Saúde

Além da estética: cirurgia plástica reconstrutiva proporciona mudança de vida

Não é apenas uma questão de vaidade, a cirurgia plástica reconstrutiva auxilia no resgate da autoestima de pessoas que passaram por traumas, desde acidentes no trânsito a queimaduras graves. Isso é o que afirma é o médico especialista em cirurgia plástica, Rummenning Albuquerque, que acumula anos de experiência na área e passou a atuar no Hospital São Francisco, em Cotia.

A especialidade veio complementar as demandas da região a pacientes que sofreram lesões na pele consequentes de traumas ou após recuperação de cânceres como o de pele ou de mama, por exemplo.

“O cirurgião plástico consegue focar na queixa apresentada pelo paciente e avaliar a  viabilidade da cirurgia, levando em consideração fatores orgânicos e tratar o paciente para melhorar a sua autoestima”, declara Albuquerque.  

Queimaduras

Para o atendimento da pessoa que sofreu queimaduras segue-se um padrão. Nas primeiras horas esse paciente é avaliado quanto ao grau da queimadura, sua extensão  e o grau de comprometimento orgânico desse paciente.

“No caso de queimadura de segundo grau profunda ou terceiro grau, o corpo não tem a regeneração. É nesse momento que o cirurgião plástico tem atuação mais veemente. O paciente passa pelo processo de debridamento (remoção de tecidos desvitalizados)  e recebe o enxerto de pele. O doente é cuidado em um todo”, explica.

Traumas e acidentes

Em casos de traumas físicos, dentre os mais comuns estão acidentes automobilísticos, que atingem principalmente os membros inferiores e que podem comprometer a pele.

“Em alguns traumas pós acidentes, às vezes não é possível fazer o fechamento primário da pele e tem estruturas nobres expostas, e para esse caso é preciso fazer a cirurgia plástica”, diz o cirurgião.

Reconstrução cirúrgica pós câncer de pele

O cirurgião plástico em conjunto com o dermatologista pode fazer o diagnóstico e tratamento de retirada de tumores iniciais na pele.

“Qualquer mancha que venha a aparecer na pele e que começou a sangrar, coçar ou pequenas lesões que não cicatrizam, e que são áreas expostas ao sol, são suspeitas de câncer de pele. Para esses casos, após constatação diagnóstica,  o cirurgião plástico faz a retirada da lesão e a reconstrução da pele em uma única cirurgia”, indica.

Reconstrução cirúrgica pós mastectomia

Depois do câncer de  pele, o de mama é o tumor mais comum no Brasil. Segundo Dr  Rummening, a reconstrução depende de fatores como o tamanho e a localização do tumor na mama.

“Às vezes não se retira a mama inteira e nesses casos também é possível fazer uma cirurgia plástica estética já no intraoperatório”.

O médico explica também que para os casos onde há a retirada completa da mama pelo mastologista, após finalizar o procedimento o cirurgião plástico entra em cena para realizar a reconstrução mamária.

“Esse procedimento não preserva a glândula mamária e é feita a reconstrução através de retalhos de pele”.

Em relação a adenomastectomia, operação na qual não se retira  a mama inteira, é possível realizar a reconstrução com implantes mamários .

De acordo com o especialista, o procedimento de mastectomia radical, na maioria dos casos exige o cumprimeto de três etapas: a reconstituição do volume com tecido do paciente ou com prótese; a simetrização das mamas e, por último, a reconstrução da auréola, procedimento feito através de enxerto ou micropigmentação.

Para o especialista, a cirurgia plástica permite “trazer mais qualidade de vida e autoestima para o paciente e possibilita aproximar a reconstrução do mais natural possível”.

Quer saber mais? Agende a sua com consulta pelo telefone (11) 4615-6677. O Hospital São Francisco é acreditado pela ONA – Organização Nacional de Acreditação -, entidade que certifica os melhores hospitais do Brasil. A unidade fica na avenida Professor Manoel José Pedroso, 701 – Cotia.

Com mutirão de consultas aos sábados, Carapicuíba tira mais de 1,5 mil pacientes da fila de espera

5Além das melhorias nos equipamentos de saúde, a Prefeitura também trabalha no atendimento ágil à população. Nos últimos dois sábados, 16 e 23 de fevereiro, as Unidades Básicas de Saúde (UBS) Vila Menck, Central e Jardim Ana Estela atenderam mais de 1,5 mil pacientes que aguardavam consultas de pediatria, clínico geral e ginecologia.
Os mutirões também oferecem vacinação contra a febre amarela e continuam nos próximos sábados de março, a partir do dia 9, nas UBS’s com demanda de agendamentos reprimida. O objetivo é diminuir a fila de espera por consultas, intensificada pela transição de profissionais do programa ‘Mais Médicos’.
“Desde o início da nossa gestão temos trabalhado incansavelmente por melhorias na área da saúde. Sei que ainda há muitos desafios pela frente, mas ações como os mutirões, as reformas da unidades e equipamento como a Policlínica contribuem para uma saúde melhor”, afirma o prefeito Marcos Neves.
Para garantir a efetividade dos mutirões, é importante que os pacientes mantenham o contato atualizado na Unidade Básica de Saúde.

Construindo a saúde que sonhamos
O governo municipal vem realizando diversas ações para diminuir o tempo de espera por consultas e exames, como o programa ‘Avança Saúde’ que por meio de clínicas privadas, já tirou mais de 30 mil pessoas da espera por 10 tipos de ultrassonografias e consultas oftalmológicas.
Outra importante iniciativa foi a informatização do fluxo de agendamentos, que era realizado através de malotes. A Central de Regulação de Vagas (setor de agendamento) passou a receber as guias de consultas e exames em sistema computadorizado, garantindo agilidade no serviço e melhor controle dos encaminhamentos.

Câmara Municipal de Barueri promove palestra sobre doação de sangue e medula óssea

Para marcar o Dia Mundial do Doador de Sangue, Ministério da Saúde lança campanha de doação de sangue, no Hemocentro de Brasília

Para esclarecer e alertar sobre a necessidade da doação de sangue, a Câmara Municipal de Barueri promove na quarta-feira, 27, a palestra “A Importância da Doação de Sangue e Medula Óssea”. O evento será ministrado por Kátia Pedroso, psicanalista clínica e profissional de saúde mental da Casa. O evento será aberto ao público, no plenário Dr. Diógenes Ribeiro de Lima (plenarinho), a partir das 15h.

A especialista falará sobre o processo da doação de sangue e esclarecerá dúvidas. O objetivo é levar ao conhecimento da população informações importantes, como o fato de que uma única bolsa de sangue pode salvar até quatro vidas.

A Prefeitura de Barueri, em parceria com a Fundação Pró-Sangue Hemocentro de São Paulo, mantém um posto de coleta de sangue no Hospital Municipal Dr. Francisco Moran. O município é um dos grandes captadores de doações do estado de São Paulo e responde por cerca de 10% da coleta. Em um mês, são armazenadas em média cerca de mil bolsas de sangue.

A palestra é gratuita para os servidores da Câmara e toda comunidade interessada. Não é necessário realizar inscrição, basta comparecer ao evento.

Quem pode doar?
Doar sangue, além de ser um processo simples, seguro e rápido, é um gesto de solidariedade e amor ao próximo. Se você já é doador de sangue ou gostaria de ser, não deixe de ir ao banco de sangue e contribuir.

Estão aptas à doação pessoas com idades entre 16 e 67 anos (menores de 18 anos necessário autorização); com peso mínimo de 50kg e boas condições de saúde. Não estar resfriado, não ter feito tatuagem nos últimos 12 meses; não ter ingerido bebidas alcoólicas nas 24 horas que antecedem a doação. Mulheres grávidas ou amamentando e pessoas com algum tipo de doença infectocontagiosa não podem doar. 

Homens podem realizar até quatro doações por ano, já que o intervalo entre elas é de 60 dias. E as mulheres até três doações, com intervalo de 90 dias.

Os interessados devem procurar o posto de coleta localizado no Hospital Municipal Dr. Francisco Moran, na rua Ângela Mirella, 354, bairro Boa Vista. Basta levar documento original com foto, emitido por órgão oficial. O posto funciona de segunda à sexta-feira das 8h às 16h.

Serviço
Palestra “A importância da doação de sangue e medula óssea”
27 de fevereiro (quarta-feira), às 15h
Câmara Municipal de Barueri
Plenário Dr. Diógenes Ribeiro de Lima (plenarinho)
Al. Wagih Salles Nemer, 200 – Barueri-SP
Informações: (11) 4199-7962

*Com informações da Fundação Pró-Sangue Hemocentro de São Paulo

Cirurgia por vídeo auxilia na rápida recuperação do paciente

Cortes mínimos e rápida recuperação, essas são algumas das vantagens da videolaparoscopia: técnica minimamente invasiva  conhecida também como cirurgia por vídeo. O método faz parte da rotina do Hospital São Francisco, oferece menos riscos ao paciente e reduz o tempo de internação.

Segundo a cirurgiã geral do Hospital São Francisco, Maija Ramos Pereira, um gás carbônico é insuflado na cavidade abdominal e, através de tubos, os instrumentos são introduzidos em pequenos furos para a realização do procedimento. Com o auxílio de uma endocâmera, o médico consegue controlar a cirurgia por vídeo.

“Para poder visualizar por dentro da cavidade abdominal, nós fazemos incisões de cinco a 14 milímetros, onde são introduzidos trocaters que funcionam como portais de conexão por meio externo para a cavidade intra-abdominal”, explica a cirurgiã.

Mais segurança ao paciente

A especialista também destaca que as técnicas minimamente invasivas têm respaldo protocolar da Cirurgia Segura, com a utilização de materiais descartáveis e rastreabilidade de instrumentos. Passos estes importantes, que reduzem as taxas de infecções pós-operatórias.

As taxas de infecção são baixíssimas. O hospital realiza os exames pré-operatórios no mesmo dia da cirurgia e, geralmente, em 24 horas o paciente está de alta”.

O método é aplicado em vários processos cirúrgicos, sendo eles eletivos ou emergenciais, como é o caso da retirada de vesícula,  das cirurgias de apêndice, de cistos de ovário ou cistos de ovário hemorrágico, das cirurgias de intestino e até algumas ressecções de tumores iniciais.

Maija afirma ainda que o método minimamente invasivo conta com o aporte hospitalar de diagnósticos de imagem de ponta e de profissionais dedicados em garantir rápida recuperação do paciente em todos os sentidos.

“Por causa da investigação, conseguimos diagnósticos precoces. Toda a equipe médica do hospital São Francisco dá total atenção ao paciente e não ignora qualquer tipo de sintoma”, garante a médica. E defende: “o trabalho não é só técnico, a empatia é fundamental”.

O Hospital São Francisco é acreditado pela ONA – Organização Nacional de Acreditação -, entidade que certifica os melhores hospitais do Brasil. A unidade fica na avenida Professor Manoel José Pedroso, 701 – Cotia. Mais informações pelo telefone (11) 4615-6677.


Médica cirurgiã, Maija Ramos que realiza cirurgias por vídeo

Sorriso Móvel realiza 35,7 mil atendimentos da rede de ensino de Itapevi

Deste total, 632 crianças foram encaminhadas para atendimento especializado e 71 passaram por cirurgia

O Sorriso Móvel, programa criado pela Prefeitura de Itapevi, realizou 35.760 atendimentos odontológicos em alunos matriculados na rede pública de ensino, em 2018. Deste total, 26.524 crianças foram atendidas na rede municipal e 9.236 estudantes na rede estadual.

Os alunos foram atendidos na unidade móvel odontológica, que percorreu as escolas durante o período letivo, e passaram por serviços de limpeza e curativos em pequenas cáries e também receberam orientações sobre higiene bucal, escovação e alimentação saudável.

Foram encaminhadas para atendimento nas unidades básicas de saúde 632 crianças que precisaram de atendimento especializado. Destes casos, 71 crianças passaram por cirurgia de freio labial e lingual, que afetam muitas vezes a fala, comprometendo a dicção e o aprendizado.  As cirurgias foram realizadas no Centro de Reabilitação de Itapevi, na Cohab.

Criado em junho de 2017, o programa atendeu, naquele ano, cerca de 18 mil crianças das escolas da rede municipal de ensino. Em maio do ano seguinte, o atendimento foi ampliado para atender os alunos dos 6º e 7º anos matriculados na rede estadual de ensino.

Sorriso Especial

Em março de 2018, a Prefeitura inaugurou o Sorriso Especial, exclusivo para pessoas com deficiência, no Centro de Reabilitação de Itapevi (Avenida Pedro Paulino, 1180 – Cohab II). Em nove meses de funcionamento, a unidade atendeu 867 consultas agendadas, realizou 378 restaurações em dentes cariados e 198 limpezas com raspagem. A unidade foi responsável ainda por 241 cirurgias de extrações dentárias.

Sorriso Mulher

No mesmo ano, a Prefeitura também lançou o Sorriso Mulher, serviço de saúde preventiva que funciona no Centro de Referência da Mulher (av. José Michelotti, 194, Cidade Saúde) e prioriza o atendimento de gestantes, bebês de 0 a 4 anos e mulheres vítimas de violência. O espaço realiza ainda exames pré-natais odontológicos. Desde o início das suas atividades, a unidade atendeu 268 mulheres e crianças e realizou 899 procedimentos. 

Equipe da Saúde realiza ação de conscientização para o Carnaval

Muita gente já está se programando para o Carnaval 2019, inclusive a equipe do Programa IST / Aids e Hepatites Virais (HV) da Secretaria de Saúde de Barueri. Em parceria com a equipe de Saúde Mental e a Secretaria dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SDPD), os profissionais realizarão a “Campanha de Carnaval Fique Sabendo 2019”, fazendo testes rápidos de HIV e sífilis, prestando orientações e distribuindo preservativos.

O intuito principal é conscientizar as pessoas sobre os perigos de manter relações sexuais sem proteção, bem como inibir o uso de álcool e outras drogas, especialmente nessa época do ano, quando, em nome da folia, muitos cometem excessos.

O resultado do teste rápido é revelado em apenas 15 minutos. Gratuito, confiável e sigiloso, ele é indicado a pessoas sexualmente ativas que: tiveram qualquer tipo de relação (oral, anal ou vaginal) sem proteção; têm ou tiveram tuberculose e hepatites; já tiveram ou desconfiam ter tido alguma DST (doença sexualmente transmissível); compartilharam seringas ou agulhas; ou que estejam grávidas.

Os diagnósticos positivos que porventura surgirem serão prontamente encaminhados para a rede de saúde, que oferece tratamento completo e gratuito. A ação, no entanto, é preventiva.

Onde e quando

Na terça-feira (dia 26), a equipe estará na Feira Noturna de Barueri, das 17 às 22h. Já na sexta-feira (dia 1º de março), estarão no bulevar central, das 9 às 13h.

Todos estão convidados para visitar a tenda, bater um papo com os profissionais e tirar todas as dúvidas.

Sete exames pré-operatórios para cuidar da próstata aumentada

Segundo uma pesquisa feita pela Sociedade Brasileira de Urologia, 50% dos homens que procuram urologistas, fizeram isso apenas porque as namoradas ou esposas fizeram pressão.  Boa parte do problema é uma questão de cultura.

A avaliação pelo urologista antes e após a Embolização das Artérias da Próstata (EAP) é obrigatória. O urologista é o especialista que sempre irá lhe acompanhar com relação às enfermidades urogenitais. De acordo com a Resolução do Conselho Federal de Medicina, não se deve realizar esse procedimento sem uma prévia avaliação e indicação pelo urologista.

O médico fará o toque retal e exame clínico geral. De acordo com o Parecer/Resolução do Conselho Federal de Medicina, os exames complementares a serem solicitados são:

1.       Toque Retal;

2.       Exames Clínicos;

3.       Teste de PSA (mede uma proteína chamada antigênico específico da próstata no sangue;

4.       Exame de sangue e urina de rotina pré-operatória;

5.       Estudo Urodinâmico para uma avaliação funcional da bexiga;

6.       Ultrassonografia;

7.       Ressonância magnética da próstata.

Prof.  Dr. Francisco Cesar Carnevale – médico do CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa – autoridade médica referência nacional e internacional em Radiologia Intervencionista, Angiorradiologia e Cirurgia Endovascular. Sua principal linha de pesquisa está focada no tratamento de pacientes com sintomas do trato urinário inferior associados ao crescimento da próstata pela Hiperplasia Prostática Benigna (HPB). Pioneiro a publicar na literatura científica mundial, a técnica de Embolização das Artérias da Próstata (EAP) dentro do Hospital das Clínicas da FMUSP, sob a supervisão dos professores Miguel Srougi e Giovanni Guido Cerri.  É diretor de Radiologia Vascular Intervencionista do Instituto de Radiologia (InRad-HCFMUSP), do Instituto do Coração (InCor-HCFMUSP) e do Hospital Sírio Libanês, em São Paulo (SP). É responsável pelas disciplinas de Graduação e Pós-graduação na área de Radiologia Intervencionista da Faculdade de Medicina da USP (FMUSP).

CRIEP – Carnevale Radiologia Intervencionista Ensino e Pesquisa – centro médico e de pesquisas que é referência nacional e internacional nas áreas de Radiologia Intervencionista e Cirurgia Endovascular, especialidades voltadas ao tratamento minimamente invasivo de doenças com o auxílio de métodos de imagem. Desde 1997, por meio de uma equipe de médicos da Universidade de São Paulo (USP) formada pelo Prof. Dr. Francisco Cesar Carnevale, Dr. Airton Mota Moreira e Dr. André Moreira de Assis, o CRIEP oferece, aos pacientes, uma série de tratamentos por meio de técnicas e equipamentos tecnológicos mais avançados. Site: http://www.criep.com.br

Tratamento para torção de pé

Muitos atletas já viraram o pé durante uma prova, treino ou jogo de futebol com os amigos. Uma entorse do tornozelo refere-se à lesão que acomete os ligamentos do tornozelo. A mais comum ocorre na parte lateral ou externa. É extremamente comum e afeta muitas pessoas durante vários tipos de atividade. Pode acontecer concomitante à uma fratura do tornozelo (ou seja, quando os ossos do tornozelo também quebram).

Os pacientes relatam muita dor após a torção de tornozelo. Isso geralmente ocorre por causa de uma lesão em inversão, o que significa que o pé torceu sobre o tornozelo. Ela acontece durante a prática desportiva, devido às mudanças bruscas de direção ou quando o pé fica preso e o corpo gira. Os pacientes se queixam de dor na parte externa do tornozelo com vários graus de inchaço e sangramento sob a pele (isto é, hematomas). 

Tecnicamente, este ferimento é referido como equimoses. Dependendo da gravidade da entorse, uma pessoa pode ou não ser capaz de colocar peso sobre o pé.

Quais são os fatores de risco para uma entorse de tornozelo?
Estas lesões ocorrem quando o tornozelo é torcido por baixo da perna, chamado inversão. Os fatores de risco são aquelas atividades, tais como basquete, vôlei, futebol e esportes com salto, em que um atleta pode descer e virar o tornozelo ou o passo no pé de um adversário.

Algumas pessoas estão predispostas a entorse de tornozelo. Em pessoas com um varo do retropé, o que significa que a natureza geral ou a postura dos saltos é ligeiramente voltada para fora, estas lesões são mais comuns também nas pessoas que tendem a ter instabilidade lateral ou frouxidão ligamentar.

Atletas que tiveram uma entorse grave no passado ou mal cicatrizada também têm maior chance de causar uma nova entorse. Portanto, um dos fatores de risco de torcer o tornozelo está em ter instabilidade crônica. 

Aqueles que têm músculos fracos, especialmente os chamados de supinadores, que correm ao longo do lado de fora do tornozelo, pode ser mais predispostos. Entorse pode causar uma lesão grave, estiramento ou laceração de tecidos moles como cápsula articular, ligamentos, tendões ou músculos. Porém, esse termo (entorse) é freqüentemente usado em referência específica à lesão de um ligamento.

As pessoas cujos tornozelos torcem com facilidade podem evitar as lesões subsequentes utilizando aparelhos ortopédicos, meias elásticas para os tornozelos e colocando dispositivos no calçado para estabilizar o pé e o tornozelo, como os estabilizadores com velcro ou tapes. Além disso, devem fazer fisioterapia para restabelecer o movimento, fortalecer os músculos que agem no tornozelo e melhorar o equilíbrio através de exercícios de propriocepção, treinos em terrenos irregulares (com supervisão de um profissional da área).

O prazo de recuperação depende da gravidade da entorse. Os ligamentos têm a vascularização regular e cicatrizam lentamente. O reparo é feito por tecido fibroso e colágeno. O prazo é: 
Grau I – uma a duas semanas de crioterapia (gelo), mais compressão, elevação, mais fortalecimento muscular e propriocepção (fisioterapia); Grau II – imobilização de três a quatro semanas. Após faz-se: crioterapia, mais fortalecimento muscular e propriocepção; e Grau III – cirúrgico com recuperação de oito a 12 semanas.

A cirurgia não é necessária na maioria dos casos. Mesmo em entorses graves, esses ligamentos vão curar sem cirurgia. O grau da lesão é que irá ditar o tratamento. Talvez, mais importante é a capacidade do paciente para suportar o peso. Aqueles que podem suportar o peso mesmo após a lesão são susceptíveis de voltar muito rapidamente para jogar e praticar esportes, desde que fiquem estáveis. Aqueles que não podem andar necessitam de imobilização e provavelmente fortalecimento através de fisioterapia.

Em geral, o tratamento nas primeiras 48 a 72 h consiste em descansar o tornozelo, gelo de 20 minutos a cada duas a três horas, compressão, imobilização e elevação. O que significa que o posicionamento da perna e do tornozelo para que os dedos estão acima do nível do nariz do paciente. Aqueles pacientes que não podem suportar o peso são melhor tratados em uma bota removível até que eles possam pisar confortavelmente.

A fisioterapia é um dos pilares. Os pacientes devem aprender a fortalecer os músculos ao redor do tornozelo, particularmente os fibulares. A cirurgia é raramente indicada, mas podem ser necessárias num paciente que tenha danos na cartilagem ou outras lesões relacionadas. Ligamentos só são reparados ou reforçados em casos de instabilidade crônica na qual os ligamentos não cicatrizaram e/ou permanece a dor após tentativa de tratamento conservador.

Bons treinos!

Ana Paula Simões é Professora Instrutora da Irmandade da Santa Casa de Misericórdia de São Paulo e Mestre em Medicina, Ortopedia e Traumatologia e Especialista em Medicina e Cirurgia do Pé e Tornozelo pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo. É Membro titular da Sociedade Brasileira de Ortopedia e Traumatologia; da Associação Brasileira de Medicina e Cirurgia do Tornozelo e Pé, da Sociedade Brasileira de Artroscopia e Traumatologia do Esporte; e da Sociedade Brasileira de Medicina do Esporte. 

Grupo Hospitalar São Francisco é referência em alta tecnologia

Manter a excelência nos cuidados de saúde requer um olhar inovador e dinâmico, sempre com o foco no paciente. É nisso que o Grupo São Francisco de Hospitais acredita, pois investe fortemente em tecnologia ao aliar-se com empresas que são líderes de mercado no segmento de diagnósticos por imagem.

Nos últimos anos, o conceito da marca Canon Medical Systems está presente no Hospital São Francisco, unidade de Cotia, dispondo de equipamentos de medicina diagnóstica, acaba de se instalar também em outra unidade do Grupo,  o Hospital Sagrada Família, localizado na zona Leste de São Paulo.

Ambos os hospitais detêm de tecnologia de ponta com o objetivo de promover precisão para tomadas de decisões médicas, além de otimizar o tempo de atendimento ao paciente.

Além da excelência em qualidade de imagem para um diagnóstico rápido e preciso, os equipamentos da Canon prezam pelo conforto do paciente”, explica Rafael Conteli, consultor da Canon Medical Systems.

Hemodinâmica

O serviço de Hemodinâmica é um dos diferenciais da medicina diagnóstica do Grupo. Com sala híbrida o equipamento possui mesa com inclinação, única com recursos avançados para diagnóstico e tratamento ligado à Neurorradiologia e doenças Cardiovasculares complexas,  oferecendo uma ampla gama de aplicações clínicas, permitindo reconstruções em 3D.

No estado, além da unidade de Cotia, apenas o Hospital de Clínicas da Unicamp dispõe desse tipo de tecnologia.

Ressonância Magnética

Pensando no conforto do paciente o equipamento modelo Vantage XGV 1.5T, possui tecnologia Pianíssimo, que oferece uma leitura silenciosa durante a realização de exames, reduzindo em até 90% o ruído gerado pela Ressonância. Outro diferencial é que o modelo possui a maior abertura de bore (espaço onde o paciente fica posicionado para fazer o exame) de seu segmento, que  traz mais conforto a quem sofre com claustrofobia.

Tomografia computadorizada

Tomógrafo de 16 cortes modelo Alexion Advance, proporciona altíssima produtividade com exames extremamente rápidos e precisos através de cortes de 0,5 milímetros. Utiliza o exclusivo sistema de redução de dose AIDR3D (Redução de Dose Adaptativa Interativa 3D).

A abertura do Gantry é de 72 centímetros, é o maior do mercado, oferecendo ao paciente conforto e facilidade de posicionamento.

O sistema tem a resolução de baixo contraste de 2 milímetros a 0,3%, e resolução de alto contraste de 0,35 milímetros, o que permite a visualização de pequenas estruturas com total segurança de diagnóstico.

Ultrassom

Equipamento híbrido,  com alta resolução em qualidade de imagem, o aparelho de Ultrassom atende todos os exames ginecológicos e morfológicos, além de deter tecnologia sofisticada para realização de ecocardiograma.

Fixamos essa parceria com a Canon porque é uma empresa que investe em pesquisa e desenvolvimento. Nosso grupo visa acompanhar esse mercado de inovação a favor da saúde. Existe o aumento da produtividade, mas sobretudo, nosso foco central é beneficiar o paciente, investindo em tecnologia de última geração, garantindo os melhores equipamentos para os melhores profissionais”, afirma o diretor clínico da unidade de Cotia, Flávio Ceballos.

Programa mundial doa remédio inovador para crianças com câncer no Brasil

Neste mês de fevereiro, pacientes brasileiros com uma alteração genética chamada de fusões de TRK (Quinase do Receptor de Tropomiosina)  terão a possibilidade de receber um medicamento inédito e de última geração: o Larotrectinib. A fórmula teve resultados surpreendentes e já está aprovada nos Estados Unidos de forma emergencial. Ela demonstrou resposta em 8 de 10 pacientes, chegando em alguns casos a desaparecer o câncer.

Aqui no Brasil, os comprimidos serão oferecidos pela empresa através do projeto de doação (uso compassivo). Por mês, o tratamento custa mais de R$ 110 mil, ou seja, quase R$1,4 mi por ano, caso seja importado. O custo deste será assumido pela empresa LOXO.

A fusão do gene TRK foi encontrada em 90% de câncer pediátrico como fibrossarcoma, nefroma e outros tumores mais raros em adultos. O médico oncologista de Itajaí, Giuliano S. Borges, explica que uma das diferenças desse tratamento é que independentemente do tipo de câncer do paciente, se ele tiver essa alteração, a medicação já é indicada. A identificação é feita por meio de teste na biópsia.

Se você conhece alguma criança com câncer, ou mesmo pessoas com tumores raros e que estejam dispostas a fazer o teste e identificar a presença desse gene para buscar tratamento, entre em contato pelo e-mail: julia@oncologiasc.com.br