Saúde

Prefeitura de Carapicuíba realiza campanha “Janeiro Roxo” contra a hanseníase

Este é o mês de conscientização e combate à hanseníase. Por isso, a Prefeitura de Carapicuíba realiza a campanha “Janeiro Roxo”. Com o tema “A Melhor Prevenção é a Informação”, a Secretaria de Saúde realiza palestras nas unidades do município para orientar a população sobre a doença de pele: hanseníase.

Apesar de ser uma das doenças mais antigas da humanidade, a hanseníase ainda traz dúvidas quanto aos sintomas, transmissão e tratamento. O Brasil ocupa a segunda posição do ranking mundial, entre os países que registram casos novos. 

Os principais sintomas da doença são manchas esbranquiçadas ou avermelhadas na pele; falta de sensibilidade; não sentir calor, frio ou dor no local; áreas com diminuição dos pelos e suor; dor e sensação de choque, formigamento, fisgadas e agulhadas ao longo dos nervos dos braços e das pernas; inchaço de mãos e pés; entre outros.

A hanseníase tem cura e deve ser diagnosticada o mais rápido possível. A doença é transmitida por meio das vias aéreas superiores (fala tosse, espirro). A transmissão se dá por meio de uma pessoa doente e sem tratamento. A hanseníase não passa por abraço, aperto de mão ou carinho.

Além das palestras nas unidades, a Secretaria de Saúde realiza pedágio na Estação Centro, levando informação da campanha “Janeiro Roxo” aos munícipes.

Confira a programação das palestras nas unidades de saúde

 Data Horário Unidade  Endereço
 14/01  14h Vila Menck Estr. das Acácias, 202 – Vila Menck
 17/01  10h Cohab II Av. do Bosque, 410 – Cohab II
 23/01  9h Jandaia R. Ercílio Lincoln, 8 – esquina com a Estr. do Gopiúva – Parque Jandaia
 25/01  11h Adauto Ribeiro Estr. da Guabiroba, 519 – Jd. Santo Estevão 
 25/01  14h Natércio Rua Bom Pastor, 115 – Jardim Capriotti 
 29/01  10h Vila Helena R. Vereador José Fernandes Filho, 78 B – Vila Helena 
 31/01              15h Ariston  Rua Dumont, 26 – Cidade Ariston

HMB promove roda de conversa sobre alimentação saudável para bebês


Na quinta-feira (dia 10), o Hospital Municipal de Barueri (HMB) organizou um encontro entre mães e nutricionistas para explorar a importância da alimentação nos primeiros meses de vida.

A iniciativa da Unidade de Alimentação de Nutrição (UAN), que ocorrerá uma vez por mês, visa orientar as mães sobre como cada fase da alimentação da criança deve ser desenvolvida.  Dicas simples de como estimular o bebê para mamar, preparo adequado das primeiras papinhas e introdução de hábitos saudáveis foram alguns temas abordados.

É sempre válido lembrar que não existe leite fraco. Cada mãe produz o que o seu bebê necessita”, explica a nutricionista Gislene Passos, que ressalta que não há alimentos milagrosos para aumentar a produção do leite, como canjica e cerveja preta, que, inclusive, não é recomendada principalmente por conter álcool.

Diante da dificuldade de amamentação e da própria produção de leite, as nutricionistas reforçaram que é preciso ter paciência e que não existem regras para a maternidade. A relação mãe-filho depende da adaptação e do desenvolvimento de ambos.  “O que é comprovado é que a produção de leite é estimulada com ingestão de água. A mãe deve beber, no mínimo, dois litros de água por dia, sendo que o ideal é três ou até mesmo quatro litros, além de alimentos hídricos, como melancia e gelatina”, destaca a nutricionista Ana Paula Messias, que incentivou a possibilidade de doação para o Banco de Leite do HMB, quando houver leite sobressalente.

As mães também foram orientadas sobre a introdução alimentar, realizada após os seis meses, que precisa ser feita de modo lento e gradual, com frutas amassadas e papas salgadas – primeiramente na forma pastosa até chegar à consistência da alimentação original da família. É importante lembrar que as refeições precisam ser preparadas sem temperos industrializados, excesso de sal, pimenta e gordura.

No encerramento da atividade, para exemplificar e estimular a prática, as mães participaram de um lanche da tarde com opções saudáveis, como chá de ervas, suco natural e salada de frutas.

Importância da amamentação

Com base na orientação do Ministério da Saúde, nos seis primeiros meses, é importante praticar a amamentação exclusiva e de livre demanda, que significa ofertar o leite quantas vezes e em quanto tempo o bebê quiser. Neste período não há necessidade de nenhum tipo de complemento, nem mesmo água ou chás, pois o leite materno é um alimento completo. A recomendação é que o leite seja oferecido até os dois anos de idade, mesmo após a inserção de novos alimentos.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP), os principais benefícios da amamentação são:  proteção contra alergias e infecções, fortalecimento de anticorpos e auxílio no desenvolvimento dos ossos e músculos da face, que contribui para fala,  respiração e dentição da criança. 

O Ministério da Saúde disponibiliza uma cartilha desenvolvida especificamente para a alimentação adequada dos bebês: Dez passos para uma alimentação saudável de crianças menores de dois anos, que pode ser baixada em: http://189.28.128.100/dab/docs/portaldab/publicacoes/dez_passos_para_familia.pdf.

Barueri mantém uma das menores taxas de mortalidade infantil

Das cidades paulistas com mais de 200 mil habitantes, Barueri está entre as cinco com a menor taxa de mortalidade infantil. O município detém o índice de 8,0 a cada mil nascidos vivos, ocupando o 5º lugar no ranking. Para se ter uma ideia, o Estado de São Paulo, que está entre os três com a menor taxa de mortalidade infantil, possui um índice de 10,7.

Os dados são de 2017, divulgados no final de 2018 pela Fundação Seade (Sistema Estadual de Análise de Dados). De acordo com o levantamento, Barueri, que possui uma população estimada em 257.525 habitantes, no ano de 2017 registrou 45 óbitos infantis dentre 5.602 nascimentos. Esses números vêm melhorando desde 2016, quando o índice foi de 8,1.

Ações integradas

O ótimo resultado não é obra do acaso. Desde 2001 Barueri mantém um programa de redução da mortalidade infantil por meio de ações como atenção integral à saúde materno-infantil, monitoramento dos indicadores de saúde da criança, manutenção do Comitê de Prevenção à Mortalidade Infantil e Materna, incentivo ao aleitamento materno, garantia da cobertura vacinal adequada e o estímulo ao pré-natal, incluindo também o pré-natal de alto risco.

A diretora da Saúde da Criança na Atenção Básica de Barueri, Vera Freire Gonçalves, corrobora essa afirmativa. “O que é marcante nesse índice que alcançamos é o fato dele refletir os cuidados desde a gestação até o parto. Lembrando que esse pré-natal engloba baixo risco e alto risco e mostra a qualidade da saúde de Barueri, que garante uma atenção integral à gestante e à criança”, diz a médica pediatra.

Os indicadores só não são ainda melhores porque somos referência para alta complexidade e alto risco na obstetrícia, o que nos leva a receber muitos recém-nascidos prematuros e com más-formações, maiores incidências na taxa de mortalidade infantil”, ressalta o secretário de Saúde Jorge Salomão.

Na cidade, a maior incidência está relacionada à mortalidade infantil neonatal precoce, que compreende de zero a seis dias de vida, causada geralmente por prematuridade, infecções congênitas, más-formações e doenças respiratórias próprias do período perinatal.

O secretário garante: a equipe de saúde não mede esforços para diminuir ainda mais as ocorrências. Para tanto, o pré-natal segue as normas do Programa de Humanização do Parto do Ministério da Saúde, é realizada busca ativa das gestantes no município para um acompanhamento correto, há oferta de pré-natal especializado para pacientes com HIV e também alto risco materno e fetal, visita domiciliar a crianças que passaram no Pronto-Socorro Infantil de Barueri, realização de exames especializados, uma equipe obstétrica treinada para o acompanhamento dos partos, bem como do binômio materno-fetal, dentre outras ações de atenção à mãe e ao bebê.

Cotia completa o quadro de profissionais do programa Mais Médicos

Nesta semana, a rede de saúde pública municipal de Cotia completou o quadro de médicos, do programa federal Mais Médicos. Isso porque, depois da baixa de profissionais cubanos, que deixaram os municípios brasileiros, em 2018, três, dos 11 médicos do programa que atendia na cidade, deixaram o município.

À época, o Ministério da Saúde, responsável pelo Mais Médicos, lançou um edital para contratação de outros profissionais para cobrir as vagas abertas em todo o País. “Felizmente, em Cotia só tínhamos três profissionais cubanos, então, mesmo com a saída deles, o impacto não foi grande”, disse Magno Sauter, titular da Saúde. “Três médicos brasileiros se inscreveram para atender em Cotia, já foram homologados e estão em atividade”, completou.

Os três médicos foram alocados exatamente nas Unidades do Programa Saúde da Família nos bairros Jardim Sandra, Turiguara e São Miguel.

Saída dos cubanos

Em novembro de 2018, o governo cubano anunciou que estava se desligando do programa social Mais Médicos, do Ministério da Saúde. Depois que o então presidenciável, Jair Bolsonaro, afirmou que exigiria revalidação dos diplomas dos médicos cubanos (como acontece com qualquer médico formado fora do Brasil que atenda no País), além mudança na forma de pagamento dos salários, já que parte dos honorários pagos pelo governo brasileiro não ia para os médicos, e sim para a Organização Pan-Americana de Saúde (Opas).

Os mais de 8.550 profissionais cubanos do programa se desligaram da rede de saúde em todo o Brasil. Em dezembro, o governo federal abriu um edital para adesão de médicos ao programa. Três brasileiros se inscreveram para atuação em Cotia, já foram homologados e estão em atividades. De acordo com o Ministério da Saúde, pouco mais de 842 vagas ainda estavam abertas, nesta quinta-feira (10/01).

Hospital São Francisco é referência em tratamentos ortopédicos

Composta por uma equipe altamente qualificada e com referências internacionais, o atendimento em ortopedia do Hospital São Francisco possui uma das melhores estruturas hospitalares de São Paulo, abrangendo todas as especialidades da área.

Com um centro cirúrgico completo e por uma equipe de seis médicos ortopedistas formados pela Unifesp (Universidade Federal de São Paulo), o grupo visa promover o melhor e mais completo suporte para os pacientes que sofrem com diversas patologias nos ossos, ligamentos, músculos e articulações, desde doenças degenerativas até traumas ou fraturas mais complexas.

É possível oferecer toda a retaguarda cirúrgica, já que dispomos de equipamentos de última geração”, afirma o médico ortopedista, traumatologista e especialista em Cirurgia do Joelho, Davi Casadio. Ele explica que “uma sala estruturada e ampla contribui para o sucesso no procedimento. Equipamentos de vídeo para cirurgias minimamente invasivas e radiografia no intraoperatório que auxiliam na obtenção do melhorar o resultado do procedimento cirúrgico para o paciente”.

Centro cirúrgico do HSF utiliza equipamentos de última geração

Cuidando de todas as gerações

Casadio ressalta a importância da ortopedia em todas as fases da vida, pois esses profissionais acompanham as patologias do desenvolvimento infantil, como por exemplo a reabilitação de crianças que se fraturam após acidentes domésticos. Já na vida jovem e adulta é comum a atenção às lesões ocasionadas por alguma atividade física mal elaborada e que interferem no dia a dia, ou a traumas relacionadas a acidentes de trânsito.

Fazemos de tudo para a rápida reabilitação do paciente. São pessoas que têm muito a contribuir com a sociedade e estão paradas. Como é o caso de um jovem que lesionou o joelho e precisa da reconstrução do Ligamento Cruzado Anterior (LCA). É uma das cirurgias na quais somos especialistas sendo bastante comum em atletas de futebol”, exemplifica.

Os idosos também contam com atendimento diferenciado no São Francisco, onde o uso da tecnologia favorece pacientes que precisam de uma prótese de joelho ou quadril.

A expectativa de vida aumentou, os nossas articulações sofrem o impacto negativo. Hoje,  com os avanços tecnológicos, é possível que uma artroplastia de joelho ou de quadril, isto é uma prótese, dure até 20 anos. Se temos um paciente com 70 anos de idade e com a expectativa de vida de 90, ele já conta com uma cirurgia para a vida toda”, conclui.

A equipe técnica de Ortopedia do Hospital é coordenada pelos médicos Gustavo Gonçalves Arliani e Diego Costa Astur, e conta com trabalho dos ortopedistas Davi Casadio, Gabriel Furlan Margato, João Victor Novaretti, Fábio Zego, Élcio Takeshi Matsumoto e Gabriel Taniguti Oliveira. Todos especialistas em Ortopedia, Traumatologia e Cirurgia do Joelho pela Unifesp.

Quer saber mais? Agende sua consulta pelo telefone (11) 4615-6677. O Hospital São Francisco é acreditado pela ONA – Organização Nacional de Acreditação -, entidade que certifica os melhores hospitais do Brasil. A unidade fica na avenida Professor Manoel José Pedroso, 701 – Cotia.

Davi Casadio é médico ortopedista formado pela Unifesp

HMB recomenda atenção redobrada com os olhos durante o verão

Usar bonés, chapéus e óculos escuros são medidas simples e eficazes

É comum nesta época do ano optar por roupas mais leves, abusar do filtro solar e até mesmo evitar a exposição direta nos horários de pico do sol. Mas, além de cuidar da pele você também lembra de proteger os olhos? Pensando nisso, o Hospital Municipal de Barueri (HMB) dá dicas para manter a saúde ocular nos dias mais quentes. 

Nesta estação, a busca pela refrescância é marcada principalmente pelo uso de piscinas e praias, só que até este tipo de diversão exige cuidados para os olhos. “A principal alteração ocular no verão é o olho seco, que acontece pela evaporação da lágrima, causada pelo calor excessivo e também pelos banhos de mar e piscina, que podem ressecar a superfície do olho”, esclarece Heloísa Nascimento, coordenadora de oftalmologia do HMB, que sugere usar colírios lubrificantes, com prescrição médica, para hidratação.

De acordo com a Sociedade Brasileira de Oftalmologia (SOB), existem algumas medidas fundamentais para manter os olhos saudáveis: lavar as mãos com frequência e não levá-las aos olhos; nunca coçar ou esfregar os olhos; manter os cílios e as pálpebras limpas; não compartilhar produtos de maquiagem; não dormir sem remover toda a maquiagem com produtos adequados; usar óculos de sol que cubram a região ao redor dos olhos; proteger-se do sol com chapéus e bonés; e higienizar bem e guardar corretamente as lentes em soluções adequadas.

Pessoas que usam lentes de contato precisam de mais cuidados ainda, já que há risco de contaminação por conta da manipulação direta nos olhos. “Nunca se deve usar lente em piscina ou é preciso optar por lentes de descarte diário em função das infecções relacionadas à água sem tratamento”, explica a oftalmologista, que alerta para o risco de ceratite por acanthamoeba, uma inflamação causada por protozoário proveniente da água que pode se alocar em lentes de contato.

Proteção além da estética

A SBO alerta para algumas precauções antes de comprar óculos escuros, como, por exemplo, atestar que as lentes contenham filtro solar e certificação do Inmetro (Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia), bem como uniformidade de reflexos, além de comprar em um lugar que ofereça garantia e assistência. Vale ressaltar a importância desse tipo de cuidado, pois a exposição ao sol pode causar o aparecimento precoce da catarata, degeneração macular relacionada à idade, doença que pode levar a cegueira, e pterígio, o espessamento da membrana que cobre o globo ocular.

Se mesmo com todos os cuidados surgir alguma irritação ou incômodo, é preciso procurar um especialista e, sobretudo, não se automedicar. “É importante estar atento a três sintomas principalmente: dor, piora da visão ou vermelhidão. Qualquer um desses sinais pode ser indício de que o olho não está saudável e por isso é fundamental passar com um oftalmologista”, destaca Heloísa.

Itapevi inicia mutirão de combate à dengue no sábado (12)

A Prefeitura de Itapevi inicia, neste sábado (12), das 8h às 14h, uma série de mutirões de combate à dengue. O primeiro bairro visitado será o Jardim Santa Rita. O objetivo da ação é eliminar focos do mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya, assim como conscientizar a população sobre a importância de enfrentar de modo permanente o Aedes Aegypti.

Os mutirões serão realizados todos os sábados em diferentes bairros do município até o dia 27 de abril. A iniciativa contará com agentes de Saúde e de Controle de Endemias em visita direta às residências. O serviço de Cata-Bagulho também será reforçado.

É importante que a população nos ajude abrindo suas casas para inspeção. Nossos técnicos são capacitados e estarão em mutirão para orientar e esclarecer dúvidas e não autuar”, argumenta a secretária de Saúde de Itapevi, Luiza Nasi.

De acordo com a coordenadora do Departamento de Controle de Vetores, Sirlei Mazzei, que está à frente do planejamento e organização dos mutirões, cada funcionário do setor é capaz de realizar a visita diária de 30 imóveis. “Pretendemos percorrer todo os bairros da cidade com o intuito de trabalhar preventivamente em relação aos casos e focos de dengue”, explica.

Desde 2017, a administração municipal também tem trabalhado para conscientizar a população sobre a importância de eliminar os focos do mosquito, realizando ações de rotina e mutirões nos bairros, distribuindo informativos e colocando banners e outdoors em pontos estratégicos da cidade

Aedes aegypti

Com hábitos diurnos, o mosquito se alimenta de sangue humano, sobretudo ao amanhecer e ao entardecer. A reprodução acontece em água limpa e parada, a partir da postura dos ovos pela fêmea em diversos criadouros.

Para combater o mosquito, é de extrema importância que a população atenda os agentes de endemias e abra as residências para vistorias de potenciais criadouros do vetor.

Vale destacar que o munícipe também deve contribuir com a redução da doença evitando recipientes com água parada através de medidas simples tais como: o lixo deve ser colocado no lixo, o descarte de copos e garrafas devem ser feitos em lixeiras, realizar periodicamente limpeza das calhas, tampar ralos e vasos sanitários.

Outras medidas são: verificar os materiais inservíveis, que devem ser colocados para coleta pública, tampar os tonéis e caixas d´água, manter o lixo em sacos bem fechados, deixar garrafas sempre viradas de boca para baixo, eliminar o prato de vasos de plantas ou usar prato justaposto, limpar com escova ou bucha os potes de água dos animais, retirar a água acumulada atrás da geladeira ou da máquina de lavar, telar e tampar caixas d’água e não deixar acumular água em lajes, uma vez que a maior proliferação de larvas são encontradas nestes reservatórios.

Confira as ruas do mutirão no Jardim Santa Rita

Rua Chile

Rua Edir Ajala de Oliveira

Rua San José

Rua Nicósia

Rua El Salvador

Rua Camboja

Rua Egito

Rua San Salvador

Rua Bangkok

Rua Áustia

Rua Bélgica

Rua Andorra

Rua Copenhague

Rua Mary Mallet Cirino

Rua Rosemay Belli

Rua Cesar Bertozzi

Rua Romão Lopes Barbosa

Rua Chipre

Rua Vitorino Grassi

Rua Espanha

Rua Travessa Madri

Rua Austrália

Rua Cuba

Rua Olímpia Marques de Castro

Rua Alcides Cotrim

Rua Maria Zibina

Rua Pequim

Rua Pitombas (Andorra)

Cronograma dos mutirões

19 de janeiro – Vila Santa Rita

26 de janeiro – Jardim Rainha

2 de fevereiro – Jardim Elvira e Chácara Vitápolis

9 de fevereiro – Chácara Vitápolis

16 de fevereiro – Jardim Itaparica e Vila Dr. Cardoso

23 de fevereiro – Vila Dr. Cardoso II

9 de março – Jardim São Carlos

16 de março -Jardim Briquet

23 de março – Jardim Santa Cecília e Colinas de Itapevi

30 de março – Cohab

Em boas mãos, cirurgia bariátrica melhora consideravelmente qualidade de vida de obesos

Nos últimos 10 anos o índice de obesidade teve um aumento de 60% no território nacional. O Brasil ocupa 5º lugar entre os países com maior taxa de obesidade no mundo. As cirurgias de redução do estômago, conhecidas como bariátrica, surgiram como solução para os casos mais graves e urgentes. Com o tempo, os avanços tecnológicos e as especializações médicas na área, esse procedimento tornou-se minimamente  invasivo e mais seguro.

Segundo o cirurgião geral do Hospital São Francisco, em Cotia, Carlos Alberto Godinho, que  é membro adjunto do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, o procedimento é a melhor alternativa de tratamento para obesidade mórbida em  pacientes que apresentaram falência no tratamento clínico da obesidade. A cirurgia promove emagrecimento e manutenção da perda de peso no decorrer dos anos.

“Cabe ao endocrinologista e a equipe multidisciplinar preparar o paciente para a cirurgia. É importante conscientizar a necessidade de atividade física e de mudanças em seu padrão alimentar. O objetivo é que o paciente perca peso e com isso melhore as doenças que surgem devido a obesidade”, explica o especialista.

A cirurgia é recomendada para pacientes que têm  IMC (Índice de Massa Corporal) acima de 40, calculado pela relação peso/altura, ou quando o IMC estiver acima de 35 e associado  a alguma doença, como pressão alta, diabetes, apneia do sono e hipercolesterolemia (nível alto de colesterol no sangue).

Dentre as patologias associadas à obesidade estão presentes também os problemas respiratórios, nos ossos e nas articulações; engrossam a lista o diabetes tipo 2, a depressão, a trombose, a hérnia e o câncer.

A gordura no organismo produz substâncias pró-inflamatórias e o paciente com obesidade sofre com esse processo de forma  crônica. A função da cirurgia é acelerar a perda de peso e isso diminui consideravelmente o impacto. Em 80% dos casos, o diabetes  apresenta importante melhora e isso pode ocorrer no dia seguinte com a estabilização dos níveis de açúcar no sangue”, destaca o médico.

Tipos de cirurgias

Existem alguns tipos de cirurgias bariátricas. Dentre elas há a gastrectomia vertical (Sleeve), com a retirada de apenas parte do estômago, na qual o paciente perde de 50 a 60% do excesso de peso; e a gastroplastia vertical (Bypass), processo no qual há o isolamento de parte do intestino. Neste último, o alimento é menos absorvido e ocorre a perda de peso que gira em torno de 70 a 80%. Os dois procedimentos garantem a saciedade precoce.

(Cirurgia bariátrica Sleeve)

(Cirurgia bariátrica Bypass)

O tratamento é contínuo

O especialista alerta: “mais do que o paciente perder peso, ele deve conscientizar-se e ter uma reeducação alimentar. Não existe fórmula mágica para o emagrecimento. A condição da cirurgia deve estar atrelada a mudança do estilo de vida”, conclui Carlos Alberto.

Quer saber mais? Agende a sua com consulta com o cirurgião geral pelo telefone (11) 4615-6677. O Hospital São Francisco é acreditado pela ONA – Organização Nacional de Acreditação -, entidade que certifica os melhores hospitais do Brasil. A unidade fica na avenida Professor Manoel José Pedroso, 701 – Cotia.






Hospital da região oferece atendimento humanizado em hemodiálise

Pacientes de hemodiálise e equipe médica participam de confraternização de fim de ano.

Romper a rotina com atividades que divertem e tornam o dia a dia mais feliz e descontraído é também uma possibilidade aos pacientes que passam pelo difícil processo de hemodiálise. No Hospital São Francisco, aqueles que recebem o tratamento encontram nesse setor a chance de conviver com a doença de maneira mais leve e com maior qualidade de vida .

Um exemplo disso ocorreu agora no natal. Em um ambiente alegre e positivo, os pacientes com doenças renais e seus familiares, que se encontram três vezes por semana em sessões de diálise que duram até quatro horas, na semana natalina depararam-se com uma árvore enfeitada, comidinhas e presentes.  Tudo isso para o amigo secreto realizado também com a equipe de médicos e enfermeiros.

Eles chegam no mesmo horário, sentam na mesma máquina, compartilham suas histórias com o paciente ao lado e criam vínculos. Aqui não é só uma clínica de diálise com o objetivo de melhorar o resultado dos exames, a gente também quer uma melhora holística do paciente e que envolva igualmente os familiares. Isso é muito importante para o tratamento”, relata o médico Elias Flato, que é responsável pela Hemodiálise do Hospital São Francisco.

Segundo Elias Flato, especialista em Nefrologia, o procedimento precisa ser realizado quando a doença renal atinge um estágio muito avançado, já que substitui parcialmente a função dos rins. O processo não é nada fácil.

O rim é um órgão que tem o funcionamento intenso. Entre outras funções, ele filtra o sangue  e retira o excesso de líquidos e toxinas. Quando o órgão perde a capacidade de se manter, o paciente  precisa fazer a hemodiálise ou a diálise peritoneal”, explica.

Infelizmente, a maioria dos pacientes descobrem as doenças renais em estágios avançados e irreversíveis. Ao passar o tempo de tratamento, o quadro se estabiliza e ganha-se uma melhora orgânica. Mas psicologicamente os doentes são afetados, é quando entra a em ação o trabalho da equipe multidisciplinar.

“O setor de hemodiálise, além de contar com equipamentos de alta tecnologia, dispõe de uma equipe multidisciplinar formada por médicos e enfermeiros especialistas, psicólogos, nutricionistas e assistente social que tentam ajudar o paciente com outras eventuais necessidades”.

Tem dado certo! “É um ambiente alegre e a equipe é muito boa. Até esqueço que estou doente”, relata a aposentada Ovídia de Oliveria Barbosa, que passa pelo tratamento há dois anos. Já a paciente Regina Coimbra garante que lá encontrou o suporte que precisava.

“É um tratamento difícil e cansativo, por isso a gente conta com o carinho e a atenção dessa equipe excelente. Durante a nossa convivência a gente ri, conversa e faz brincadeiras. Essa acolhida é muito boa”, comemora Regina.

O que é a diálise?
O dialisador auxilia na remoção de substâncias que estão em excesso no organismo do paciente para que tenha uma sobrevida adequada e mantenha a melhora até que consiga ser transplantado.

A maioria das clínicas de hemodiálise atuam fora dos hospitais. No São Francisco, pacientes com doenças renais têm a facilidade de realizar todos os exames necessários e, na maioria dos casos, com resultados imediatos.


Quer saber mais? Procure um nefrologista e agende a sua consulta pelo telefone (11) 4615-6677. O Hospital São Francisco é acreditado pela ONA – Organização Nacional de Acreditação –  entidade que certifica os melhores hospitais do Brasil. A unidade fica na avenida Professor Manoel José Pedroso, 701 – Cotia. Técnico responsável: José A. C. Melo / CRM: 17.820.






Crianças internadas no HMB recebem visita do Papai Noel

Mesmo com a agenda cheia nesta época do ano, uma semana antes do Natal, o Papai Noel conseguiu passar pelo Hospital Municipal de Barueri (HMB), para visitar os pacientes.

Na quarta-feira (19/12), Afonso Machado, diretor técnico do Hospital Geral de Guarulhos (HGG), trocou as roupas de trabalho pelo uniforme completo: conjunto de veludo vermelho e barrado branco, cinto, botas pretas, gorro e claro, o sino, seu companheiro desde 2008, quando se vestiu assim pela primeira vez. “É muito gratificante participar desta ação porque mexe com o sentimento de todos”, explica o diretor, que lembra com carinho de uma funcionária que chorou ao vê-lo desfilando pelo hospital e comentou que nunca tinha visto um Papai Noel de verdade.

Já na quinta-feira (20/12), Miguel Palumbo, que se veste de Papai Noel há 35 anos, repetiu a trabalho voluntário feito em 2017 no HMB, e fez a alegria da garotada pelos corredores da unidade. Além de entregar doces, também adquiriu presentes para dar para as crianças. “Eu gosto de fazer este trabalho pela satisfação e também como uma forma de agradecer pelo ano que tivemos, por tudo que ganhamos”, comenta Palumbo, que começou este trabalho nos hospitais, após passar por um procedimento cirúrgico no Hospital Geral de Pirajussara.

Tem gente que corre para perto, outros já chegam fazendo pose para foto, alguns se esticam para ver melhor e tem as pessoas que cantam música natalina, mas o objetivo é o mesmo: ver o Papai Noel. E não há idade para esta disputa: desde os pequeninhos até os idosos querem receber um abraço do bom velhinho. “Alguns olham de lado, meio sem graça, mas, no final, todo mundo sorri”, comenta o diretor, que deixa a barba crescer desde setembro para participar do Natal.

Entenda mais sobre Humanização:

A atividade faz parte dos eventos organizados pela Comissão de Humanização, composta por diversas áreas da unidade, com intenção de proporcionar tornar o ambiente hospitalar mais acolhedor e mostrar que pode existir alegria mesmo nos lugares mais inusitados. “O objetivo desta ação de Natal, por exemplo, é amenizar o sofrimento das crianças, dos familiares e também dos colaboradores que passarão a data comemorativa internadas e fora do convívio familiar”, esclarece Patrícia Netzer, psicóloga da Humanização, que ressalta a importância do setor para proporcionar momentos de bem-estar e descontração.