Editorial: eleições 2018

Eventos de campanha durante o final de semana reforçam Cezar como o principal nome a Deputado Estadual da região

Conhecido pela simpatia com o público e por sua trajetória de muito trabalho o candidato a Deputado Estadual Cezar continua mostrando toda a sua força política e o último final de semana foi cheio de compromissos de campanha que confirmaram a confiança dos moradores da região na sua candidatura.

Na manhã do sábado, o político realizou uma caminhada pela ruas do Jardim Aliança em        Osasco, onde conversou e cumprimentou centenas de apoiadores e moradores do bairro que  o recepcionaram com muito carinho e não foi diferente em Itapevi onde na parte da tarde o candidato percorreu as principais ruas ao lado do prefeito Igor.

Também no sábado outra grande demonstração de apoio aconteceu em Cajamar, com uma carreata que reuniu milhares de correligionários que cruzaram diversas localidades do município e também o bairro Colinas da Anhanguera em Santana de Parnaíba.

Já no domingo outra grande carreata foi organizada na cidade de Barueri, partindo do Ginásio Poliesportivo José Corrêa, na região central da cidade, o evento reuniu centenas de carros que passaram por vários bairros e importantes vias do município.

Cezar ainda teve reuniões e compromissos de campanha na Fazendinha e no Parque Santana, em Santana de Parnaíba, Jordanésia, em Cajamar, Jardim Belval, em Barueri e Ibiúna.

É evidente que o candidato a Deputado Estadual tem ganhado ainda mais apoio nos últimos dias e até aqui tem sido um dos principais nomes da região na corrida por uma cadeira na Assembleia Legislativa.

Ministério Público investiga Professora Sônia por uso de funcionário fantasma

Na ação, o ministério público pede o bloqueio dos bens de Professora Sônia, e a condenação de inelegibilidade por 8 anos.


A pré-candidata ao cargo de deputada estadual e  ex-vereadora por Carapicuíba, Sônia Maria Esteves, (Professora Sônia), responde uma Ação Civil Pública, proposta pelo Ministério Público (MP),  por contratação e utilização de funcionário fantasma e nepotismo.

A ação de número 100618639.2017.8.26.0127 tramita na segunda vara cível da Comarca de Carapicuíba, sob os cuidados do Juiz João Guilherme Ponzoni Marcondes, e foi instaurado após uma denúncia que aponta para os crimes de improbidade administrativa, enriquecimento ilícito, além de danos ao erário público.

Na ação, Professora Sônia é acusada de ter contratado e mantido em seu gabinete a dentista Renata Meira, que no período de 14 de maio de 2015 até 13 de maio de 2016 ocupou o cargo como assessora parlamentar I em seu gabinete. Com jornada de trabalho das 9h à 18h, mesmo horário em que trabalhava na cidade de Osasco na função de dentista.

Em sua defesa, Professora Sônia alegou que Renata atuava á distância em seu gabinete e que assim não se configura ausência no trabalho, o que afastaria o crime de “funcionária fantasma”.

No entanto um dia após a prisão do ex-vereador Paulo Xavier pelo crime de funcionário fantasma no dia 12 de maio de 2016, Professora Sônia exonerou a sua assessora por medo de também ser presa pelo mesmo delito.

Sobre a denúncia de nepotismo, o Ministério Público alega na ação que no gabinete da professora Sônia já trabalhava Fernanda Meira, irmã de Renata e portanto não poderia haver a contratação da própria irmã.  

Professora Sônia alega que não tinha conhecimento do grau de parentesco entre Renata e Fernanda, porém, o Ministério Público anexou ao processo o pedido de nomeação assinado por Sônia, bem como a declaração de Renata na qual afirmava não ter parentes até segundo grau nomeados na Câmara de Carapicuíba.

Na ação, o ministério público pede o bloqueio dos bens de Professora Sônia para ressarcir os cofres públicos em quase R$ 50 mil reais,  e a condenação de inelegibilidade por até 8 anos.

Professora Sônia disputou as eleições de 2016. Após a derrota para Marcos Neves, Sônia assumiu por 6 meses o cargo de secretária de Habitação de Itapevi e de coordenadora do Postos de Atendimento ao Trabalhador (PAT).

O Jornal Metrópole procurou a assessoria de comunicação da professora Sônia para esclarecimento sobre o caso, porém até o fechamento desta edição a reportagem não obteve resposta.

Após a veiculação da matéria, a equipe da professora Sônia se organizou para recolher os jornais na cidade, ferindo assim a liberdade de expressão e a liberdade de imprensa.

Para acessar o processo completo basta clicar no link