Editorial: coronavirus

Volta às aulas: segurança e comunicação são fundamentais, orienta especialista

Imagem: Freepik
Alvo de polêmicas, a decisão de retomar o calendário escolar exige cautela, cuidados redobrados e investimento na saúde e segurança de estudantes e colaboradores, para garantir o sucesso do processo de ressocialização escolar

No mês em que o país supera a marca de quatro milhões de casos de Covid 19 confirmados, governos e autoridades de saúde tentam chegar a um acordo sobre o processo de retomada do calendário escolar em estados e municípios brasileiros. Em São Paulo, por exemplo, a previsão de retornar as atividades no dia 08 de setembro foi adiada depois de uma análise dos índices de Coronavírus entre alunos e professores. Decisão que se repetiu também nos estados da Bahia, Santa Catarina e Ceará.

A medida é uma forma de evitar que se repita no Brasil os mesmos resultados de países onde as instituições de ensino foram reabertas, mas precisaram fechar as portas por causa do registro de novos casos. Alguns chegaram a reabrir priorizando crianças menores pela baixa taxa de adoecimento. Outros investiram em mudança de rotina e adotaram medidas como distanciamento das cadeiras, divisão de turmas por dias e horários diferenciados, redobraram práticas de higiene – como lavar as mãos, pelo menos, cinco vezes, durante o período na escola – entre outras. “São medidas simples, mas que podem contribuir com o sucesso desta fase”, explica o médico do Grupo Sabin Medicina Diagnóstica, Bruno Ganem.

Seguindo a linha estratégica de outros países, o Brasil orienta autoridades da educação para a retomada das aulas, mas com medidas que garantam bons resultados e, principalmente, após a realização de testes de covid-19 em professores, colaboradores e estudantes, para auxiliar na tomada de decisão e avaliar se é viável reabrir as portas. Para o especialista, cada etapa deste processo deve ser feita de forma cautelosa e, principalmente, segura. “Uma das principais preocupações de pais, professores, estudantes e autoridades é uma nova onda de infecções dentro das instituições. Há ainda uma outra preocupação porque em muitos casos crianças e adolescentes são assintomáticos e há um risco muito grande de levarem o vírus para dentro de casa, onde pode haver pessoas mais suscetíveis ao vírus, como os idosos, por exemplo. Por isso, todas as medidas que podem ser colocadas em prática a favor da saúde neste momento são fundamentais”, enfatiza o médico.

A importância da testagem e medidas de prevenção

Um estudo recém publicado pela revista britânica ‘The Lancet’ sugere que só é possível assegurar um retorno às aulas com pouca possibilidade de um novo surto, após grande volume de testagem de pessoas sintomáticas (entre 59% e 87%), e destaca também o rastreamento de contatos de alunos que estiveram e isolamento.

O médico vai além e destaca ainda outras importantes iniciativas que são decisivas nesta fase. “Observamos mudanças de hábitos sociais e, mais do que nunca, é preciso investir agora em práticas que atendam às exigências deste ‘novo normal’. E quando falamos em instituições de ensino, onde há um público mais diverso, com necessidades tão distintas, o processo precisa ser gradativo e requer medidas importantes. Destaco como fundamental os protocolos sanitários, que auxilia as instituições nesta reestruturação de suas atividades, respondendo de forma eficaz à essa mudança organizacional”, afirma Ganem.

“A Covid 19 provocou impactos significativos em todas organizações e temos a certeza de que nada será como antes. É um cenário desafiador e também é o momento ímpar para que os gestores repensem seus modelos e invistam nos protocolos de saúde, para favorecer que seja uma fase amparada em segurança sanitária e confiança, dois pilares fundamentais nesta etapa”. O médico detalha que os protocolos sanitários dispõem de três ‘engrenagens’ que funcionam em total sintonia. “Primeiro, é preciso fazer triagem dos profissionais para entender quais são as populações das escolas e os riscos oferecidos. Esta é uma etapa de extrema relevância para criar a engrenagem seguinte, a do monitoramento, questionar o que será monitorado para dar mais segurança aos grupos selecionados na triagem. Por fim, os essenciais protocolos de testagem. Esses pilares funcionando darão a sustentação necessária à segurança sanitária”, enfatiza o médico.

De acordo com o especialista, a consultoria às instituições proporciona uma fusão da segurança com a comunicação mais fluida entre as equipes, que também é essencial para reestabelecer a confiança e promover um ambiente seguro, saudável e acolhedor. “Todas as etapas da consultoria são desenvolvidas para adequar os ambientes às novas realidades. O Grupo Sabin, em parceria com a In Press Oficina, por exemplo, dispõe do projeto Novos Costumes, é uma consultoria especializada para a Covid 19. Especialista vão às instituições, avaliam os espaços e rotinas, desenvolvem protocolos e monitoram os resultados. Todo o trabalho é personalizado, de acordo com cada segmento de atuação, perfil dos colaboradores e dos clientes ou usuários”, destaca o médico.

Para conhecer mais sobre o projeto, acesse: http://novoscostumes.com.br/

Pesquisa Educacional Impacto Covid na rede SENAI-SP mostra que 79% dos alunos estão satisfeitos com estratégias de ensino remoto

Imagem: Freepik
Responderam à pesquisa 6.279 estudantes, 560 docentes e 139 gestores de 91 escolas do estado de São Paulo
 
Pesquisa realizada pelo SENAI-SP revela que 79% dos alunos da rede se sentem totalmente atendidos e 19% parcialmente atendidos em atividades que envolvem comunicação, acompanhamento, resolução de atividades, respostas às dúvidas e suporte à utilização de ferramentas remotas adotadas pela instituição durante a pandemia. A Pesquisa Educacional Impacto Covid-19 foi aplicada em toda a rede de escolas do SENAI-SP, localizadas na região metropolitana do estado de São Paulo, interior e litoral, de 21 a 31 de julho.

Outro dado da pesquisa mostra que cerca de 90% dos alunos concordam – totalmente ou parcialmente – que as estratégias adotadas pelas escolas garantiram sua formação. Quanto ao desenvolvimento das capacidades técnicas, 58% se dizem totalmente atendidos com as devidas estratégias de mudanças para o ensino remoto e 33% parcialmente atendidos.

O levantamento também ouviu professores e gestores que no período da pandemia tiveram que se adaptar ao novo formato em dar aulas mantendo a qualidade do ensino sem interromper a boa capacitação de profissionais da indústria.

Segundo o levantamento, a grande maioria dos docentes, 90%, declarou que os cursos foram modificados para que fossem viabilizados de forma remota. Para que isso fosse possível, 24% dos gestores proporcionaram aos professores os ambientes e a estrutura da escola, e 19% disponibilizaram recursos para a preparação das aulas, como laboratórios, oficinas e equipamentos para gravação e transmissão. Cerca de 14% ainda ofereceram computadores e notebooks aos professores. Outra importante ferramenta de apoio foi a criação de grupos de estudos para que os professores compartilhassem suas experiências, estratégia citada por 34% dos gestores das escolas.

Quanto ao suporte tecnológico aos alunos, 27% dos gestores das escolas disponibilizaram computadores, notebooks e tablets. Houve ainda relatos sobre provimento de rede de internet e levantamento para liberação de modem. De acordo com a pesquisa, 72% dos estudantes acessam internet por banda larga (cabeada ou wifi), enquanto 24% pela banda larga e pacote de dados móveis e 4% só por meio de dados móveis. A maioria dos estudantes (68%) possui computador e celular, enquanto 26% declararam possuir só celular. Destes, 44% compartilham o dispositivo (celular ou computador) com outras pessoas na casa.

As estratégias educacionais à distância mais utilizadas foram: videoaula (98%), e-mail (94%), chat (93%) e WhatsApp (90%). Cerca de 76% utilizaram os ambientes remotos de ensino – como Teams, Moodle e Google Classroom – sem dificuldade, e somente 11% revelaram dificuldades em realizar as videoaulas síncronas.

Bem-estar
A pesquisa também analisou os impactos da pandemia na saúde física, emocional, familiar e financeira dos alunos e professores. Aproximadamente 35% declararam que enfrentaram sofrimento emocional com prejuízo nas suas atividades educacionais. Este sofrimento emocional foi verificado também em 22% dos familiares dos alunos e em 9% dos docentes. Já os impactos financeiros atingiram cerca de 20% dos estudantes que declararam ter perdido o emprego, enquanto 55% tiveram algum impacto financeiro pessoal ou familiar. Entre os docentes, 41% declararam ter sofrido impacto financeiro individual ou familiar. Esse e valor se manteve constante em todas as regiões do estado.

Para o apoio físico e emocional das pessoas, foram usadas as ferramentas como e-mail, WhatsApp e encontros remotos. Além de outras práticas, como distribuição de cestas básicas e práticas de acolhimento e motivação.

Outro ponto que chamou a atenção na pesquisa foi a atuação dos Analistas de Qualidade de Vida (AQV), que acompanham de perto os alunos e colaboradores em diversas questões pessoais e profissionais, humanizando cada vez mais, a relação da instituição com as pessoas. Este apoio foi referenciado espontaneamente por 8% dos entrevistados.

Satisfação e desenvolvimento técnico
O levantamento também quis saber se os alunos estavam totalmente satisfeitos com o curso oferecido no período da pandemia e 60% responderam que sim, 37% parcialmente satisfeitos e somente 3% declaram insatisfação.

Quanto ao desenvolvimento das capacidades técnicas, 58% foram totalmente atendidos, e 33% percebem que tal desenvolvimento aconteceu parcialmente. Esse resultado obtido na pesquisa pode ser indicativo da natureza do curso e da necessidade de realização das práticas em ambiente presencial. Este comportamento se repete quando perguntados sobre o sentimento de prejuízo ao desenvolvimento das competências profissionais do perfil: 28% sentem-se prejudicados em suas competências profissionais, 54% concordam parcialmente e 28 % discordam da existência de prejuízo em sua formação.

Sobre as estratégias remotas serem garantidoras da formação profissional, 37 % concordam totalmente, 53% parcialmente e 10% não concordam. Esta discordância pode estar relacionada desde as questões estruturais (acesso, ferramentas, ambiente remoto) até as questões pedagógicas e de natureza específica de cada curso. Além disso, aponta para a pertinência da adoção do ensino hibrido, modelo que mescla momentos em que o aluno estuda sozinho, de maneira virtual, com outros em que a aprendizagem ocorre de forma presencial, valorizando a interação entre pares e entre aluno.

Retorno Presencial
Questionados sobre o retorno às atividades presenciais, 50% dos estudantes já se sentem à vontade, 35% ainda condicionam o retorno às condições oferecidas pelas escolas e pelo próprio município e 15% não estão confortáveis com a volta. A pesquisa também perguntou sobre a continuidade das estratégias remotas adotadas durante a pandemia, e 54% concordam com sua manutenção – total ou parcial, enquanto 46% não concordam.

Grupo de risco
Entre os docentes, aproximadamente 20% informaram que pertencem ao grupo de risco para COVID-19 e estão localizados na Região Metropolitana de São Paulo. Entre os estudantes, este número foi de 12%, observando-se um percentual maior nas escolas do litoral paulista.

Perfil da pesquisa
A maioria dos estudantes é do gênero masculino (69%) e têm entre 14 a 25 anos (92% do total), com a maior média de idade observada na Região Metropolitana de São Paulo (RMSP). 78% dos docentes têm entre 31 e 50 anos e 12% mais de 51 anos de idade. 81% são homens, 3% possuem características de deficiência e 60% moram em residências com até três pessoas, sendo que a proporção é maior na RMSP (66%) e no litoral (63%).

CAIXA DISPONIBILIZA R$ 15 BILHÕES PARA MAIS DE 136 MIL PEQUENAS E MICROEMPRESAS

Imagem: Divulgação

Pelo Pronampe, banco liberou R$ 2,55 bilhões na última semana e seguirá com as contratações até o limite do Fundo Garantidor de Operações (FGO)

As principais linhas de crédito da CAIXA voltadas para atender as necessidades das pequenas e microempresas já injetaram na economia R$ 15 bilhões desde março. Ao todo, mais de 136 mil empresas fecharam contratos com taxas e condições especiais para enfrentar os efeitos da pandemia de COVID-19 na economia.

Só no Programa Nacional de Apoio às Microempresas e Empresas de Pequeno Porte (Pronampe), quase 99 mil empresas já fecharam contrato, em um total de R$ 9,81 bilhões. Apenas na última semana, foram R$ 2,55 bilhões emprestados.

A CAIXA seguirá emprestando pelo Pronampe até o limite do Fundo Garantidor de Operações (FGO), conforme determinação do gestor do Fundo, o Banco do Brasil, nesta sexta-feira (22/09). A expectativa é que sejam contratados mais R$ 2 bilhões pela linha.

No Crédito Assistido, que conta com a parceria do SEBRAE para antes e após a contratação com a CAIXA, foram atendidas mais de 31 mil empresas, num montante de R$ 2,2 bilhões. O Giro CAIXA FGI disponibilizou R$ 2,6 bilhões para 8,3 mil clientes.

O presidente da CAIXA, Pedro Guimarães, ressalta que o banco vai estar sempre ao lado do empreendedor brasileiro. “Estivemos ao lado dos empreendedores do país no momento mais difícil da pandemia. Agora, vamos seguir juntos e apoiá-los na retomada da economia”, afirmou Guimarães.

Pronampe:

A CAIXA foi a primeira instituição financeira do país e operar com o Pronampe, em junho. O banco também foi a única instituição financeira que direcionou R$ 50 milhões para beneficiar cerca de 3 mil microempresas.

Como contratar:

Os clientes devem acessar ao site www.caixa.gov.br/caixacomsuaempresa e preencher um  formulário de interesse ao crédito. O banco entrará em contato se a empresa estiver apta a contratar o financiamento. A solicitação também pode ser feita nas agências da CAIXA.

A partir de agora, cidades que regredirem irão para fase VERMELHA, diz Dória

Imagem: Divulgação
Em pronunciamento, o governador de SP João Dória disse que a partir de agora, a região que regredir de fase terá que fechar tudo e funcionar apenas com serviços essenciais.
 
Pela primeira vez todo estado de São Paulo está na fase Amarela do plano SP, porém se regredir volta direto para fase vermelha e não para fase laranja como era.
 
Na semana em que o município de Carapicuíba registra 318 mortes pelo coronavírus e o aumento de aglomerações em parques e clube, algumas pessoas temem o aumento nos casos devido a irresponsabilidade de alguns com aglomerações e a falta do uso de máscaras e distanciamento social.
 
 Nossos sentimentos a todos os familiares que perderam seus entes queridos acometidos pela covid-19.
 
Não é o momento de relaxar, a pandemia ainda não passou. Proteja você e aqueles que você ama. 
 
  • Use máscaras,
  • passe álcool em gel
  • mantenha o distanciamento social.

Fonte: https://www.facebook.com/programasEMFOCO

ARTESP realiza blitz de fiscalização em três Terminais Rodoviários da Capital e de Campinas

Imagem: Sturm
Foco da ação foi verificar os horários de saída dos veículos

A equipe de fiscalização de Transporte Coletivo Intermunicipal da ARTESP – Agência de Transporte do Estado de São Paulo realizou nesta quinta-feira (10/09) operações em três terminais rodoviários da capital – Tietê, Barra Funda e Jabaquara – e no Terminal Intermodal Ramos de Azevedo, em Campinas. Com a volta gradativa da rotina no Estado de São Paulo, depois da fase mais aguda da Covid-19, o objetivo foi verificar se as empresas estão atendendo à demanda devido ao aumento do número de passageiros.

No total, 17 agentes participaram da operação conjunta, que foi realizada nos pontos das 13h às 20h e resultou em 155 veículos fiscalizados, 32 autuados e 01 retido. No Terminal do Tietê foram 62 fiscalizados e 12 autuados. Já na Barra Funda, os agentes fiscalizaram 45 veículos, autuaram 16 e retiveram 01. No Jabaquara, foram 22 fiscalizados e 02 autuados. Por fim, em Campinas, 26 veículos foram fiscalizados e 02 autuados.

” O objetivo principal destas operações nos terminais rodoviários é manter o equilíbrio entre a retomada das atividades após a melhora da pandemia no Estado de São Paulo e o atendimento das empresas ao aumento da demanda relativo a esta retomada. Os fiscais observaram se os embarques foram realizados dentro dos horários determinados e se não ocorreu excesso de passageiros nos guichês”, afirma Reonaldo Raitz Leandro, Superintendente de Fiscalização da Diretoria de Procedimentos e Logística da ARTESP.

Os fiscais também verificaram as condições dos veículos, se nenhum item comprometia a segurança dos mesmos, questões de higiene dentro dos veículos, uso de máscaras pelos passageiros ao embarcar, além de orientaram os motoristas para reforçar aos passageiros sobre a necessidade de utilizar máscaras durante todo o trajeto da viagem.

As empresas foram alertadas sobre a necessidade de cumprir o horário estabelecido para evitar filas, aglomerações próximas aos guichês e veículos lotados. A ARTESP é responsável por regular a operação efetuada entre terminais rodoviários e agências de venda de passagens, com a utilização de veículos com poltronas individuais numeradas, porta única para embarque e desembarque, bagageiro externo e proibição de transporte de passageiros em pé.

Para consultar os veículos cadastrados, basta acessar: http://bit.ly/39ItlZg

As imagens da fiscalização nos terminais estão disponíveis neste link: http://we.tl/t-pROw6BMSt9

Sobre a ARTESP

A ARTESP – Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo – regula o Programa de Concessões Rodoviárias do Governo do Estado de São Paulo há mais de 20 anos. Sob sua gerência, estão 20 concessionárias, que atuam em 10,8 mil quilômetros de rodovias, o que representa quase 31% da malha estadual, abrangendo 283 municípios.

A Agência também fiscaliza o Transporte Intermunicipal de Passageiros, exceto nas Regiões Metropolitanas de São Paulo, Campinas, Baixada Santista, Vale do Paraíba e Litoral Norte. Dentre as ações, realiza auditoria de frota, garagem e instalações, ações fiscais na operação das linhas regulares, nos terminais rodoviários e nas rodovias. Além disso, a ARTESP é responsável pela regulação da concessão de cinco aeroportos regionais.

SPMAR faz doação para entidades em 11 cidades

Imagem: Divulgação
Ação é parte da campanha Inverno Solidário que termina no próximo dia 15 de setembro

A chegada do inverno com quedas bruscas de temperatura à noite, representa um perigo para muitas pessoas que vivem em vulnerabilidade social.

Para ajudar a mudar essa realidade a SPMAR aderiu à Campanha Inverno Solidário, uma iniciativa do Fundo Social de Solidariedade do Estado e que conta também como apoio da ARTESP (Agência de Transporte do Estado de São Paulo).

No total foram contempladas 11 instituições que trabalham com pessoas desamparadas, sendo uma em cada cidade cortada pelos trechos Sul e Leste do Rodoanel Mario Covas.

“Esse é o resultado de uma verdadeira corrente de solidariedade, possível graças a solidariedade de usuários e colaboradores, fundamentais nesse trabalho de ajudar ao próximo” explica o diretor executivo da concessionária SPMAR, Marcos Fonseca.
 
Desde o início da ação em junho, a SPMAR já realizou doação de 550 cobertores e 630 peças de roupas novas, uma exigência da campanha desse ano, devido a pandemia do Covid-19.

Entre as instituições favorecidas pela concessionária estão o Fundo Social de Solidariedade – São Bernardo do Campo, Santo André, Itapecerica da Serra, Arujá, Poá, Mauá, Ribeirão Pires, Itaquaquecetuba e São Paulo – o Exército da Salvação de Suzano e a Instituição Obreiros do Amor e Misericórdia (OAM) de Embu das Artes.
 
Para quem tiver interesse em colaborar com a campanha, as doações de roupas e cobertores novos continuam sendo recebidas até o dia 22 de setembro. No site da campanha www.invernosolidario.sp.gov.br é possível digitar seu cep e encontrar o posto de coleta mais perto da sua residência

SP registra 4ª semana seguida de queda de mortes pela covid

Imagem: Divulgação

De acordo com o governo do Estado, é a primeira vez que isso acontece desde o início da pandemia

O Estado de São Paulo teve a quarta semana consecutiva de queda no número de mortes pelo novo coronavírus. De acordo com a gestão Doria, em todo esse período o número de novos óbitos caiu 22%, passando de uma média de diária de 252 para 196.

Sobe 429% a busca por psicólogos em agosto no Brasil

Imagem: Setembro Amarelo

O movimento setembro amarelo é uma ação criada em 2015, de prevenção e combate ao suicídio. Com a chegada deste mês, inicia-se o debate sobre depressão e inúmeros outros problemas, sobretudo, desencadeados em nosso psicológico.

Na plataforma de serviços GetNinjas, a busca por psicólogos no Brasil aumentou 429% em agosto, em comparação com o mesmo período do ano passado. Segundo alguns especialistas, esse salto pode estar relacionado à pandemia do coronavírus. (em julho o aumento era de 340%)

Para Celson Hupfer, CEO da Connekt, plataforma inteligente de recrutamento digital e Doutor em Psicologia Social, ainda assistiremos mudanças de aspectos psicológicos no mercado de trabalho.

“Já víamos uma série de pessoas que não conseguiam parar de trabalhar, entretanto, com a pandemia, esse comportamento se intensificou devido a mudança de rotina, cortes de salário e distanciamento social. Futuramente, poderemos ver resquícios da crise no psicológico de colaboradores e candidatos, com um aumento ainda maior da síndrome de Burnout, de estresse e insônia, devido os problemas no trabalho. Precisamos preparar as lideranças para lidar com isso, já que o trabalho afeta o psicológico e o psicológico afeta nosso desenvolvimento de carreira, é um ciclo” avalia.

Além de quem já está no mercado, os desempregados também foram afetados. Atualmente, mais de 12 milhões de brasileiros estão sem emprego. A plataforma Connekt, por exemplo, teve picos de novas candidaturas no site. Em agosto, foram mais de 181.228 mil novas candidaturas.

Mensagens nas rodovias estaduais reforçam orientação para motoristas evitarem viajar no feriado de 7 de setembro

Imagem: Divulgação

Recomendação é não pegar a estrada sem necessidade neste fim de semana prolongado para reduzir o risco de contaminação pela Covid-19

Com o feriado do Dia da Independência, comemorado na próxima segunda-feira, sete de setembro, a Secretaria Estadual de Logística e Transportes, o DER, a ARTESP e as concessionárias que integram o Programa de Concessão de Rodovias do Governo do Estado de São Paulo fazem reforço nas mensagens de orientação nas rodovias, para que os usuários evitem viajar desnecessariamente e, assim, manter o protocolo vigente de quarentena e isolamento social em razão da pandemia da COVID-19.

Mesmo com a flexibilização, a pandemia ainda está em vigor e as restrições para o convívio social permanecem. Para estimular a conscientização, o DER e as concessionárias de rodovias estão veiculando nos painéis eletrônicos mensagens de alerta e orientação aos usuários:

▪ Neste feriado, respeite a quarentena, fique em casa!
▪ Previna-se contra o Coronavírus. Evite aglomerações.

Os avisos também serão reforçados pelas redes sociais dos órgãos estaduais e concessionárias. A recomendação é para que não ocorra aumento na movimentação de veículos, uma vez que muitos motoristas planejam pegar a estrada rumo ao litoral e ao interior do estado para aproveitar o fim de semana prolongado.

Mesmo com a recomendação para evitar viagens, o DER e as concessionárias mantêm suas equipes a postos para a prestação de serviços essenciais aos usuários, como socorro mecânico, guincho e ambulância, além das equipes de monitoramento dos Centros de Controle Operacionais (CCOs) e da manutenção da malha, com serviços de conservação do pavimento e sinalização.

PREVENÇÃO
Medidas para reforçar a higiene e reduzir o risco de contágio nas praças de pedágio também serão adotadas, como a disponibilização de álcool em gel para os operadores e para os usuários.

Algumas concessionárias de rodovias vão distribuir máscaras aos motoristas que passarem pelas praças de pedágio, com o objetivo de ajudar na prevenção à COVID-19. A Ecorodovias, que administra os sistemas Anchieta-Imigrantes e Ayrton Senna-Carvalho Pinto, distribuirá 40 mil máscaras aos usuários.

MOVIMENTO INTENSO NO LITORAL NO ÚLTIMO FIM DE SEMANA DE AGOSTO
A precaução está sendo adotada após as rodovias paulistas e o sistema de travessias litorâneas terem registrado um grande fluxo de veículos no último fim de semana de agosto, entre os dias 28 e 30, em comparação a outros fins de semana anteriores ao início da quarentena por causa da pandemia da COVID-19.

No Sistema Anchieta-Imigrantes, que dá acesso ao litoral sul e à Baixada Santista, o volume de tráfego, considerando somente a descida em direção às praias, chegou a 202.526 veículos. O número é alto se comparado ao registrado no feriado prolongado de Carnaval deste ano (entre 21 e 26 de fevereiro), quando o fluxo chegou a 364.536 veículos.

Já na Rodovia dos Tamoios, a movimentação de veículos foi de 154.836 entre sexta (28) e domingo (30), enquanto no período de Carnaval (entre 21 e 26 de fevereiro) foram registrados 335.802 veículos.

A Travessia São Sebastião/Ilhabela, por exemplo, transportou 5.428 veículos no fim de semana (entre 28 e 30 de agosto). Para se ter uma ideia, esse número é maior do que a média do volume transportado no feriado do Carnaval (entre 21 e 26 de fevereiro), quando foi registrada a passagem de 5.391 veículos. O mesmo comportamento foi registrado na travessia Santos/Guarujá, quando mais de 20 mil veículos usaram as embarcações no último fim de semana de agosto.

Travessias (média diária de volume transportado)
▪ São Sebastião/Ilha Bela
Ano Novo (27/12 a 07/01/20) – 7.284 veículos
Carnaval (21 a 26/02/20) – 5.391 veículos
Fim de semana (28/08 a 30/08/22) – 5.428 veículos

▪ Santos/Guarujá
Ano Novo (27/12 a 07/01/20) – 20.474 veículos
Carnaval (21 a 26/02/20) – 16.946 veículos
Fim de semana (28 a 30/08/22) – 20.456 veículos

Rodovias do DER (total de veículos)
Ano Novo 2020 (27/12/2019 até 02/01/2020): 1.710.634
Carnaval 2020 (21/02/2020 até 12h de 26/02/2020): 1.121.184
Fim de Semana (28 a 30/08/2020): 609.002

Rodovias concedidas: total de veículos
Ano Novo 2020 (27/12/2019 a 02/01/2020):
Sistema Anchieta Imigrantes: 684.380 (média diária: 97.769)
Tamoios: 591.792 (média diária: 84.542)

Carnaval 2020 (21 a 26/02/2020):
Sistema Anchieta/Imigrantes: 364.536 (média diária: 60.756)
Tamoios: 335.802 (média diária: 55.967)

Fim de semana (28 a 30/08/2020)
Sistema Anchieta/Imigrantes: 202.526 (média diária: 67.509)
Tamoios: 154.836 (média diária: 51.612)

Sobre a ARTESP
A ARTESP – Agência Reguladora de Serviços Públicos Delegados de Transporte do Estado de São Paulo – regula o Programa de Concessões Rodoviárias do Governo do Estado de São Paulo há mais de 20 anos. Sob sua gerência, estão 20 concessionárias, que atuam em 10,8 mil quilômetros de rodovias, o que representa quase 31% da malha estadual, abrangendo 283 municípios.

A Agência também fiscaliza o Transporte Intermunicipal de Passageiros, exceto nas Regiões Metropolitanas de São Paulo, Campinas, Baixada Santista, Vale do Paraíba e Litoral Norte. Dentre as ações, realiza auditoria de frota, garagem e instalações, ações fiscais na operação das linhas regulares, nos terminais rodoviários e nas rodovias. Além disso, a ARTESP é responsável pela regulação da concessão de cinco aeroportos regionais.

Retorno de aulas presenciais continua suspenso na rede de Barueri

Imagem: Freepik

As aulas presenciais na rede municipal de Barueri continuam suspensas e sem previsão de retorno, em função da pandemia da Covid-19. Os estudantes seguem com as atividades e aula remotas.

A Secretaria de Educação, com apoio do Ministério Público e da Vigilância Sanitária, elaborou protocolo de biossegurança para a reabertura das escolas, mas a avaliação da administração municipal, fundamentada em outros estudos e em levantamento de opiniões junto a pais de alunos, é de que não há, no momento, garantias de que o ambiente escolar esteja totalmente seguro quanto à propagação do novo coronavírus.

Aulas remotas

Em tempos de distanciamento social por conta da pandemia, as aulas remotas têm sido uma valiosa ferramenta de aprendizagem. Barueri já estava preparada para o ensino a distância, pois informatizou toda a rede municipal de ensino no último ano com a plataforma Google For Education.

As atividades online têm adesão expressiva e, para garantir as mesmas oportunidades a alunos que não tinham computador ou acesso à internet em casa, a Prefeitura disponibilizou notebooks e modems com conexão gratuita para aproximadamente 2.300 estudantes carentes. É o Projeto Aluno Conectado, em que os responsáveis assinam termo de empréstimo dos equipamentos e garantem aos filhos o acesso digital.

Para amenizar os impactos na alimentação, já que a merenda escolar é uma refeição importante para o desenvolvimento de crianças e adolescentes, a Prefeitura já distribuiu, por cinco meses consecutivos, cestas básicas com os itens da merenda para todos os 68 mil alunos da rede.