Saúde

Prefeito Marcos Neves entrega ampliação e reforma da UBS Florispina de Carvalho

As obras de revitalização das Unidades Básicas de Saúde (UBS) de Carapicuíba estão a todo vapor. Na sexta-feira (29), o governo municipal entregou a ampliação e reforma completa UBS Florispina de Carvalho, localizada na Vila Dirce.

O investimento inclui pintura, troca da rede elétrica e hidrossanitária, substituição do piso, estrutura de combate a incêndios, acessibilidade e câmeras de videomonitoramento, tudo em ambiente moderno e climatizado. Além de receber decoração, mobília e equipamentos novos, a unidade foi totalmente informatizada e conta ainda com elevador.

Outra importante conquista é o horário de atendimento estendido. Para aliviar o fluxo de pacientes nos Prontos Atendimentos (PA), a UBS Florispina de Carvalho irá funcionar no horário das 7 às 20 horas. As novas instalações proporcionam conforto, segurança e atendimento digno aos carapicuibanos, além da valorização dos profissionais.

“Esse é o décimo equipamento que entregamos na área da saúde, entre novos e reformas por completo. É o modelo que estamos trabalhando para levar para todas as unidades de saúde. O horário de atendimento até as 20 horas é mais um compromisso cumprido do nosso plano de governo”, afirma o prefeito Marcos Neves.

Revitalização das unidades de saúde

A área da saúde é prioridade para a atual gestão. Em pouco mais de dois anos, Carapicuíba soma 10 equipamentos inaugurados ou totalmente revitalizados: Policlínica, UBS Central, Caps Infantil, Farmácia Especializada, Centro de Fisioterapia, Laboratório Municipal, Núcleo de Atendimento à Infectologia de Carapicuíba, Secretaria de Saúde, UBS’s Raimundo Guedes e Florispina de Carvalho. Em breve, a reforma da Unidade de Saúde da Família (USF), no Parque Jandaia, também estará concluída. Além disso, outras unidades começam a ser reformadas.

Maternidade do Hospital São Francisco: segurança e acolhimento para mãe e bebê

A hora do parto é um dos mais esperados, não só pela gestante, mas também pela família que acompanhou ansiosa e pacientemente os longos nove meses de gravidez. Afinal, é um novo ser humano que chega ao mundo para trazer alegria a tanta gente. Garantir que esse momento grandioso seja de pura felicidade requer mais que um cuidado médico especializado, mas também carinho e dedicação. É nisso que a equipe médica hospitalar da Maternidade do Hospital São Francisco (HSF) acredita e, além de contar com profissionais qualificados, oferece total suporte, sempre priorizando a segurança e o bem-estar da mamãe e do bebê.

Desde um pré-natal completo até a hora do nascimento o atendimento em obstetrícia do São Francisco dispõe de uma estrutura que zela pelo conforto da gestante  para que ela curta cada momento até o grande dia chegar.

As instalações do Hospital e Maternidade São Francisco abrangem leitos para internações, centros cirúrgicos com o total de oito salas e conta com equipamentos de última geração, além de UTI adulto e neonatal, pronto-atendimento, ambulatório ginecológico e obstétrico, exames de ultrassonografia e de cardiotocografia – que avalia a vitalidade fetal do bebê com precisão –, laboratórios de análises clínicas e patológicas, além dos testes do Pezinho, Orelhinha e ainda o banco de vacinas.

Vacinas em dia para os bebês

Manter a vacinação em dia é fundamental para a saúde do bebê e o Hospital São Francisco agora conta com a qualidade da Clínica Vacinville. As principais vacinas para os recém-nascidos já estão disponíveis, como a BCG, que combate a tuberculose e a Hepatite B, conforme preconiza o Ministério da Saúde.

“Além da garantia do cuidado pleno para o bebê, o hospital se preocupa em firmar parcerias importantes, de renome, que se preocupam com a qualidade no serviço prestado tanto quanto nós. A Vacinville é uma clínica de vacinas que tem tradição e qualidade, é isso que queremos propiciar aos nossos pacientes”, destaca o diretor clínico da unidade, Flávio Ceballos.

UTI Neonatal

A Unidade de Terapia Intensiva Neonatal do HSF também dispõe de leitos equipados e da atuação de uma equipe multidisciplinar para garantir o melhor atendimento para os recém-nascidos que precisam de cuidados especiais.

“Só tenho a agradecer, primeiramente a Deus, e depois aos médicos e as enfermeiras que ficaram super preocupadas, e até hoje entram em contato comigo para saber sobre o Pietro”, relata Vanessa Cassiano Portela, mãe do Pietro, um pequenino herói que nasceu com  quase 32 semanas. Para a mãe, que passou dias com o coração apertado e no aguardo da tão sonhada alta, ter ao lado profissionais da saúde que prestaram um atendimento de qualidade e humanizado fez toda a diferença. “Quando vou ao hospital sou parada por vários funcionários que gostam de ver como ele se recuperou”, destaca com gratidão o empenho de toda a equipe que cuidou do bebê, que acaba de completar cinco meses de vida.

Sempre abraçados

Para o bebê que vem ao mundo antes da hora, a incubadora é o melhor lugar. É lá que o prematuro ganha peso e onde ele se sente seguro. Para isso, o Hospital adotou o polvo feito de linha de algodão, um tipo de brinquedo macio cujos tentáculos, além de acalentar, simulam o cordão umbilical para que os bebês possam sentir-se mais calmos e confortáveis ao abraçar o amigo.  

“Os polvos funcionam como forma de estímulo e conforto para os bebês. Não há nenhuma comprovação científica, porém, em hospitais humanizados, como é o caso do São Francisco, demonstrou acalmar os bebês. Os tentáculos do polvo simulam o cordão umbilical e com isso o bebê prematuro entende que ainda está no útero da mãe”, destaca a fisioterapeuta Jennifer Vilela. Ela ressalta ainda que os polvos são esterilizados antes do contato com o prematuro.

Osasco intensifica ações de combate à dengue

Em razão do aumento dos casos de dengue no Estado, entre janeiro e março deste ano, a Prefeitura de Osasco, por meio da Secretaria de Saúde, intensificou o trabalho de combate ao Aedes aegypti, mosquito transmissor da doença. São Paulo teve um aumento de 2.000% no número de casos no período.

Osasco teve 100 notificações nos três primeiros meses, sendo 28 casos confirmados, dos quais dez autóctones, seis importados, e outros 12 sem definição. Outros 31 casos foram descartados e 41 estão em análise. Em 2018 a cidade teve apenas dez casos confirmados. Em 2017 foram 12 e, em 2016, 663.

Vila Yolanda (cinco), Jardim Veloso e Baronesa (três cada) são os bairros com mais casos confirmados da doença. Os demais estão distribuídos pela cidade em bairros como Jardim Umuarama, Helena Maria, Jardim Roberto, Pestana, Jaguaribe e Santo Antônio.

A Secretaria de Saúde do município tem realizado um trabalho contínuo de combate aos criadouros do mosquito da dengue e outras arboviroses. As ações acontecem diariamente, com visita dos agentes de endemias às residências, equipamentos públicos e comércios, entre outros. No período de fortes chuvas de verão o serviço é intensificado.

A equipe de trabalho do Núcleo de Controle da Dengue e outras Arboviroses, responsável pelo controle do Aedes aegypti, zika, chikungunya e febre amarela, conta com uma coordenadora técnica, dois supervisores gerais, sete supervisores de campo e 90 agentes de combate às endemias/agentes de Saúde, que fazem vistorias, eliminam criadouros, orientam moradores, instalam telas em caixas d’agua e aplicam larvicida e inseticida quando identificam presença das arboviroses, entre outras ações efetivas de prevenção.

O Núcleo, vinculado à Secretaria de Saúde, possui um laboratório de entomologia, onde realiza estudos e testes para subsidiar estratégias de controle. Além disso, o setor conta com uma equipe de Informação, Educação e Comunicação que realiza trabalhos educativos nas escolas públicas e privadas, por meio de teatro de fantoches, palestras e campanhas preventivas com exposição, entrega de material educativo e orientação à população.

As equipes de combate contam com o apoio da Secretaria de Serviços e Obras, que colabora disponibilizando caminhões para retirar os recipientes que possam acumular água limpa e parada que os munícipes queiram eliminar.

CONSCIENTIZAÇÃO

A população também tem de fazer sua parte e contribuir com atitudes simples, como guardar garrafas com o gargalo virado para baixo; encher de areia ou terra os pratinhos de vasos de plantas; manter bem tampados baldes, tonéis, piscinas e caixas d’água; guardar pneus em locais protegidos da chuva; manter o quintal sempre limpo e livre de objetos que possam acumular água; e não jogar objetos nas ruas e terrenos baldios, que também se tornam criadouros do mosquito.

Em dezembro, o Núcleo de Controle da Dengue e outras arboviroses e Departamento da Estratégia de Saúde da Família (ESF) realizaram mutirão que envolveu 456 agentes de ambos os setores e fez 64.239 visitas a imóveis, eliminou 29.008 criadouros e colocou telas em 197 caixas d’água.

Grupo São Francisco possui o melhor prontuário eletrônico da América Latina

Os investimentos tecnológicos do Grupo São Francisco vão além, e a informatização trouxe ainda mais agilidade e expertise ao atendimento em saúde graças a parceria com a MV, líder de mercado no ramo de Tecnologia da Informação em Saúde no País. A empresa, inclusive, foi reconhecida pele KLAS, instituto norte-americano de pesquisa e insights, por desenvolver o  melhor prontuário eletrônico da América Latina.

Para o diretor clínico da unidade de Cotia, Flávio Ceballos, a parceria da MV com a GSF fortalece ainda mais a política de gerir a saúde com eficácia e rapidez, garantindo o melhor para o paciente.

“Um serviço em saúde de ponta envolve o comprometimento de excelentes profissionais e parceiros engajados, assim como a MV, que desde 2011 contribui com a gestão dos nossos hospitais e que reflete  positivamente na qualidade do nosso atendimento”, declara.

Tecnologia da Informação em Saúde

O prontuário eletrônico do hospital facilita o fluxo de dados entre os setores das unidades integrando todos os processos. Com essa ferramenta é possível apoiar o gerenciamento de informações clínicas, assistenciais, administrativas, financeiras e estratégicas. Esse sistema aumenta a produtividade da equipe médica proporcionando o melhor atendimento ao paciente.

Rastreabilidade de informações

A enfermeira e gestora de qualidade do Hospital São Francisco, Renata Cristina da Silva afirma que “além da segurança de dados, o sistema permite a integração de informações clínicas e administrativas de cada pessoa.  Isso agiliza diagnósticos e atendimentos, enquanto promove uma saúde mais democrática e precisa”, destaca.

Mais eficiência para medicina diagnóstica

Com soluções completas para Centros de Diagnóstico por Imagem, os sistemas RIS (Radiology Information System) e PACS  (Picture Archiving and Communication System) otimizam o fluxo de trabalho desde o agendamento e atendimento até a realização do exame, passando pela captura, armazenamento, compartilhamento das imagens geradas pelos diversos equipamentos até o laudo e entrega do resultado. Esses benefícios maximizam a segurança do radiologista na tomada de decisão, proporcionando diagnósticos mais precisos e tratamentos mais eficazes.

“A Saúde Digital avança no Brasil a passos lentos, se considerarmos a forma como evolui em outros países. Apesar disso, hoje observamos como as instituições de saúde estão cada vez mais enxergando a tecnologia como estratégica no negócio. Sendo líder nacional em sistema de gestão para a área da saúde, a MV apoia mais de 1500 clientes no processo de transformação digital, e o Grupo São Francisco é um deles. A nossa parceria iniciou há anos e, diariamente, aprimoramos essa relação com o objetivo de evoluir no cuidado da saúde de cada indivíduo a partir dos recursos e benefícios que a tecnologia é capaz de prover”, diz Paulo Magnus, presidente da MV.

Conheça a importância do teste da orelhinha

Logo após o nascimento do bebê, ainda na maternidade, a realização do Teste da Orelhinha faz toda a diferença para o diagnóstico precoce de alterações auditivas no recém-nascido. O teste é simples, rápido e indolor.

De acordo com a fonoaudióloga Joice Sales, que atua na Maternidade do Hospital São Francisco, o Teste da Orelhinha ou Triagem Auditiva Neonatal é feita com o auxílio de um aparelho que emite sons leves e detecta e avalia a resposta dos estímulos sonoros.

Não é um exame invasivo, dura cinco minutos e geralmente o bebê está dormindo. O exame pode ser repetido dentro do prazo de 30 dias em outras clínicas ou pelo Sistema Único de Saúde”, explica a especialista, que recomenda que o teste seja feito no segundo ou terceiro dia de vida do bebê. “Depois da alta hospitalar, aos bebês que não tiveram alterações no exame, recomenda-se repeti-lo dentro do prazo de 30 dias”.

Grupo de risco

Os bebês com maior índice de alteração auditiva  são aqueles que se enquadram no perfil de prematuros; que tiveram o diagnóstico de infecções como rubéola ou que precisaram ficar internados; sofreram complicações no parto que comprometem a oxigenação; e aqueles com doenças neurológicas.

O primeiro sinal de alerta

A perda de audição tem vários graus, portanto, é importante que os pais fiquem atentos aos sinais.

Os pais acreditam que o fato de chamar a criança e ela atender significa que ela não teve perda de audição. Essa afirmação não é verdadeira porque existem diferentes graus de perda. Os casos de crianças de dois anos de idade que não desenvolveram a fala estão ligados diretamente à questão da audição”, alerta Joice.

A especialista orienta os pais a darem atenção para os casos de crianças que ficam doentes com frequência, acometidos por resfriados ou inflamações de ouvido, já que isso pode causar uma perda de audição transitória devido a presença de secreções que podem obstruir o  canal auditivo. “Essas crianças também devem receber o acompanhamento, porque tudo isso tem impacto no desenvolvimento da fala e, futuramente, na alfabetização”.

Lei Federal

O teste da Orelhinha está previsto na Legislação Federal desde 2010, que tornou sua realização obrigatória e gratuita nas maternidades.

Sobre o Hospital e Maternidade São Francisco

Inaugurado em agosto de 2017, o atendimento em obstetrícia do Hospital São Francisco dispõe de uma estrutura completa. Suas instalações abrangem leitos para internações, centros cirúrgicos de oito salas e com equipamentos de última geração, UTI adulto e neonatal, pronto atendimento, ambulatório ginecológico e obstétrico, exames de ultrassonografia e de cardiotocografia – que avalia a vitalidade fetal do bebê com precisão –, laboratórios de análises clínicas e patológicas, além dos importantes testes do Pezinho e da Orelhinha.

Saiba mais pelo telefone (11) 4615-6677. Você também pode fazer uma visita ao Hospital e Maternidade São Francisco, que fica na avenida Professor José Pedroso, 701 – Cotia – SP.

UPA de Jandira é aberta ao público

O primeiro dia de atendimento na Unidade de Pronto Atendimento 24 Horas (UPA) de Jandira – SP foi movimentado e agradou a muitos munícipes que procuraram assistência nesta segunda-feira. Localizado na Avenida Alberto Ruffolo, 312, na Vila Anita Costa, o prédio, recém-construído, substitui o Pronto Atendimento Municipal (PAM) da cidade.

As especialidades médicas disponíveis são clínica médica (24 horas), ortopedia (24 horas) e pediatria (24 horas), para consultas emergenciais e internações por até 12 horas. Na UPA, assim como já ocorria no PAM, será possível fazer exames laboratoriais, de raio-X e eletrocardiograma. Tudo para garantir diagnósticos com mais precisão.

Para a comerciante Rosicler Muciano, que acompanhava uma amiga em um atendimento com ortopedista, a inauguração da UPA  “foi a melhor coisa que aconteceu em Jandira. Antes tínhamos de ir até Barueri, agora vai ficar bem melhor”. “A infraestrutura é muito boa, localização é ótima e o atendimento foi muito rápido”, comenta.

Ilana Moura, que levou o filho Tomás, de 7 meses, para passar em consulta com o pediatra, elogiou o atendimento. “Achei as meninas da recepção muito legais, elas me explicaram tudo direitinho. Nós, os moradores de Jandira, precisávamos de um lugar nosso. Antes, tínhamos de ir até outra cidade, agora com a UPA não precisamos mais”.

O diretor-técnico, o doutor André Luiz Miranda Barbosa, comenta que a UPA eleva a qualidade da assistência à saúde em Jandira. “Hoje, estamos preparados para dar o primeiro atendimento a pacientes em casos de média e alta complexidade, para que ele seja transportado para um hospital especializado com segurança”, afirma.

“Temos equipamentos de ponta. O aparelho de raio X, por exemplo, gera uma imagem digitalizada, de qualidade que permite um diagnóstico mais preciso”, explica. “Os exames de laboratório agora são colhidos e processados aqui. Isso é um avanço. Até então, era colhido aqui e levado para outra cidade”, destaca.

Roberto Garcia, diretor-operacional do Instituto Brasileiro de Gestão Hospitalar (IBGH), organização social sediada em Goiânia, responsável pela administração da UPA, acompanhou o primeiro dia da unidade. Para ele, a população será beneficiada com a mudanças que já aconteceram e com as que estão por vir.

Entre as novidades, Garcia destaca o aumento no número de leitos de emergência, de observação adulto e pediatria. Além disso, ressalta: “com os equipamentos e estrutura física, conseguiremos atender mais pacientes, com qualidade e dentro do tempo preconizado

Mutirão faz Itapevi ter menor número de casos de dengue na Região Oeste

Graças aos esforços da Prefeitura para combater o mosquito Aedes Aegypti e à colaboração de toda a população, Itapevi teve apenas um caso confirmado de dengue em 2019. 

Isso faz de Itapevi a cidade da Região Oeste com a menor incidência da doença neste ano, ao lado de Jandira e Pirapora do Bom Jesus, ambas com um caso confirmado cada.

Os dados, que englobam do início do ano até o dia 21 de março, são do Centro de Vigilância Epidemiológica da Secretaria Estadual da Saúde.

Para efeito de comparação, os municípios de Barueri e Santana do Paranaíba tiveram 4 casos confirmados cada, enquanto Cotia teve 6 e Osasco, 21. Já a cidade de Carapicuíba registrou o maior número da região: 25 confirmações.

Além disso, o caso registrado em Itapevi foi contraído fora da cidade, sinal de que o trabalho preventivo da administração municipal tem dado resultado. 

“Esses dados mostram que os mutirões contra a dengue, somados à colaboração expressiva de todos os itapevienses, estão funcionando”, diz o prefeito Igor Soares. “Itapevi se antecipou ao Aedes Aegypti para proteger a população”, afirma.

Não houve alta na incidência da doença em Itapevi em relação a 2018, quando também houve apenas um caso confirmado no mesmo período. 

Brasil

A situação é bem diferente quando se leva em conta os dados do Estado de São Paulo e do Brasil. 

Em todo o país, o número de casos de dengue teve aumento de 264,1%, que passaram de 62,9 mil nas primeiras 11 semanas de 2018 para 229.064 no mesmo período deste ano (até 16 de março). 

A incidência, que considera a proporção de casos em relação ao número de habitantes, tem taxa de 109,9 casos/100 mil habitantes até 16 de março deste ano. O número de óbitos pela doença também teve aumento, de 67%, sendo grande parte no estado de São Paulo.

Mutirões

Realizados pelo Departamento de Controle de Vetores da Prefeitura, os mutirões já visitaram 6.740 residências em toda a cidade. 

O próximo mutirão acontecerá na Cohab, no sábado (30). Eles serão realizados aos sábados em diferentes bairros do município até o dia 27 de abril.

Neste ano, eles já foram realizados nos bairros Jardim Santa Rita, Vila Santa Rita, Jardim Rainha, Chácara Vitápolis, Cardoso, Jardim São Carlos, Briquet, Santa Cecília e Colinas de Itapevi.

Ao todo, as equipes colocaram telas para proteger caixas d’água em 725 imóveis.  Em 59 residências, foram encontradas larvas do mosquito – que foram eliminadas. Além disso, cerca de 88 toneladas de entulho foram retiradas da cidade.

Realizados em todos os verões desde 2017, os mutirões reúnem equipes da Prefeitura para eliminar focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, assim como conscientizar a população sobre a importância de enfrentar de modo permanente o Aedes Aegypti.

Prefeitura de Osasco lançará esté mês concurso para as áreas operacional, administrativa e da saúde

Concurseiros que buscam oportunidade de emprego no serviço público já podem começar a se preparar. A Prefeitura de Osasco lançará em abril concurso para as áreas operacional, administrativa e da Saúde. O edital sairá em breve. As inscrições deverão ser feitas no site da Vunesp (www.vunesp.com.br), organizadora do concurso.

As vagas são para os seguintes  cargos:

agente de defesa Civil (1ª classe)

auxiliar de necropsia

auxiliar de cuidador social

assistente social

cuidador social

educador social

enfermeiro generalista

enfermeiro obstetra

enfermeiro sanitarista

enfermeiro do trabalho

farmacêutico

fisioterapeuta

fonoaudiólogo

médico do trabalho

médico veterinário

motorista de transportes leves

motorista de transportes pesados

oficial administrativo

psicólogo

técnico de enfermagem

técnico de enfermagem do trabalho

técnico de segurana do trabalho  

zelador de espaço esportivo.

Educação

Outro concurso lançado pela Prefeitura que também será realizado pela Vunesp, com inscrições até 10/04, tem vagas para os seguintes cargos: professor adjunto de educação básica I (400 vagas), professor de desenvolvimento infantil I (300), professor de educação básica II (deficiência auditiva) (2), professor adjunto de educação básica II (deficiência mental) (5), professor adjunto de educação básica II (deficiência visual) (2), professor adjunto de educação básica II (educação artística) (5), professor adjunto de educação básica II (educação física) (5) e professor adjunto de educação básica II (inglês) (5).

Os salários oferecidos para os cargos acima citados na área da Educação são de acordo com a carga horária e exigências para o cargo, podendo variar entre R$ 1.496,40 e R$ 2.455,84. A prova objetiva para todos os cargos está prevista para o dia19/5, no período da manhã. O edital completo pode ser consultado na Imprensa Oficial, disponível no portal: www.osasco.sp.gov.br na edição de 15/2/2019, a partir da página 28.

Centro de Hemodiálise de Barueri passa de 60 atendimentos para mais de 200 por dia

Falta pouco para que o novo Centro de Hemodiálise de Barueri seja entregue à população, atendendo a uma demanda muito importante da Secretaria de Saúde. O equipamento começa a funcionar nos próximos dias. Com a ampliação empreendida pela Prefeitura, o Centro de Hemodiálise Dra. Sandra Vicenza Sarno passará de 60 procedimentos diários para 210.

Antes da reforma o local, que fica em um anexo do Hospital Municipal de Barueri (HMB), possuía 24 cadeiras para hemodiálise: 20 no anexo, duas na UTI e duas de uso exclusivo para pacientes com hepatite. Agora serão 68 cadeiras ao todo com a chegada de mais 44. Cada estação tem capacidade para três sessões de diálise por dia.

O número é mais do que suficiente para que munícipes não precisem mais sair da cidade para receber o tratamento. “Eu não conheço no Brasil um centro de hemodiálise desse tamanho, com quase 70 cadeiras”, frisa o secretário de Saúde de Barueri, Dionisio Alvarez Mateos Filho.

Estrutura

O prédio adaptado mede 1.241 metros quadrados e conta com três andares: o térreo, onde ficam os equipamentos, e a área administrativa distribuída nos dois andares superiores. A unidade de hemodiálise terá 62 leitos no saguão principal, onde também ficará a enfermagem. Os demais leitos ficarão em sala contígua, na UTI e em área reservada para hepatite.

Conheça a importância do teste da orelhinha

Logo após o nascimento do bebê, ainda na maternidade, a realização do Teste da Orelhinha faz toda a diferença para o diagnóstico precoce de alterações auditivas no recém-nascido. O teste é simples, rápido e indolor.

De acordo com a fonoaudióloga Joice Sales, que atua na Maternidade do Hospital São Francisco, o Teste da Orelhinha ou Triagem Auditiva Neonatal é feita com o auxílio de um aparelho que emite sons leves e detecta e avalia a resposta dos estímulos sonoros.

Não é um exame invasivo, dura cinco minutos e geralmente o bebê está dormindo. O exame pode ser repetido dentro do prazo de 30 dias em outras clínicas ou pelo Sistema Único de Saúde”, explica a especialista, que recomenda que o teste seja feito no segundo ou terceiro dia de vida do bebê. “Depois da alta hospitalar, aos bebês que não tiveram alterações no exame, recomenda-se repeti-lo dentro do prazo de 30 dias”.

Grupo de risco

Os bebês com maior índice de alteração auditiva  são aqueles que se enquadram no perfil de prematuros; que tiveram o diagnóstico de infecções como rubéola ou que precisaram ficar internados; sofreram complicações no parto que comprometem a oxigenação; e aqueles com doenças neurológicas.

O primeiro sinal de alerta

A perda de audição tem vários graus, portanto, é importante que os pais fiquem atentos aos sinais.

Os pais acreditam que o fato de chamar a criança e ela atender significa que ela não teve perda de audição. Essa afirmação não é verdadeira porque existem diferentes graus de perda. Os casos de crianças de dois anos de idade que não desenvolveram a fala estão ligados diretamente à questão da audição”, alerta Joice.

A especialista orienta os pais a darem atenção para os casos de crianças que ficam doentes com frequência, acometidos por resfriados ou inflamações de ouvido, já que isso pode causar uma perda de audição transitória devido a presença de secreções que podem obstruir o  canal auditivo. “Essas crianças também devem receber o acompanhamento, porque tudo isso tem impacto no desenvolvimento da fala e, futuramente, na alfabetização”.

Lei Federal

O teste da Orelhinha está previsto na Legislação Federal desde 2010, que tornou sua realização obrigatória e gratuita nas maternidades.

Sobre o Hospital e Maternidade São Francisco

Inaugurado em agosto de 2017, o atendimento em obstetrícia do Hospital São Francisco dispõe de uma estrutura completa. Suas instalações abrangem leitos para internações, centros cirúrgicos de oito salas e com equipamentos de última geração, UTI adulto e neonatal, pronto atendimento, ambulatório ginecológico e obstétrico, exames de ultrassonografia e de cardiotocografia – que avalia a vitalidade fetal do bebê com precisão –, laboratórios de análises clínicas e patológicas, além dos importantes testes do Pezinho e da Orelhinha.

Saiba mais pelo telefone (11) 4615-6677. Você também pode fazer uma visita ao Hospital e Maternidade São Francisco, que fica na avenida Professor José Pedroso, 701 – Cotia – SP.


Fonoaudióloga Joice Sales que atua no Hospital São Francisco