Editorial: Depressão

Corinthians espalha girassóis na Arena Itaquera para alertar sobre depressão e suicídio

Depois de Flamengo e Santos protagonizarem um emocionante momento de conscientização do público na “final” do 1º turno do Brasileirão sobre a importância de a depressão ser vista como uma doença e a necessidade de se abrir o diálogo e quebrar tabus sobre ela e o suicídio, neste sábado foi a vez do Corinthians aderir à campanha no jogo contra o Bahia, também pelo Campeonato Brasileiro.

Os jogadores corinthianos entraram em campo acompanhados por 70 crianças segurando girassóis, flor símbolo da campanha “Na Direção Da Vida #DepressãoSemTabu”. Camisetas, um vídeo – exibido antes e no intervalo do jogo – e uma faixa completaram a ação de conscientização com foco no público masculino jovem e adulto. É justamente esta parcela da sociedade que mais tem dificuldade de aceitar que depressão se trata de uma doença, não é fraqueza, nem vergonha. A iniciativa faz parte do movimento mundial Setembro Amarelo, dedicado à prevenção do suicídio.

Após a reprodução do Hino Nacional, as crianças foram assistir o jogo em uma área reservada e entregaram os girassóis a torcedores. Além disso, um vídeo com depoimentos reais de jovens que vivenciaram a doença foi exibido no telão, como forma de sensibilizar o público presente para a causa e convidá-lo a conhecer os canais digitais da iniciativa, como o site www.depressaosemtabu.com.br, que reúne informações educativas sobre o tema e dicas de como ajudar alguém que apresente comportamentos de risco.

Depressão, suicídio e homens

Mais de 90% dos casos de suicídio estão associados a distúrbios mentais e os transtornos de humor, entre os quais a depressão se destaca, representam o diagnóstico mais frequente nesses casos¹. Estamos falando, portanto, de doenças que podem ser tratadas. Ou seja: o suicídio é evitável em grande parte dos casos. Mas, para isso, o primeiro passo é romper com o preconceito em torno da depressão, que muitas vezes é subestimada ou confundida com falta de força, preguiça ou ausência de fé.

Atualmente, o Brasil apresenta a maior prevalência de depressão da América Latina, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS): o problema afeta 5,8% da população², uma taxa superior à média global, que é de 4,4%. Isso significa que quase 12 milhões de brasileiros enfrentam a doença, o que equivale à população inteira de uma metrópole como São Paulo, por exemplo.

Os números elevados da depressão no País também acompanham a escalada do suicídio no território nacional. Enquanto o número de pessoas que tiram a própria vida diminui mundo afora³, o Brasil vai na contramão do cenário global. Por aqui, a taxa de suicídio entre os adolescentes de 10 a 19 anos, por exemplo, aumentou 24% entre os anos de 2006 e 2015, considerando os moradores das maiores cidades brasileiras4.

O aumento de casos de suicídio entre os mais novos e a prevalência do problema no sexo masculino são pontos de atenção. Trata-se, hoje, da quarta maior causa de morte em jovens no País, segundo o Ministério da Saúde5, e os homens representam as principais vítimas. Por isso, o engajamento de ídolos do futebol, um universo que recebe forte atenção do universo masculino no Brasil, é de extrema importância para a conscientização desse grande problema. Hoje, a cada 46 minutos5, alguém põe fim à própria vida no Brasil.

A campanha

Com apoio de músicos, esportistas e celebridades, a campanha “Na Direção da Vida” propõe um diálogo franco sobre o assunto com toda a sociedade. Conduzida pela Associação Brasileira de Familiares, Amigos e Portadores de Transtornos Afetivos (ABRATA), pela Upjohn (divisão focada em doenças crônicas não-transmissíveis), pela área de Medicina Interna da Pfizer e com a participação do Centro de Valorização da Vida (CVV), a iniciativa traz ações presenciais e digitais para combater os estigmas associados à depressão.

Ao dialogar com o paciente e também com seu entorno, a campanha tem o propósito de contribuir para a construção de um ambiente social com mais informações sobre o tema e menos tabus. Assim, a partir de uma atmosfera de confiança e acolhimento, espera-se que o paciente se sinta à vontade para falar sobre a doença, seja estimulado a buscar ajuda e acredite que é possível vencer o problema.

Ao longo do mês de setembro, o girassol tem norteado as várias atividades da campanha. Pelas redes sociais, os internautas foram desafiados a postar o ícone do girassol em suas páginas para sinalizar aos seus amigos que estão dispostos a falar de #DepressãoSemTabu. Além disso, personalidades gravaram depoimentos pessoais para relatar o enfrentamento do problema e encorajar a busca por ajuda. E, em São Paulo, um grande labirinto de girassóis que reproduz a jornada de um paciente com depressão foi montado no meio do Largo da Batata, no bairro de Pinheiros, para convidar o público a conhecer esse universo de perto e a desmistificar a questão. Afinal, empatia e informação são sempre a melhor saída.

Atividade física libera endorfina e é eficaz no combate à depressão

A depressão afeta mais de 320 milhões de pessoas no mundo, ou seja, 4,4% da população, segundo relatório divulgado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) em 2018. Ainda conforme a organização, o Brasil é responsável pela maior taxa da doença na América Latina: 5,8% dos habitantes sofrem com este mal.

Desde 2015, o mês de setembro é dedicado à campanha “Setembro Amarelo” de prevenção ao suicídio. De acordo com a Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), 90% dos óbitos por suicídio estão ligados a doenças como depressão, distúrbios por uso de substâncias, esquizofrenia e transtornos de ansiedade.

Diante deste cenário, muitas pessoas acreditam que a única alternativa é tratar com medicamentos. O que elas desconhecem, porém, é que a atividade física serve como um importante aliado no combate à depressão. Um estudo realizado pela Universidade de Toronto, no Canadá, constatou que praticar atividades físicas de 20 a 30 minutos por dia pode afastar a depressão em longo prazo.

Segundo a preparadora física e sócia diretora da AV Treinamento Inteligente, Vanessa Menache, a prática de exercícios físicos, de qualquer tipo, possui inúmeros benefícios. Além da melhora do condicionamento físico, eles também contribuem com o aperfeiçoamento da capacidade cognitiva e diminuem os níveis de ansiedade e estresse de maneira geral. “O programa de treinamento funcional, por exemplo, estimula a superação de forma gradativa em um processo que traz a necessidade de atenção ao momento, envolvendo corpo e mente na execução de movimentos. Dessa forma, acaba por tirar o foco dos sentimentos causadores de estresse e ansiedade”, informa Vanessa.

A ciência confirma o poder da atividade física para o bem-estar psicológico. Experimentos recentes mostram que praticar uma atividade física também estimula o crescimento de células nervosas no hipocampo, região do cérebro que rege a memória e o humor. “É tão benéfica a ponto de o exercício virar prescrição para pessoas deprimidas, agregado à psicoterapia e aos medicamentos”, comenta a personal trainer.

Ela ainda explica que, durante e após uma sessão de treinamento funcional, há liberação de endorfina que tem uma potente ação analgésica e, ao ser liberada, gera sensação de bem estar, conforto, alegria e melhora do humor. “Além disso, o estímulo e o aumento da circulação sanguínea tem sido um grande aliado no progresso das funções cognitivas, de humor, memória e aprendizagem”.

Importante ressaltar que as atividades físicas atuam como adicionais no combate à depressão e ansiedade e devem estar vinculadas ao acompanhamento de profissionais especializados, como educadores físicos, médicos e psicólogos.

Vanessa Menache – Graduada desde 1998 pela UnG e desde então atua como Personal Trainer, com vasta experiência em Treinamento Funcional desde 2008. Especialista em Pilates com formação completa pela Stott Pilates desde 2009. Preparadora física de atletas e pessoas que visam longevidade com qualidade de vida. Especialista em alongamento postural método TMS desde 2004 UniFMU. Especialista em Treinamento Funcional pelo método Core 360 desde 2008. Pós-graduada em biomecânica do exercício em 2016 CEFIT. Certificada no método FMS (Functional Movement Screen). Sócia diretora da AV Treinamento Inteligente.

Treinamento Inteligente – Localizado no bairro do Itaim Bibi, na capital paulista, o espaço conta com um time de profissionais altamente qualificados e especializados em treinamento funcional embasados no Sistema Core 360.  O estúdio oferece aos seus clientes um programa de treino customizado por meio do relacionamento interdisciplinar e interação com os diversos profissionais da área da saúde como Medicina Esportiva, Nutrição, Fisioterapia e Terapeutas. Site: http://treinamentointeligente.com.br

Depressão: Um mal silencioso

o-DEPRESSION-facebook

Quem já não ouviu falar nela, a doença da alma. Já ouvi dizer que isso era frescura, mas infelizmente esse mal tem atingido muitas pessoas que sentiram na pele o que é ter depressão. Para família de uma pessoa que sofre depressão suportar a angustia da pessoa não é fácil, pois a sensação de impotência pode tomar conta. Em alguns casos é possível perceber o que desencadeou esse processo, mas em outras nem mesmo a própria pessoa sabe o que aconteceu.

A depressão caracteriza-se pela perda de prazer nas atividades diárias, apatia, diminuição da capacidade de se concentrar ou tomar decisões, alterações psicomotoras como lentidão, sensação de fraqueza e fadiga. Também ocorrem alterações no somo podendo ter insônia ou hipersonolência. O apetite também pode ser alterado para mais ou para menos, a redução do interesse sexual, de sair e de fazer tarefas que antes era prazerosa. Ideias suicidas também são sintomas que aparecem.

Enfim a depressão é uma doença seria que precisa de cuidados profissionais de um psiquiatra e de um psicólogo. Se você sente-se assim ou conhece alguém que esteja procure um profissional, pois depressão quando tratada tem cura.

Elizangela Barbosa – Psicóloga atuante em Carapicuíba – EMAIL:  elizbn@ig.com.br