Editorial: 6 anos

Após 8 anos de serviço, cão da GCM se aposenta em Itapevi

Após 8 anos de serviço, cão da GCM se aposenta em Itapevi (Divulgação PMI)

Rottweiler Conan será homenageado pela Guarda na próxima quarta-feira (29)

 

Na próxima quarta-feira (29), a Guarda Civil de Itapevi fará uma homenagem ao rottweiler Conan, que por seis anos fez parte da corporação auxiliando os guardas nas operações de segurança.  Os animais trabalham até os oito anos de idade. Conan foi aposentado compulsoriamente após seu oitavo aniversário, nesta sexta (24).

 

Doado ao canil com dois anos, o rottweiler preto e canela, de 38 quilos, foi treinado pelos adestradores da corporação e desde então auxilia no trabalho de policiamento. Por seis anos, Conan trabalhou nas ruas farejando entorpecentes e ajudando no patrulhamento dentro de estádios, eventos públicos e blitze realizadas na cidade.

 

“Conan é muito forte e inteligente. Adora o trabalho nas ruas e sempre trabalhou com concentração e seriedade. Muitas vezes, sua atuação foi fundamental para garantir a nossa segurança durante as operações”, explica o guarda Gilson Cândido Marcelino, que trabalha na GCM há 17 anos e há cinco é o condutor de Conan.

 

“Condutor é o nome que se dá ao guarda que está sempre com o cachorro. Mas na verdade, somos muito mais que isso. Somos verdadeiros parceiros”, diz Marcelino, que está triste com a aposentadoria do amigo.

 

“Vou sentir falta dele no trabalho. Mas vou adotá-lo, então estarei com ele todos os dias na minha casa. Agora, o Conan vai ser o meu terceiro filho. Minha esposa e meus dois pequenos estão muito felizes com o novo membro da família”, afirma o guarda.

 

Homenagem

A homenagem a Conan acontece na quarta-feira (29), às 18 horas, no Complexo Desportivo Educacional João Salvarani (Av. Rubens Caramez, 1000A – Centro). O evento contará com a presença de outras corporações da região e será aberto ao público.

 

Canil

A Guarda Civil Municipal de Itapevi possui, atualmente, sete cães que fazem parte da corporação e vivem no canil da instituição.

 

Os cães precisam ter algumas aptidões específicas para o trabalho policial: faro desenvolvido (para drogas ou explosivos), tendência para captura (deve morder bem e ter gana para a caça), e obediência para policiamento.

 

“Não é qualquer cão que serve para o trabalho. Todos são adestrados e recebem treinamento diário”, explica o subinspetor José Carlos Batista dos Santos. Ele está na Guarda há 17 anos e desde 2010 trabalha diretamente com as equipes do canil, pelo qual é responsável.

 

Cada cão trabalha seis horas, em dias intercalados, e recebe treinamento e condicionamento físico diário. Além da alimentação balanceada, os animais são atendidos regularmente por veterinários da Secretaria de Saúde e Bem-estar.

 

“Os cães são cuidados pelos condutores, que são responsáveis pela sua alimentação, higiene e também pelo treinamento”, acrescenta Santos.

 

As viaturas policiais que conduzem os cães também são adaptadas, com acento próprio e cinto de segurança específico para garantir a segurança e integridade física do animal.