Política

DORIA VETA PROJETE DE LEI DE COMBATE À CORRUPÇÃO

O Projeto de Lei n. 799/2019, de autoria do Deputado – Agente Federal Danilo Balas (PSL), que assegura proteção aos agentes públicos que denunciarem atos de corrupção e improbidade, foi vetado pelo Governador João Doria. A iniciativa havia sido aprovada, por unanimidade, no dia 9 de setembro, deste ano, na Assembleia Legislativa de São Paulo.

Por entender não ser razoável a punição de agentes que zelam pela coisa pública e denunciam pessoas que só visam auferir lucros pessoais com atitudes ímprobas, o parlamentar protocolou esse projeto na Alesp. “Essa iniciativa tem um significado de extrema importância para todos nós. Estamos cansados de tanta corrupção. O legado do nosso trabalho é e será o combate a esse crime que assola o Brasil e as famílias. O ser humano corrupto é um câncer na sociedade. Essa é a doença que mais mata. Precisamos combater, sem clemência, o vírus infeccioso da corrupção, e, sem dúvida, é uma aberração que muitas autoridades não perceberam ainda”, diz Danilo Balas.

Danilo Balas acredita que o veto do Governador João Doria ao projeto possa ser uma represália por ele não apoiar os seus projetos arbitrários e prejudiciais ao povo paulista, inclusive ele votou pela não aprovação do Projeto de Lei n. 529/2020, mais conhecido como o projeto da maldade, que determina o aumento de impostos e extinção de empresas e entidades públicas, entre outros inúmeros absurdos. “Com certeza, o meu projeto foi vetado por eu não apoiar atos de monstruosidade praticados por ele, João Doria, contra a população do Estado. Todos os dias, os brasileiros tomam conhecimento, por parte da imprensa, das operações realizadas pela Polícia Federal, e também por outros órgãos, relativas ao combate à corrupção, à improbidade e à criminalidade e, agora, durante este período de pandemia, muitos casos de corrupção foram denunciados, principalmente com a participação de agentes públicos ímprobos”, afirma Danilo Balas. 

O parlamentar destaca que lutará pela derrubada do veto no Plenário da Assembleia Legislativa, pois se trata de um anseio da sociedade, que terá um grande impacto no combate à corrupção no Estado. Se o veto for derrubado, a lei protegerá os agentes que denunciam esses crimes para que não sejam penalizados tanto administrativamente quanto judicialmente por parte da Administração Pública. 

No Estado de São Paulo, há casos, noticiados pela imprensa, de agentes públicos que foram punidos por denunciarem atos de outros servidores, inclusive de superiores, a outros órgãos de fiscalização e controle, como o Ministério Público, referentes à prática de crimes contra a Administração Pública e seu erário. “É lamentável o veto a esse projeto”, ressalta Danilo Balas. 

Convenção Intrapartidária confirma candidatura de Marcos Neves à reeleição da Prefeitura

Imagem: Divulgação

No dia 7 de setembro aconteceu a convenção intrapartidária que confirmou a candidatura de Marcos Neves (PSDB) para reeleição da Prefeitura de Carapicuíba. O atual prefeito da cidade continua com a vice Gilmara para disputa de mais uma eleição em sua carreira política.

O evento foi realizado na Escola Municipal Noemy Silveira Rudolfer, seguindo os protocolos de prevenção ao coronavírus como aferição de temperatura, álcool gel e distanciamento entre os pré-candidatos. A convenção contou com presenças ilustres como o Secretário Estadual de Desenvolvimento Regional, Marco Vinholi, o secretário executivo do Fumefi, Vivaldo Filho, o deputado federal Cezinha de Madureira e o deputado estadual Carlos Cezar.

Em seu discurso, Marcos Neves citou os avanços de sua gestão à frente da cidade. “Carapicuíba era um município parado, mas hoje tem unidades de saúde totalmente reformadas ou novas, escolas reformadas e inauguradas, Corpo de Bombeiros, Parque dos Paturis totalmente revitalizado, com segurança. Tudo isso sem contar outros benefícios para nossa população, que hoje tem orgulho em dizer que é carapicuibana”, afirmou.

A candidatura à reeleição de Marcos Neves conta com o apoio de oito partidos: PSDB, Podemos, Democratas, MDB, Republicanos, Patriotas, PSC e PL. Todos realizaram convenção na segunda-feira. Além disso, Patriotas, PV e PSB também devem sinalizar apoio ao atual prefeito de Carapicuíba.

Elvis Cezar Apresenta o candidato do PSDB Marcos Tonho, em Convenção Nesta Segunda- Feira

Imagem: Divulgação

Na Convenção do PSDB de Santana de Parnaíba, que acontece nesta segunda-feira, 07 de Setembro, no Centro de Convenções da cidade, a partir das 16h, o prefeito Elvis Cezar e seu pai, o deputado Estadual Cezar, apresentação os pré candidatos do partido para a disputa eleitoral 2020, para prefeito e vereadores.

Elvis, através de uma live realizada nas redes sociais, anunciou o vereador Marcos Tonho para prefeito e Rosália Dantas como vice.

Elvis Cezar, por estar em seu segundo mandato, não poderá disputar novamente ao executivo da cidade, ao longo dos últimos 7 anos, Santana de Parnaíba vem se destacando por tanto investimento feito na cidade, são mais de 100 obras em diversos segmentos como, ampliações de escolas, infraestrutura, saúde e desenvolvimento econômico. Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto MAS, o prefeito Elvis Cezar tem uma aprovação de 88,4% da população.

Por conta da pandemia, os jornalistas que desejam cobrir a convenção, devem confirmar presença através do Whatsapp 11-981366494. O profissional deverá estar devidamente com máscara.

Quem são os pré candidatos do prefeito Elvis Cezar?

Marcos Tonho, é filiado ao PSDB, vereador em seu segundo mandato, em 2016, foi eleito o quarto vereador mais votado da cidade, em 2017 e 2018 foi presidente da Câmara de vereadores de Santana de Parnaíba, é considerado uma das pessoas mais fiel do grupo do deputado estadual Cezar.

Rosália Dantas, também é filiada ao PSDB, foi candidata a vereadora em 2016, na atual gestão do prefeito Elvis foi secretária regional de Alphaville, trabalhou no fundo social de solidariedade.

Em meio a Pandemia, pré-candidato a vereador em Carapicuíba cria plataforma colaborativa para reunir ideias criativas para Carapicuíba

O portal Ideia para Carapicuíba é um canal colaborativo de soluções criativas para a cidade. A população pode enviar ideias para melhorar a cidade em diversas áreas, de forma prática e rápida. As melhores ideias serão apresentadas como projetos viáveis para Carapicuíba aos postulantes ao executivo municipal.

Com o objetivo de ouvir as pessoas, o pré-candidato a vereador em Carapicuíba, Valdemiro Salema Cardoso, mais conhecido como Miro, formado na segunda turma do RenovaBR, uma escola de democracia que prepara uma nova geração de líderes para enfrentar e vencer as velhas práticas, afirma que: “As pessoas que estão enfrentando os problemas diariamente podem ter ideias inovadoras, fáceis de serem aplicadas, muitas vezes só precisam de alguém que as ouça.”

Com o projeto, Miro quer entender os problemas da cidade e achar soluções viáveis, reunindo as sugestões que chegarem no site e construindo projetos eficazes com a participação das pessoas para Carapicuíba.

A plataforma já está no ar e pode ser acessada através do link:

www.ideiaparacarapicuiba.com

BOLSONARO ESTÁ COM COVID-19

Bolsonaro anuncia resultado positivo de teste de Covid-19 e diz que está ‘perfeitamente bem’.

O presidente Jair Bolsonaro informou nesta terça-feira (7) que deu resultado positivo o qual se submeteu para detectar se está com Covid-19, doença causada pelo novo coronavírus.

O presidente afirmou que chegou a ter febre de 38 graus, mas que, à noite, a temperatura começou a ceder. Relatou também que sentiu mal-estar e cansaço. Ele disse que agora está se sentindo “perfeitamente bem”.

De acordo com Bolsonaro, ele tomou hidroxicloroquina, remédio que vem defendendo como tratamento para a Covid-19. Não há comprovação científica da eficácia da hidroxicloroquina para a doença.


“Estou bem, estou normal. Em comparação a ontem [segunda], estou muito bem. Estou até com vontade de fazer uma caminhada, mas não vou fazê-lo por recomendação médica, mas eu estou muito bem”, afirmou.
Bolsonaro já havia informado a apoiadores na segunda-feira (6) que estava com febre e dores no corpo e, por isso, decidiu fazer o exame. Ele também disse que fez uma radiografia e que o pulmão “estava limpo”.

O presidente tem 65 anos e faz parte da faixa etária considerada por especialistas como grupo de risco.

Ele informou que nos próximos dias vai despachar por videoconferência na residência oficial do Palácio da Alvorada e que talvez receba auxiliares para assinar documentos. Bolsonaro cancelou viagens que faria à Bahia e a Minas Gerais.


O presidente fez o anúncio do resultado do exame para a TV Brasil e mais duas emissoras. Nenhuma outra emissora foi convidada. Ao final do anúncio, ele se afastou alguns passos dos repórteres e tirou a máscara. Mostrou o rosto, disse estar “bem” e pediu cuidado aos mais idosos.

“Vamos tomar cuidado, em especial com o mais idosos e que têm comorbidade. Os mais jovens, tomem cuidado, mas se forem acometidos do vírus, fiquem tranquilos que para vocês a possibilidade de algo mais grave é próximo de zero”, declarou.

Dados oficiais sobre a pandemia mostram que pessoas mais jovens, e mesmo aquelas sem comorbidades, também podem desenvolver formas graves da doença.

Mesmo defendendo cuidado com os mais velhos, Bolsonaro tem feito reuniões com ministros, alguns deles com mais de 60 anos, como ministro da Economia, Paulo Guedes, que tem 70. O presidente também se aproximou e falou com apoiadores nos últimos dias e pode ter transmitido a doença. De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), uma pessoa infectada pode transmitir o vírus até 6 dias antes de começar a apresentar sintomas.

Bolsonaro disse ainda que o novo coronavírus é “como uma chuva” e vai atingir a maioria das pessoas.

“O que eu posso falar para todo mundo aqui. Esse vírus é quase como, eu já dizia no passado e era muito criticado, era como uma chuva, vai atingir você, né? Alguns, não. Alguns tem que tomar um maior cuidado com esse fenômeno por assim dizer”, afirmou.

No entanto, não há comprovação científica de que a maior parte da população necessariamente deve contrair o vírus. Cientistas estimam que, no Brasil, se 70% das pessoas pegassem a doença, haveria 1,8 milhão de mortes. Bolsonaro já declarou em outra ocasião que 70% dos brasileiros teriam Covid-19.

O presidente também informou que a primeira-dama Michelle Bolsonaro realizou nesta terça-feira um exame para saber se tem o novo coronavírus. Ele não citou o resultado do teste.

Desde o início da pandemia no país, no fim de fevereiro, Bolsonaro vem descumprindo orientações de autoridades de saúde sobre medidas de prevenção do contágio.

Ele sempre foi contrário ao fechamento do comércio e ao isolamento social, ações tomadas pelos governos estaduais para diminuir o ritmo dos contágios. De acordo com especialistas, o isolamento é a forma mais eficaz de evitar o alastramento do vírus.

Nos últimos quatro meses, Bolsonaro provocou aglomerações ao visitar o comércio de rua em Brasília e em visitas a cidades do entorno do Distrito Federal. Ele também participou de manifestações a favor do governo. Em diversas dessas ocasiões ele não usou máscara, posou para fotos, tocou nas pessoas.

Fonte: G1

Doria vê escalada autoritária de Bolsonaro em operação contra Witzel

Para o governador de São Paulo, João Doria (PSDB), a operação da Polícia Federal contra o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC-RJ) nesta terça-feira (26), indica uma escalada autoritária do presidente Jair Bolsonaro.

“Independentemente da análise, e toda investigação necessária deve ser feita onde há suspeita, a operação que foi anunciada antecipadamente por uma deputada aliada, e comemorada pelo presidente, insinua a escalada autoritária e isso é preocupante”, afirmou Doria, em entrevista ao jornal Folha de S.Paulo.

O governador tucano fala da deputada bolsonarista Carla Zambelli (PSL-SP), que prometeu ações contra governadores em entrevista na véspera da operação, e da mensagem que Bolsonaro publicou nas redes sociais, parabenizando a PF pela operação. Fontes no Planalto revelaram que o presidente sabia da operação há uma semana.

Para o governador, a sinalização da operação de hoje é grave. “A utilização da PF para intimidar adversários, seja na política ou fora dela, deve ser condenada pela sociedade”, disse o tucano.

Assim como Witzel, Doria também está na mira de Bolsonaro. Na fatídica reunião ministerial de 22 de abril, o presidente chamou o governador paulista de “bosta”, e o fluminense, de “estrume”.

Outros governadores também demostraram preocupação semelhante. Flavio Dino (PCdoB-MA), por exemplo, enfatizou que a antecipação e a comemoração da operação comprometem a lisura das investigações.

Os governadores tem um cenário de Estado Novo (1937-45), com comparações entre a polícia política da ditadura de Getúlio Vargas com os planos de Bolsonaro e a PF sob nova direção, depois da saída de Sergio Moro do Ministério da Justiça.

Regina Duarte deixa governo e vai assumir Cinemateca

Depois de menos de três meses de governo, a atriz Regina Duarte vai deixar a Secretaria de Cultura, subpasta que integra o Ministério do Turismo. Pessoas ligadas ao governo Jair Bolsonaro, como o filho Eduardo ou a deputada federal Carla Zambeli, publicaram atualizações em suas redes sociais, indicando que a Regina Duarte vai assumir a Cinemateca Brasileira, na Vila Mariana.

A Cinemateca vem enfrentando uma crise desde 2013, que se agravou nos últimos meses. Até agora, nenhuma parcela do orçamento 2020, cujo montante é da ordem de R$ 12 milhões, chegou até a unidade. A comunidade local e também pessoas ligadas ao setor audiovisual estão divulgando e pedindo apoio a um abaixo assinado virtual.

A situação do espaço cultural, que ocupa um prédio histórico no bairro e que abriga o maior acervo audiovisual da América Latina, é matéria de destaque da edição dessa semana do Jornal São Paulo Zona Sul.

Alvo de muitas críticas por parte da classe artística, que não se sentiu representada ou defendida pela atriz, ela já vinha desgastada no cargo. Recentemente, após uma entrevista ao canal de notícias CNN, em que ficou nervosa e se recusou a ouvir um depoimento da atriz Maitê Proença e de responder a perguntas dos entrevistadores, a situação ficou ainda mais delicada. Na ocasião, ela também negou que deixaria o governo federal, a menos que fosse essa a vontade do presidente.

A atriz, que também foi criticada por ficar pouco em Brasília, alega que deixou o governo por querer ficar mais em São Paulo, onde mora e tem família. Durante seu mandato, pouco se comunicou com o público ou sua categoria: não apresentou nenhum plano para a Cultura, não apresentou notas lamentando a morte de figuras expoentes da arte brasileira como o escritor Rubem Fonseca, o cantor Moraes Moreira ou o compositor Aldir Blanc.

Regina Duarte deve ser substituída pelo também ator Mario Frias, que está hoje em Brasília negociando com o presidente Jair Bolsonaro.

MINISTRO DA SAÚDE NELSON TEICH DEIXA O GOVERNO MENOS DE 30 DIAS DEPOIS DA POSSE

O ministro da Saúde, Nelson Teich, informou que deixou o cargo nesta sexta-feira (15), menos de um mês após tomar posse. A informação foi confirmada pela pasta.

Teich assumiu o ministério no dia 17 de abril, após a saíde de Luiz Henrique Mandetta em meio a um grande embate público com o presidente Jair Bolsonaro.

Nos últimos dias Bolsonaro e Teich entraram em desacordo envolvendo alguns temas envolvendo o uso da cloroquina na recuperação de pacientes do SUS que estão infectados pelo coronavírus. O ministro indicou que o remédio apresenta riscos para a saúde e Bolsonaro é defensor do uso da substância.

Além disso, Teich foi informado em coletiva de imprensa que o governo havia editado um decreto incluindo como atividade essencial academias, salões de beleza e barbearias. O ministro demonstrou completo desconhecimento da medida enquanto dava entrevista para jornalistas.

O agora ex-ministro foi convocado para uma reunião com Bolsonaro no Palácio do Planalto nesta manhã. Logo após a saída da reunião, a demissão foi anunciada.

 

Fonte: Isto é dinheiro

Sergio Moro, o juiz da Lava Jato, anuncia sua demissão do governo Bolsonaro

O ministro Sergio Moro (Justiça) decidiu entregar o cargo nesta sexta-feira (24) e deixar o governo de Jair Bolsonaro após a exoneração do diretor-geral da Polícia Federal, Maurício Valeixo, ter sido publicada nesta madrugada no Diário Oficial da União. Ele anunciou a saída do governo a pessoas próximas.

Moro pediu demissão a Bolsonaro na manhã desta quinta quando foi informado pelo presidente da decisão de demitir Valeixo. O ministro avisou o presidente que não ficaria no governo com a saída do diretor-geral, escolhido por Moro para comandar a PF.
Após Moro anunciar um pronunciamento às 11h desta sexta, o Planalto enviou emissários para tentar convencer o ministro a ficar. Em vão. Moro não aceitou, mostrou-se irredutível. Nas palavras de um aliado, “os bombeiros fracassaram”. Moro deve fazer um discurso duro ao deixar o governo.

O contexto da exoneração de Valeixo foi considerado decisivo para o ministro bater o martelo.

A exoneração foi publicada como “a pedido” de Valeixo no Diário Oficial, com as assinaturas eletrônicas de Bolsonaro e Moro. Segundo a Folha apurou, porém, o ministro não assinou a medida formalmente nem foi avisado oficialmente pelo Planalto de sua publicação.
Na avaliação de aliados de Moro, Bolsonaro atropelou de vez o ministro ao ter publicado a demissão de Valeixo durante as discussões que ainda ocorriam nos bastidores sobre a troca na PF e sua permanência no cargo de ministro. Diante desse cenário, sua permanência no governo ficou insustentável, e Moro decidiu deixar o governo.
Membros da Polícia Federal e do Ministério da Justiça, ouvidos pela Folha na condição de anonimato, afirmam que o movimento de Bolsonaro que resultou no pedido de demissão feito por Moro tem como o pano de fundo a tentativa de o presidente controlar as ações e as investigações da corporação no país.

Projeto de Cezar determina identificação nos caminhões-pipa que transportam água potável

Visando garantir a saúde da população paulista, o projeto de lei nº 53/2020 de autoria do deputado estadual Cezar determina a expedição de rótulo de identificação externa nos tanques acoplados a veículos automotores (caminhões-pipa) para controle e fiscalização de água potável transportada no Estado de São Paulo. O PL deu entrada na Comissão de Constituição, Justiça e Redação da Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo.

De acordo com a propositura, as empresas ou pessoas físicas que atuam no transporte de água potável devem manter, em local visível de seus veículos, um rótulo de identificação externo que comprove sua regularização junto aos órgãos competentes e Empresas Credenciadas de Vistoria – ECV. 

O rótulo de identificação será expedido pela ECV e terá validade em todo território estadual. “O objetivo é maximizar os cuidados necessários para impedir a contaminação”, disse Cezar que ressaltou a preocupação com o transporte e origem da água transportada nesses veículos. Em sua justificativa, o parlamentar informa que, no ano de 2013, no estado do Ceará, a Secretaria da Saúde local detectou que 41% da água distribuída pelos caminhões-pipa estava contaminada.

Segundo o SNIS (Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento) de 2017, 83,5% dos brasileiros são atendidos com abastecimento de água. Isso significa que há outros 16,5% totalizando quase 35 milhões de brasileiros que não são atendidos por esse serviço básico em suas moradias. Além disso, hospitais, escolas, prédios públicos quando há desabastecimento prolongado necessitam de abastecimento por caminhões-pipa.