Editorial: covid-19

Jandira recebe 720 testes rápidos para detectar o novo coronavírus

Há critérios para a realização do teste que só devem ser realizados caso haja sintoma gripal.

O município de Jandira recebeu hoje, 29 de abril, 720 testes rápidos para detecção da Covid-19, fornecidos pelo Ministério da Saúde. Os testes recebidos são destinados para casos que apresentem sintomas de gripe e que sejam profissionais da saúde, profissionais da segurança pública e pessoas que moram com os profissionais citados, além de idosos com mais de 60 anos.

É importante lembrar que há critérios para a realização do teste e que só devem ser realizados caso haja sintoma gripal. O município também está providenciando a compra de mais testes rápidos.

A testagem é realizada pelos profissionais de saúde através de uma picada na ponta do dedo, onde é coletada uma gota de sangue do paciente e colocada em um display que apresenta o resultado.

Coronavírus em Jandira

De acordo com boletim médico divulgado, até está quarta-feira, 29 de abril, foram constatados 57 curados e mais 115 descartados. Além disso, 166 casos suspeitos, 12 óbitos em investigação, 10 óbitos confirmados por coronavírus e 9 descartados.

Os munícipes que apresentarem os sintomas da Covid-19 – tosse, febre e, principalmente, dificuldade para respirar – devem procurar o Centro de Combate ao Coronavírus (CCC), localizado na rua Fernando Pessoa, 545, Vila Santo Antonio. O Centro conta com 10 leitos de clínica médica com respiradores para suporte a vida e tem capacidade de ampliação para mais 10 leitos, se necessário.

Votorantim promove iniciativas para combate aos efeitos do covid-19 e anuncia doação adicional de R$ 50 milhões

Diante do cenário atual de avanço da pandemia do novo coronavírus (covid-19), a Votorantim anuncia que adotará, por meio do Instituto Votorantim, medidas para contribuir com a sociedade brasileira na luta contra o avanço da propagação do vírus e seus efeitos.

O Instituto Votorantim atuará em duas frentes: redirecionamento de projetos atualmente em execução nos municípios em que as empresas da Votorantim estão presentes, com foco em ações para o combate ao novo coronavírus; e apoio financeiro adicional de R$ 50 milhões às autoridades públicas, instituições de saúde e entidades privadas da sociedade civil, na compra de itens como kits para teste, respiradores e demais equipamentos essenciais.

As iniciativas terão apoio técnico e médico da Beneficência Portuguesa de São Paulo, organização apoiada historicamente pela Votorantim.

Projetos do Instituto Votorantim

O Instituto Votorantim e as empresas investidas da Votorantim atualmente conduzem mais de 300 projetos, nas cinco regiões do Brasil. Nas próximas semanas, grande parte dessas iniciativas será redirecionada, dentro de suas áreas de execução, para ter foco no combate ao covid-19.

Esta primeira frente de atuação terá como base a identificação das necessidades dos municípios mais vulneráveis e com faixa etária mais elevada, envolvendo a prevenção com disseminação de conhecimento e também assistência à população, por meio da distribuição de itens de higiene e de subsistência, além da doação de equipamentos de segurança para profissionais de saúde.

Doação adicional

Na segunda frente de atuação, a Votorantim irá aportar R$ 50 milhões, adicionais ao investimento social anual já realizado por suas empresas, para apoiar autoridades públicas, instituições de saúde e entidades privadas da sociedade civil na compra de equipamentos como respiradores e máscaras, além de testes e outros itens de suporte hospitalar para os profissionais de saúde e

para a população. A intenção é que parte do dinheiro seja aplicada nas cidades de pequeno e médio portes, que serão priorizadas de acordo com as maiores vulnerabilidades nos municípios, antecipando a reação à disseminação da pandemia pelo interior do país.

Com essas ações, a Votorantim reafirma seu papel de empresa cidadã comprometida com o país e os brasileiros. O desafio de enfrentar os efeitos do covid-19 é enorme, mas a Votorantim reforça a crença de que, com a união de esforços de poder público, empresas e sociedade civil, trabalhando de forma coordenada e em sintonia, esta crise de saúde será superada.

Sobre a Votorantim S.A.

A Votorantim S.A. é uma companhia brasileira centenária, de controle familiar e que faz investimentos de longo prazo em empresas que atuam em diversos setores da economia. As empresas do seu portfólio operam em 19 países e empregam cerca de 35 mil pessoas. Como gestora ativa de portfólio, a Votorantim S.A. preserva o seu DNA nas suas investidas, incentiva a inovação e o desenvolvimento de lideranças. No Brasil, as empresas investidas são: Banco BV, CBA – Companhia Brasileira de Alumínio, Citrosuco, Nexa Resources, Votorantim Cimentos e Votorantim Energia.

As pernas do Covid-19 e as lições da Itália

Mario Girasole

O novo coronavírus não tem pernas; somos nós as pernas do vírus. A relação parece intuitiva, mas as consequências para evitar drasticamente o contágio das pessoas e tratar os doentes exigem aprendizado rápido, aplicação assertiva dessas lições e disciplina de todos em seguir as orientações das autoridades de Saúde.

Meu país, a Itália, está aprendendo a lidar com a doença, pagando ainda um preço altíssimo de centenas de mortes por dia e um sistema de saúde à beira do colapso. Cerca de 10% dos afetados são médicos e enfermeiros, um tributo enorme dessas categorias. O que de mais valioso podemos dividir com o mundo segue a comunidade científica: o máximo isolamento é o maior instrumento de combate ao vírus.

A pandemia expõe a fragilidade sanitária do mundo globalizado. Mas a doença, além de viajar no espaço, viaja também no tempo. Estarmos, no Brasil, a algumas semanas do que ocorre hoje na Itália. E isso é uma oportunidade de aprendizado para limitar o potencial impacto em milhões de vidas. Podemos mudar o futuro!

A comunicação pública não pode ultrapassar o equilíbrio entre informação, conscientização e pânico. Este mês, vazou um comunicado sobre o fechamento da Lombardia, a região na Itália Setentrional mais atingida, o que provocou corrida noturna aos trens para sair da área. Ou seja, um erro de comunicação gerou aglomeração e deslocamento em massa, efeito contrário ao desejado.

O combate à doença exige diálogo e coordenação entre ações do Governo e de poderes locais. A Itália não é um país federal e, mesmo assim, num primeiro momento, a desarticulação entre regiões e estado central criou desorientação da população. O Brasil tem que tomar ainda mais cuidado nesse sentido.

No Brasil, medidas importantes, como restrições a comércio, escolas, transportes e entretenimento, estão sendo definidas em um estágio muito anterior ao que aconteceu na Itália, o que é crucial para o controle futuro do contágio. Porém, as medidas serão eficazes somente com a disciplina da população em limitar movimentos e deslocamentos.

Nessa crise, as tecnologias e as telecomunicações são suporte fundamental para a manutenção das relações profissionais, de estudo e de trabalho. Na Itália e no Brasil, as operadoras se movimentaram para garantir a estabilidade da conectividade, a difusão eficaz das informações, a produtividade do trabalho remoto e a continuidade profícua dos estudos.

As redes de telecomunicações móveis permitem a análise dos fluxos agregados e anônimos de deslocamento de pessoas para o transporte público ou grandes eventos. Assim como ocorre na Itália, seria importante adaptar, no Brasil, essas ferramentas para estudar a resposta de taxa de movimentação do fluxo de pessoas às medidas restritivas adotadas pelos governos.

A certeza que temos é que essa crise passará e deixará legados importantes nas relações pessoais, de trabalho e de estudo. Além da vacina do Covid-19, teremos novos anticorpos de consciência coletiva do impacto das nossas ações individuais e para o uso racional de recursos escassos, a começar pelo do nosso tempo. Os meios digitais são os aliados fundamentais dessa evolução.

Mário Girasole, italiano e brasileiro, é vice-presidente da TIM Brasil