Editorial: exposição

Fios, linhas, rendas, fibras: exposição EntreMeadas apresenta produção de artesãs de diferentes regiões do estado de São Paulo

Crédito: Mariana Chama

Cerca de 60 obras inéditas de artesãs de todo o estado de São Paulo compõem a exposição EntreMeadas, que será inaugurada em 15 de outubro, às 19h30, no Sesc Vila Mariana, com intervenção do coletivo Rendeiras da Aldeia (Carapicuíba). 

Idealizada pelo Sesc São Paulo, com curadoria da crítica e historiadora do design Adélia Borges, a mostra dá destaque ao artesanato brasileiro feito por mulheres e valoriza o patrimônio cultural ao reunir o trabalho de artesãs e coletivos de 14 cidades paulistas, para as quais o artesanato é um meio de expressão, de afirmação de identidade e de geração de renda. 

Com riqueza de trançados, cores e formas, a exposição apresenta obras artesanais e suas raízes, desde o material escolhido, a comunidade de origem e a artesã criadora. O trabalho de curadoria também se destaca pelo recorte geográfico. Durante o processo de pesquisa, Adélia Borges mapeou uma rica diversidade artesanal no estado, que tem como resultado uma mostra com obras feitas na capital paulista e oriundas das cidades de Carapicuíba, Atibaia, Olímpia, Cananeia, Bertioga, São Bento do Sapucaí, Miracatu, Bauru, Américo Brasiliense, Guapiara, Eldorado, Tremembé, Bertioga e Osasco. 

Produzidos em diferentes técnicas, aprendidas e transmitidas pela oralidade, os trabalhos revelam a complexidade do trançar, tecer, costurar ou bordar. Para que o público possa explorar as texturas e os materiais usados na produção dessas obras, algumas delas poderão ser manipuladas. 

As peças também suscitam uma interpretação do artesanato como frente de resistência cultural e de empoderamento, o que reforça o lugar das artesãs enquanto autoras de suas histórias. “O protagonismo das mulheres fica em evidência nessa montagem, na qual episódios de suas histórias de vida se entrelaçam às suas próprias produções artísticas”, afirma Priscila Lourenção, da equipe de programação do Sesc Vila Mariana. 

Também com o intuito de favorecer a aproximação junto ao universo do artesanato e com as artesãs expositoras, durante o período da mostra haverá uma programação integrada, que contará com bate-papos, oficinas e cursos. 

Artesanato e transformação social – Ao reunir e expor esse acervo, a mostra EntreMeadas também possibilita que associações, comunidades e artesãs tenham seu trabalho (re)conhecido pelo caráter de transformação social que imprimem em suas localidades. Um exemplo é o coletivo Mulheres Artesãs da Enseada da Baleia (Cananeia), que trabalha com a reutilização de redes de pesca de camarão. Há também obras dos quilombos Ivaporunduva e Sapatu (Eldorado) e Banarte (Miracatu), que usam as fibras das bananeiras como matéria-prima para suas criações – isto possibilita o aproveitamento integral da planta e evita o desperdício. 

Há grupos que utilizam os trabalhos têxteis como suporte para a aproximação e comunicação. O Piradas no Ponto, por exemplo, reúne-se mensalmente no Parque Trianon, na Avenida Paulista, no que define como um “uso poético do espaço público”. Seus bordados contam narrativas e em vários casos problematizam situações para reflexão e discussão, como os desastres ambientais de Mariana e Brumadinho. 

Rendeiras de Aldeia, iniciativa criada a partir de um curso de alfabetização em Carapicuíba, possibilita que mulheres usem suas memórias e técnicas manuais para a geração de renda. Destaque para Wilma de Fátima da Silva, uma das rendeiras que levou a Renascença (bordado feito em círculos que irradia por tecidos) para o grupo e ganhou o prêmio de Mestre da Renda Renascença pelo Ministério da Cultura. O grupo, inclusive, apresenta-se na abertura da exposição EntreMeadas com a intervenção Cantos de Trabalho do Fiar, Tecer, Coser, Bordar e Rendar. Os cantos de trabalho fazem parte da tradição de comunidades de muitos lugares e seu repertório musical é movido pela gestualidade e ritmo do trabalho. 

Adélia Borges, que assina a curadoria da mostra, tem uma relação estreita com o artesanato: aprendeu a bordar com o grupo mineiro Matizes Dumont e realizou exposições e palestras, no Brasil e mundo, sobre a linha tênue entre o design e o artesanato. Em seu currículo acumula 40 exposições e 16 livros, entre eles Design + Artesanato: O Caminho Brasileiro (2011), no qual traça um panorama da revitalização recente do objeto artesanal brasileiro. 

Programação completa em: sescsp.org.br/vilamariana 

_Exposição EntreMeadas – Livre | Grátis Abertura: 15 de outubro de 2019, terça, às 19h30 Visitação: 16 de outubro de 2019 a 9 de fevereiro de 2020 Terças a sextas, das 10h às 21h30 Sábados, das 10h às 20h30; domingos e feriados, das 10h às 18h30 Local: Térreo (Torre A) Agendamento de grupos: agendamento@vilamariana.sescsp.org.br 

_Cantos de Trabalho do Fiar, Tecer, Coser, Bordar e Rendar Com as Rendeiras da Aldeia – Dia 15 de outubro, às 20h Local: Praça de Eventos Livre | Grátis 

Sesc Vila Mariana | Informações 

Horário de funcionamento da Unidade: Terça a sexta, das 7h às 21h30; sábado, das 9h às 21h; e domingo e feriado, das 9h às 18h30 

Central de Atendimento: Terça a sexta, das 9h às 20h30; sábado, domingo e feriado, das 10h às 18h30 

Estacionamento: R$ 5,50 a primeira hora + R$ 2,00 a hora adicional (Credencial Plena: trabalhador no comércio de bens, serviços e turismo matriculado no Sesc e dependentes). R$ 12 a primeira hora + R$ 3,00 a hora adicional (outros). 111 vagas. O estacionamento conta com bicicletário gratuito. 10 vagas.

Cidade de Jandira sedia exposição do multiartista mirim Nyltow Rafael

Essa será a primeira exposição após a morte prematura do artista em 2016, vítima de uma grave doença nos pulmões. Sua comovente história de superação foi tema de diversas reportagens na mídia nacional

De 09 a 14/11, o Espaço Biguá, em Jandira, irá receber uma exposição póstuma do multiartista mirim Nyltow Rafael Pacheco dos Santos, conhecido internacionalmente pelos dotes artísticos, especialmente na música e na pintura.

Jandira será a primeira cidade a realizar uma exposição do artista após sua prematura morte em 2016, com apenas 12 anos de idade – vítima de uma doença grave nos pulmões, conhecida como fibrose pulmonar idiopática, pela qual estava em tratamento desde os dois anos de idade. Após a sua morte, a família do garoto mudou do município de Campo Largo (PR), onde moravam, para Jandira.

Desde muito pequeno, Nyltow despertou o seu talento para o mundo das artes, superando suas limitações médicas e aprendendo, de forma autodidata, a tocar cerca de sete instrumentos musicais, com destaque para o violino e o acordeon. Sua comovente história de superação e a sua vocação para as artes foram tema de diversas reportagens na mídia nacional, no Globo Repórter e em outros programas televisivos.

Nas Artes Plásticas, o menino também demostrou o seu talento, chegando, inclusive, a dar aulas de pintura para cerca de 30 crianças do bairro onde morava com os pais.  Algumas de suas telas integraram uma exposição no Carrousel do Louvre em 2015. E sua obra também foi retratada no livro Artists Across Continents, editado na Noruega.

Serviço:

Exposição “Dr. Nyltow Rafael, o Anjo Iluminado”

Quando: de 09 a 14/11

Onde: Espaço Biguá

Endereço: Rua Elton Silva,  420 – Parque JMC – Jandira






Prefeitura de Itapevi homenageia Sussumo Harada com exposição na Biblioteca Monteiro Lobato

Sussumo Harada terá obras expostas na Biblioteca Municipal de Itapevi (Divulgação Secom PMI)

Vernissage acontece nesta sexta-feira (18) às 17h   

Nesta sexta-feira (18), a partir das 17h, a Prefeitura de Itapevi homenageia o artista plástico Sussumo Harada, referência nacional na área, com uma exposição em comemoração aos 40 anos de sua trajetória artística.

As obras de Harada ficarão expostas até o dia 31 de agosto, em visitação aberta ao público e gratuita, de segunda a sexta-feira, das 8h às 17h, na Biblioteca Municipal Monteiro Lobato (Avenida Luís Manfrinato, 194 – Centro). A classificação da mostra é livre.

Para o coordenador de Cultura de Itapevi, Henrique Leão, fazer uma homenagem nesta proporção é valorizar a arte no município. “Contar com as obras de um artista talentoso, renomado e reconhecido internacionalmente, além de ser morador de Itapevi, é uma honra para nós da administração pública”, diz. “Ter condições de apresentar essa arte para a população é ainda mais gratificante porque traz a sensibilidade e o olhar singular de sua obra”, avalia.

Serão expostos quadros, totens, esculturas e um busto em homenagem a Harada.

No último dia 26 de maio, Harada esteve na Escola Livre de Artes de Itapevi. Ele foi homenageado com uma escultura feita por Cláudio Martins, professor na instituição.

O artista

Harada nasceu em 11 de junho de 1938 em Barueri. É descendente de japoneses e vive em Itapevi desde 1946, quando veio com os pais e um irmão morar em um sítio no bairro de Sapiatã para auxiliar na lavoura.

Em 1968 e 1969 trabalhou como mecânico de manutenção nas empresas Sorocabana e Corneta. Apenas em 1977 iniciou seu primeiro trabalho artístico com painel decorativo. Dali em diante, suas obras se destacam pelo trabalho com envelhecimento de chapas, cobre, latão e bronze.

O artista começou seus trabalhos com xilogravura, passando para a pintura em óleo e acrílica sobre tela e esculturas. Além de artista plástico, Harada é pesquisador, historiador e escritor. Harada trabalhou como agente cultural na Secretaria de Cultura de Itapevi entre os anos de 1994 a 2005.

As exposições tidas como mais marcantes do artista aconteceram no Ateliê L. Lage (Campo Grande – MS – 1993); Galeria Gerot (São Paulo – 1992); Galeria Yurika – Sapporo – (Hokaido – Japão); Exposição de Arte – Punta Del Este (Uruguai – 2003) e Arte de Um Povo – Galeria Anima (São Paulo -1990), dentre outras.

Harada também já recebeu os prêmios Aquisitivo – XIII Salão de Artes Plásticas (Praia Grande – São Paulo 2001); Menção Honrosa- IIl Contempoarte (Paço das Artes – São Paulo 1988) e Medalha de Ouro – 17° Salão Bunkyo (São Paulo).






Anhanguera Parque Shopping sedia encontro de carros rebaixados

Exposição acontece nesse sábado (29) a partir das 19h

Os apaixonados por veículos modificados já pode ir se preparando! No próximo sábado (29), o Anhanguera Parque Shopping recebe o “Encontro Suave na Nave”, que vai reunir automóveis novos e antigos modificados e rebaixados. A proposta do evento é proporcionar um dia de bate papo e descontração para o público que curte automobilismo.

O evento acontece das 19h às 22h, no estacionamento secundário do shopping. A entrada é gratuita.

 Serviço

 Encontro de carros rebaixados – “Suave na nave”

Dia: 29 de julho

Horário: 19h às 22h

Local: estacionamento secundário do Anhanguera Parque Shopping

Entrada Gratuita






Exposição Rá-Tim-Bum, O Castelo traz diversão completa para as férias de julho

Nova temporada da exposição que recria o Castelo Rá-Tim-Bum no Memorial da América Latina conta com apresentações teatrais e espetáculos de projeção mapeada

 

São Paulo, 25 de julho de 2017 – A exposição Rá-Tim-Bum, O Castelo, em homenagem à clássica série infantil da TV Cultura, ganhou novidades no mês de julho. Desde o início do mês, o local abriga apresentações teatrais gratuitas, além de projeções mapeadas na parte externa do Castelo. Em cartaz desde março, a exposição, localizada no Memorial da América Latina, foi prorrogada até o dia 30 de setembro.

 

As projeções mapeadas têm aproximadamente 10 minutos – a maior duração já registrada para esse tipo de atração – e exibem trechos de alguns episódios do programa. É a primeira vez que um evento de entretenimento brasileiro incorpora esse tipo de tecnologia à sua programação. Repletas de efeitos especiais, as apresentações acontecem sempre aos sábados e domingos, às 19h30 e 21h.

 

Outra novidade que torna o passeio ainda mais completo são esquetes gratuitas com os personagens do universo mágico do Castelo Rá-Tim-Bum. Em “Tchau não, até amanhã!”, o público relembra a primeira vez que Nino fez um feitiço. Ao encantar a bola, o menino de 300 anos atrai Biba, Pedro e Zequinha para entrarem no Castelo, dando início a uma amizade que perdura por anos; a segunda apresentação, “O Dono do Castelo”, traz uma elaborada armação do Dr. Abobrinha para conseguir o Castelo; “Quem é quem por aqui?” mostra a chegada da repórter Penélope ao Castelo e, ainda, “Qual o seu planeta de origem e Zula, a menina azul” apresenta dois personagens curiosos. A direção artística fica por conta de Ivo Ueter e Filipe Bertini atua como diretor executivo.

 

Confira os horários de cada apresentação:

10h30 – “Tchau não, até amanhã!” (15 min)
11h30 – “Quem é quem por aqui?” (15 min)
12h30 – “O dono do Castelo” (15 min)
13h30 – “Qual o seu planeta de origem e Zula, a menina azul ” (20 min)
14h30 – “Tchau não, até amanhã!”
15h30 – “O dono do Castelo”
16h30 – “Qual o seu planeta de origem e Zula, a menina azul”
17h30 – “Quem é quem por aqui”

 

Elenco:

Allan Salinas, Camila Cardoso, Emily Motta, Guilherme Ludwig, Guty Ávila, João Pedro Jelezoglo, Khamilla Jelezoglo, Kleber Reis, Lucas Bamonte, Monalisa Bispo, Pietro Alonso, Rodolfo Bellarosa, Sebah Campos e Valfred Souza.

Sobre Rá-Tim-Bum, O Castelo

Parceria entre o Governo do Estado de São Paulo, a Fundação Padre Anchieta, o Memorial da América Latina e a empresa Caselúdico, a exposição Rá-tim-bum, o Castelo reproduz com o máximo de fidelidade o desenho original do seriado, desde o lado de fora – com porta, torre de 15 metros de altura, bandeira tremulando, janelas, colunas e catavento – à cenografia dos ambientes internos.

 

Ingressos a preços populares (R$ 20 e, meia-entrada, R$ 10) estão à venda pelo site www.ratimbumocastelo.com.br e na bilheteria do Memorial, que funciona de terça a sexta-feira, das 9h às 18h, e aos finais de semana e feriados, das 10h às 20h. Bem ao lado da estação de Metrô Palmeiras-Barra Funda, a localização da exposição é ótima tanto para quem vai de carro quanto para os que optam pelo transporte público.






The King Sarará lança exposição ‘Breaking e suas expressões’

A exposição traz consigo uma seleção de fotografias, tiradas em laboratórios feitos em eventos que ocorrem em todo país pelo fotográfo Sarará.
Sarará desenvolve seus processos fotográficos, onde a execução de movimentos e expressões corporais, lhe dão a licença poética corporal de registrar o momento.
As Fotografias são simples tem como finalidade eternizar a cinestesia dos dançarinos (as).

Laerte Rodrigues conhecido como The King Sarará, começou a fotografar em 2013 registrando etapas de breaking, começou a trabalhar em video e fotografia para atender às demandas de qualidade que o hip hop não estava tendo nos eventos.
É produtor social e cultural que têm um forte trabalho com o hip hop nas comunidades, articula e organiza o evento Teste Seu Folego que pretende reunir pessoas para celebrar o movimento cultural Através do movimento Hip Hop.

Local: Shopping da Praça da Moça localizado
Rua R. Manoel da Nóbrega, 712 – Centro, Diadema.
Piso ou andar Araucária
A exposição terá 1 mês






Senac Osasco abre exposição de arte urbana com sucesso de público

Solenidade inaugurou mostra com obras criadas por alunos da unidade e artistas da região; gratuita, ficará aberta à visitação até dia 20 de julho

 

Cerca de 200 pessoas prestigiaram a cerimônia de abertura da exposição Estado de Privação, promovida pelo Senac Osasco na última terça-feira, 27. A mostra reúne telas e peças criadas pelos alunos do programa Aprendizagem da unidade, em parceria com o artista Dingos, o fotógrafo Robson Cotait e o espaço Casulo Cultural.

O secretário de cultura do município, Gustavo Anitelli, marcou presença ao lado de personalidades do meio artístico como o produtor Rodrigo Dantas e Fernando Anitelli, líder do grupo O Teatro Mágico.

“Este é um evento estratégico porque dá luz a um dos principais grafiteiros do país, como referência de sucesso de alguém que usa a arte e a educação para crescer. Além disso, abre oportunidades para o desenvolvimento social de jovens, especialmente os de Osasco, incentivados pelo triunfo dessa ação”, declara Gustavo Anitelli, secretário de Cultura do município.

Rodrigo Dantas, produtor cultural e idealizador do Osasco Fashion Week – evento de moda ligado à arte urbana – destacou que a iniciativa é valiosa, principalmente porque valoriza os talentos locais: “é importante que os jovens reconheçam esses caminhos como alternativas às crises sociais e percebam o quanto é vantajoso participar do segmento. Projetos como este, que usam a educação a favor do progresso cultural, formam cidadãos melhores e mais conscientes”.

Processo de mudança

Para o músico Fernando Anitelli: “projetos como este dão voz à juventude, transformam, desenvolvem a criatividade e oferecem crescimento por meio da arte, em um processo fluído e natural. Atividades desse tipo proporcionam uma oportunidade para que cada jovem busque sua identidade, conheça melhor a si mesmo e trabalhe seus talentos a favor da conquista de sucesso, realização e crescimento pessoal”.

O grafiteiro e educador Dingos, responsável pelas oficinas, comemorou. Ele reconhece que, durante algum tempo, existiam poucas referências sobre grafite, o que contribuiu para o preconceito que envolve a arte, muito ligada à pichação e considerada um ato de vandalismo. “O cenário dificultou a revelação de talentos, mas parece estar mudando. A prova é esse trabalho que oferece parâmetros sobre o setor, evidencia artistas e promove o desenvolvimento em vários âmbitos”, comenta.

Para Claudia Itano, gerente do Senac Osasco, abrigar a exposição é uma forma de contribuir com a disseminação de cultura e educação. “Estimular o aprendizado por meio da arte é fundamental para o processo educacional e para o desenvolvimento – tanto do aluno, quanto da região em que está inserido -, e isso faz parte dos valores da nossa instituição”.

Grátis

As obras, que o público pode conferir gratuitamente, foram produzidas entre os meses de maio e junho deste ano, pelos alunos do Senac Osasco, em oficinas educativas de arte urbana e grafite, comandadas pelo artista e educador Dingos Del Barco. As peças criadas nas oficinas estarão expostas ao lado de outros 70 trabalhos do acervo pessoal do educador, até o dia 20 de julho.

SOBRE O COLETIVO CASULO CULTURAL

O Casulo Cultural é um coletivo que surgiu em maio de 2016. Formado por três jovens profissionais da cultura e economia criativa da cidade de Osasco (com experiência na produção de shows internacionais, festivais de cultura, feira de moda, ações promocionais, web design e publicidade) foi criado para ser um centro de criação, desenvolvimento e empreendedorismo de diversos setores da economia criativa e cultural.

Com proposta de dar suporte aos segmentos criativos que queiram se desenvolver artística e economicamente, as principais atividades desenvolvidas pelo Casulo são: palestras, workshops, bate-papos, eventos culturais e produção de conteúdo através dos portais Osasco Fashion e Cultura Osasco.

Apesar de pouco tempo em atividade, o Casulo Cultural já celebra grandes conquistas. Em uma parceria inédita com o Senac Osasco o Coletivo organizou em 2016 um almoço sensorial voltado a deficientes visuais. Neste almoço 20 convidados puderam degustar alta gastronomia e viajar em texturas e sabores únicos. Detalhe: alguns convidados não eram deficientes visuais e, por isso, usaram vendas para poderem sentir as mesmas dificuldades e sensações que seus companheiros.

O Casulo Cultural foi o primeiro grupo a gravar um vídeo dentro da Melicidade, a nova sede do Mercado Livre que foi instalada na cidade de Osasco.

Com ousadia e muita responsabilidade o Coletivo vem se firmando na zona oeste da região metropolitana de São Paulo como um grupo que busca solução de problemas de forma inovadora e um fomentador da Cultura e do Empreendedorismo.

Senac Osasco

Endereço: Rua Dante Batiston, 248 – Centro – Osasco

Portal: www.sp.senac.br/osasco

Telefone: 11 2164-9877






Exposição CowParade chega ao Centro Comercial Alphaville.

O Centro Comercial Alphaville abriga, desde quarta-feira, 26, uma das divertidas esculturas da famosa exposição “CowParade Brasil”. Considerado um dos maiores eventos contemporâneos de arte pública, a mostra completa 10 anos e traz de volta à São Paulo a alegria e beleza das vaquinhas coloridas que, ao longo dos últimos anos, percorreram o país de Norte a Sul.

Com o tema “uma viagem pelo mundo”, a exposição homenageará 55 cidades do mundo que já receberam as obras. A vaquinha exposta no CCA, localizada mais precisamente na Praça das Orquídeas, chama-se “Dragão” e representa a cidade de Barcelona.

Em tamanho natural, as esculturas das vaquinhas são feitas com fibra de vidro e ilustradas por artistas locais. A obra, admirada por adultos e crianças, além de entreter, promove a responsabilidade social. Ao final de cada edição, as peças são leiloadas e o dinheiro revertido a instituições beneficentes.

A obra fica exposta no CCA até o dia 25 de maio.

Venha ao CCA e faça você também sua selfie com a colorida vaquinha!






EXPOSIÇÃO DE ARTE NA PRAÇA DA ALDEIA.

O artista plástico Hernani Brettas, de 90 anos, apresenta uma coletânea de suas obras tridimensionais a partir de 29 de abril na Aldeia de Carapicuíba

 

Na semana em que comemora 90 anos o artista plástico Hernani Brettas apresenta uma coletânea de suas obras tridimensionais criadas nessas últimas décadas e que retratam cenários e paisagens do Brasil e de diversas partes do mundo, com extremo realismo e poesia.

Autodidata, Hernani faz uso de distintos materiais, que vão da madeira balsa a canudos plásticos, obtendo um resultado primoroso e capaz de transportar os visitantes para alguns dos lugares mais bonitos do mundo.

A exposição, que conta com o apoio da Secretaria de Cultura e Turismo, marca também a abertura ao público de um novo espaço cultural da região, a Casa do Comcuca (Conselho Municipal de Cultura de Carapicuíba), na Praça da Aldeia de Carapicuíba.

Abertura: 29 de abril às 18 horas

Funcionamento: 30/04 e dias 1, 2, 3, 4, 6, 7, 13 e 14 de maio

Horário: das 14 às 20 horas

Local: Casa do Concuca

Endereço: Praça da Aldeia de Carapicuíba/SP






Vernissage da mostra TransmutARTE, de Henrique Vieira Filho, contou com música e atividades lúdicas

O New Worker Tower, localizado em Alphaville, recebe até dia 30 a mostra TransmutARTE, de Henrique Vieira Filho, que reúne uma seleção de telas instigantes, com suas principais obras desenvolvidas e inspiradas na alquimia interior. A exposição, organizada pelo Escritório de Arte Angela de Oliveira, teve sua abertura com um vernissage, realizado no último dia 18, que recepcionou o público com show de MPB e uma instalação que permitia que o visitante “virasse” uma sereia, temática presente na maioria das obras do artista.

 

Henrique conta que sua arte começa com a pintura corporal em modelos reais, seguida de fotos. “Meu trabalho envolve pintura, fotografia e arte digital. A impressão é feita com látex de alta definição em telas de algodão, utilizando a técnica do giclê, é uma experiência multissensorial”, detalha o artista, que trouxe obras com temáticas de sonhos que permeiam a sociedade, como mitologia e sereias, a última tão presente em seu trabalho que protagonizou uma instalação. “Quero que os visitantes vivenciem a arte, quero deixa-la o mais perto possível do expectador”.

 

Henrique Vieira Filho é artista plástico, escritor, jornalista e terapeuta holístico. Nas artes, é autodidata e seu estilo pode ser classificado como surrealismo figurativo. “Minha experiência de décadas como terapeuta, em especial, com a Psicanálise Junguiana, me possibilita uma familiaridade ímpar com a mitologia e as imagens oníricas, sempre presentes nos meus quadros e fotografias”, explica.

 

Henrique sempre procura traduzir em imagens os mais diversos conceitos subjetivos relacionados às terapias orientais e à psicoterapia. “Adotei a computação gráfica como meu pincel e a fotografia como formas de expressão”, comenta.

 

Trabalhando todos os sentidos, o vernissage contou com show do músico Ítalo Queiroz, que trouxe clássicos da MPB, interpretados em voz, violão e sanfona; além de buffet vegano e vegetariano, assinado pela Chef Damodara.

 

Angela de Oliveira, organizadora da exposição, destaca que o artista é sucesso dentro e fora do Brasil. “Decidi trazê-lo para Alphaville para mostrar aqui na região esse trabalho. Eu quis trazer esse mundo da psicanálise, o clima zen… Todas as obras dele são uma investigação, uma imagem do subconsciente”, pontua a também artista plástica.

 

 

Serviço
Exposição TransmutARTE
New Worker Tower (em frente ao Outback)
Endereço: Alameda Grajaú, 60 – Alphaville – Barueri – SP
Mostra aberta de terça à sábado – das 14 às 18 horas – de 18 a 30 de março.