principais linhas de crédito da CAIXA voltadas para atender as necessidades das pequenas e microempresas já injetaram na economia R$ 15 bilhões desde março. Ao todo, mais de 136 mil empresas fecharam contratos com taxas e condições especiais para enfrentar os efeitos da pandemia de COVID-19 na economia.

Só no Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), quase 99 mil empresas já fecharam contrato, em um total de R$ 9,81 bilhões. Apenas na última semana, foram R$ 2,55 bilhões emprestados.

A CAIXA seguirá emprestando pelo Pronampe até o limite do Fundo Garantidor de Operações (FGO), conforme determinação do gestor do Fundo, o Banco do Brasil, nesta sexta-feira (22/09). A expectativa é que sejam contratados mais R$ 2 bilhões pela linha.

No Crédito Assistido, que conta com a parceria do SEBRAE para antes e após a contratação com a CAIXA, foram atendidas mais de 31 mil empresas, num montante de R$ 2,2 bilhões. O Giro CAIXA FGI disponibilizou R$ 2,6 bilhões para 8,3 mil clientes.

O presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, ressalta que o banco vai estar sempre ao lado do empreendedor brasileiro. “Estivemos ao lado dos empreendedores do país no momento mais difícil da pandemia. Agora, vamos seguir juntos e apoiá-los na retomada da economia”, afirmou Guimarães.

Pronampe:

A CAIXA foi a primeira instituição financeira do país e operar com o Pronampe, em junho. O banco também foi a única instituição financeira que direcionou R$ 50 milhões para beneficiar cerca de 3 mil microempresas.

Como contratar:

Os clientes devem acessar ao site www.caixa.gov.br/caixacomsuaempresa e preencher um  formulário de interesse ao crédito. O banco entrará em contato se a empresa estiver apta a contratar o financiamento. A solicitação também pode ser feita nas agências da CAIXA.

A partir de agora, cidades que regredirem irão para fase VERMELHA, diz Dória

Imagem: Divulgação
Em pronunciamento, o governador de SP João Dória disse que a partir de agora, a região que regredir de fase terá que fechar tudo e funcionar apenas com serviços essenciais.
 
Pela primeira vez todo estado de São Paulo está na fase Amarela do plano SP, porém se regredir volta direto para fase vermelha e não para fase laranja como era.
 
Na semana em que o município de Carapicuíba registra 318 mortes pelo coronavírus e o aumento de aglomerações em parques e clube, algumas pessoas temem o aumento nos casos devido a irresponsabilidade de alguns com aglomerações e a falta do uso de máscaras e distanciamento social.
 
 Nossos sentimentos a todos os familiares que perderam seus entes queridos acometidos pela covid-19.
 
Não é o momento de relaxar, a pandemia ainda não passou. Proteja você e aqueles que você ama. 
 
  • Use máscaras,
  • passe álcool em gel
  • mantenha o distanciamento social.

Fonte: https://www.facebook.com/programasEMFOCO

ARTESP e concessionárias se mobilizam na Campanha Setembro Verde para incentivar doações de órgãos

Imagem: Divulgação
Mensagens educativas e motivacionais serão exibidas nos painéis eletrônicos instalados nas rodovias sob concessão da Agência

Com o objetivo de incentivar as doações de órgãos no Estado, a ARTESP – Agência de Transporte do Estado de São Paulo, com o apoio das 20 concessionárias que administram as rodovias paulistas, participa da campanha Setembro Verde. A iniciativa é uma parceria com a Associação Brasileira de Transplantes de Órgãos (ABTO) para conscientizar a população da importância do gesto, principalmente diante do atual cenário pandêmico.

As ações de conscientização do Setembro Verde começaram nesta terça-feira (8) e vão até o dia 30. Desde então, as concessionárias exibem nos 388 painéis eletrônicos – distribuídos ao longo dos 10,8 mil quilômetros de rodovias concessionadas – as seguintes mensagens da campanha:

Doe órgãos, salve vidas

Avise sua família

Avisar os familiares sobre a intenção de ser um doador de órgão é essencial, já que no Brasil não há necessidade de documentar essa condição. Podem ser doados órgãos como rins, coração, pulmões, fígado, pâncreas e também tecidos, como ossos, tendões, pele, córneas e válvulas cardíacas. Um único doador pode salvar várias vidas. Atualmente, cerca de 40% das famílias se recusam a doar os órgãos de parentes, já que não foram comunicadas sobre a intenção anteriormente.

Por conta da pandemia, o número de doadores de órgãos caiu 6,5% no Brasil no primeiro semestre de 2020, em comparação ao mesmo período de 2019, segundo a ABTO. Essa redução prejudicou também os transplantes, que vinham crescendo gradativamente nos últimos anos.

“Este ano tem se mostrado atípico e com muitos desafios. Estamos diante de um momento em que precisamos somar esforços para que a conscientização para a doação de órgãos aumente. Por isso, juntamente com as concessionárias, vamos ajudar a reforçar a campanha Setembro Verde, divulgando mensagens de incentivo em todos os painéis das rodovias sob concessão do Estado de São Paulo. Doar órgãos é um ato de generosidade ao próximo e salva muitas vidas”, conta o diretor geral da ARTESP, Milton Persoli.

Segundo dados da ABTO, no primeiro semestre de 2020, foram realizados 8.897 transplantes. Desses, 3.632 são os chamados órgãos sólidos (coração, fígado, pâncreas, pulmão e rim), sendo que parte desse número envolve mais de um órgão. Os transplantes de córnea no mesmo período somaram 3.963 e os de medula óssea foram de 1.302. Entre os órgãos sólidos, os maiores índices de transplante são de rim (2.409).

“Entendemos o drama acarretado pela pandemia atual, mas vamos tentar não deixar a alma do transplante morrer, agindo com calma e prudência, lembrando que milhares de pacientes dependem da doação de órgãos e, consequentemente, dos transplantes para sobreviverem”, explica o presidente da ABTO, José Huygens Parente Garcia.

Cerca de 90% dos transplantes são realizados pelo SUS. Mesmo com esses números, as filas de espera ainda são bastante longas, devido ao baixo índice de doadores. De acordo com a entidade, a lista de espera para a doação de órgãos conta com 40.740 pessoas. O órgão mais aguardado é o rim, com um total de 26.678 pacientes.

No Estado de São Paulo, no primeiro semestre deste ano, foram realizados 2.680 transplantes, sendo 1.363 de córnea, 856 de rim, 351 de fígado, 60 de coração, 21 de pâncreas e rim, 19 de pulmão e 10 de pâncreas.

Atualmente, 17.379 pessoas aguardam por um órgão no estado, somando 13.211 que precisam de rins, 3.360 de córneas, 336 de fígado, 135 de coração, 107 de pulmão, 16 de pâncreas e 214 de pâncreas e rim, simultaneamente.

“A doação de órgãos pode salvar muitas vidas. Estas ações pelas rodovias concedidas do Estado de São Paulo visam lembrar e conscientizar a população quanto à importância deste gesto”, diz o Secretário de Estado da Saúde, Jean Carlo Gorinchteyn.

Por três anos, o estudante José Eduardo de Faria Lima Neto, 20 anos, ficou na fila esperando por um pulmão. Ele recebeu o órgão em abril de 2019 e diz que a doação salvou sua vida. Atividades como jogar bola, nadar e estudar, que antes fazia com dificuldades, foram retomadas após a cirurgia. “Hoje sou uma nova pessoa, a doação me deu uma nova vida. Sempre que posso, conscientizo e incentivo todos ao meu redor sobre esse ato de generosidade e amor”, afirma.

Para mais informações sobre doação de órgãos, acesse:

Sobre o Setembro Verde

O Dia Nacional de Doação de Órgãos é celebrado em 27 de setembro, por isso, o mês foi escolhido para incentivar e conscientizar sobre a importante atitude. A cor verde foi eleita como a melhor para ilustrar a causa, pois representa a área da saúde e simboliza também a esperança e a liberdade.

Sobre a ARTESP

A ARTESP – Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo – regula o Programa de Concessões Rodoviárias do Governo do Estado de São Paulo há mais de 20 anos. Sob sua gerência, estão 20 concessionárias, que atuam em 10,8 mil quilômetros de rodovias, o que representa quase 31% da malha estadual, abrangendo 283 municípios.

A Agência também fiscaliza o Transporte Intermunicipal de Passageiros, exceto nas Regiões Metropolitanas de São Paulo, Campinas, Baixada Santista, Vale do Paraíba e Litoral Norte. Dentre as ações, realiza auditoria de frota, garagem e instalações, ações fiscais na operação das linhas regulares, nos terminais rodoviários e nas rodovias. Além disso, a ARTESP é responsável pela regulação da concessão de cinco aeroportos regionais.

SPMAR faz doação para entidades em 11 cidades

Imagem: Divulgação
Ação é parte da campanha Inverno Solidário que termina no próximo dia 15 de setembro

A chegada do inverno com quedas bruscas de temperatura à noite, representa um perigo para muitas pessoas que vivem em vulnerabilidade social.

Para ajudar a mudar essa realidade a SPMAR aderiu à Campanha Inverno Solidário, uma iniciativa do Fundo Social de Solidariedade do Estado e que conta também como apoio da ARTESP (Agência de Transporte do Estado de São Paulo).

No total foram contempladas 11 instituições que trabalham com pessoas desamparadas, sendo uma em cada cidade cortada pelos trechos Sul e Leste do Rodoanel Mario Covas.

“Esse é o resultado de uma verdadeira corrente de solidariedade, possível graças a solidariedade de usuários e colaboradores, fundamentais nesse trabalho de ajudar ao próximo” explica o diretor executivo da concessionária SPMAR, Marcos Fonseca.
 
Desde o início da ação em junho, a SPMAR já realizou doação de 550 cobertores e 630 peças de roupas novas, uma exigência da campanha desse ano, devido a pandemia do Covid-19.

Entre as instituições favorecidas pela concessionária estão o Fundo Social de Solidariedade – São Bernardo do Campo, Santo André, Itapecerica da Serra, Arujá, Poá, Mauá, Ribeirão Pires, Itaquaquecetuba e São Paulo – o Exército da Salvação de Suzano e a Instituição Obreiros do Amor e Misericórdia (OAM) de Embu das Artes.
 
Para quem tiver interesse em colaborar com a campanha, as doações de roupas e cobertores novos continuam sendo recebidas até o dia 22 de setembro. No site da campanha www.invernosolidario.sp.gov.br é possível digitar seu cep e encontrar o posto de coleta mais perto da sua residência