Entrevistas

Barueri pode sair da crise primeiro que o Estado e a União, porém precisamos colocar um bom gestor na cidade

luizinho

Luiz Carlos de  Souza, Luizinho, presidente Municipal do partido Solidariedade. Entrou na política em 1988 apoiando e colaborando com outras candidaturas, em 2008 foi eleito vereador em Barueri. Em 2010 assumiu secretaria de governo na gestão Rubens Furlan. Devido a sua experiência em 2012 foi convidado para colaborar em Santana de Parnaíba colaborando no relacionamento entre empresa e poder público, onde deu importantes contribuições. Em 2016 sua missão será conduzir o partido Solidariedade de forma brilhante em uma campanha vitoriosa.

 

1 – Há quanto tempo atua na política de Barueri?

R: Estou na política desde 1988, sou apaixonado por Barueri, e sempre apoiei outros candidatos, penso que não participando da política sempre estaria sujeitando as pessoas que não comungam da mesma visão de melhoria que eu tenho. Então participar da política é uma forma de colaborar com a transformação da nossa cidade. Em 2008 fui eleito vereador, deixei minha colaboração. Hoje penso que se cada um cuidar bem do seu bairro ou da sua rua, já teremos um Brasil melhor.

 

2 – Como chegou ao partido Solidariedade?

R: Sempre tive uma boa relação com as indústrias e o Partido Solidariedade tem um histórico ligado a elas. Diante disso os dirigentes estaduais da sigla viram em mim coerência e um potencial militante devido e me convidaram para se filiar em 2013 e eu aceitei. Posteriormente me convidaram para presidir a legenda e mais uma vez assumi o papel que venho exercendo até hoje com muito orgulho e dedicação.

 

3 – Como está o Partido Solidariedade na cidade de Barueri?

R: Estamos bem organizados na cidade. Temos as câmaras temáticas ligado ao social, mulher, jovem, meio ambiente entre outras e elas se conectam ao partido no Estado e com Brasília mantendo assim uma constante atualização das diretrizes e com isso pautando os programas sociais existentes, como por exemplo, o programa Jovem Aprendiz. O partido sempre orienta os filiados dá uma boa estrutura para quem quer caminhar conosco. Quando algum candidato é eleito pela legenda ele recebe todo apoio e orientação do partido para exercer um bom mandato e isso tem sido nossa referência.

4 – Qual tem sido a principal bandeira do partido e como coloca-la em pratica em Barueri?

R: Temos várias bandeiras, porém hoje a principal é a volta do emprego. Precisamos criar sinergia entre municípios, Estado e União para que possamos criar novas vagas no mercado de trabalho. Não adianta fazer hoje uma mudança previdenciária se não gerarmos mais emprego. Aqui em Barueri, precisamos criar credito para poder avançar. O empresário tem que investir, porém para isso a cidade tem que fazer sua parte. Se todos fizermos investimentos a engrenagem funciona e assim fazemos a roda girar.

 

5 – Qual o seu pensamento sobre a cidade de Barueri?

R: Barueri é uma cidade importante para o Estado de São Paulo e principalmente para a região Oeste. A cidade tem empresas multinacionais e boas indústrias. Somos uma cidade acolhedora e bem situada as margens da Castelo Branco, os problemas que a cidade tem hoje é devido a má gestão da coisa publica, porém temos potencial. Barueri é uma cidade rica e prospera.

 

6 –  Qual a expectativa do partido para o pleito deste ano?

R: O planejamento e a estrutura que montamos é para fazer uma campanha vitoriosa, minha meta é que todos que vierem a se tornar candidatos esse ano encontrem um partido que os apóie e que motive cada um para conquistar o sucesso. O partido tem bons filiados temos mulheres militantes bem atuantes, boa estrutura e um time de primeira. Na hora de escolher ou aceitar filiados que seriam pré-candidatos olhamos o histórico da pessoa porque não queremos nos corromper ou sermos vendidos, queremos ter autonomia como partido e o país vive um momento de dizer não a corrupção e estamos nessa mesma linha, então já começamos a escolher as melhores pessoas que um dia podem estar em um mandato ajudando a cidade a se recuperar.

 

7 – A crise financeira nacional tem afetado todo o país e, consequentemente as prefeituras, isso também aconteceu em Barueri?

R: A crise se transformou em um efeito dominó afetando a todos, porém Barueri tem uma arrecadação boa. O que está faltando é uma administração eficiente. O gestor de Barueri deve colocar pessoas certas no lugar certo para que a cidade volte a criar novas frentes de trabalho e ser mais eficiente. Podemos sair da crise primeiro que o Estado e a União, porém, para isso ocorrer devemos ter pessoas certas a frente da cidade.

 

8 – Quais os principais problemas do município atualmente e como solucioná-los?

R: Os principais problemas hoje são:  Saúde e Educação. Temos que dar um choque de gestão, fazer com que a saúde não crie expectativas apenas. Existe hoje em Barueri supervisor de saúde que não sabe o que é Buscopan. Ele ganha bem e não sabe aquilo que esta fazendo, não é geral, mas isso tira estimulo de quem realmente trabalha. Devemos colocar na saúde quem realmente entende de saúde. Não podemos criar balcão de emprego na maquina pública. Já na educação os educadores devem cuidar da educação. Penso sempre em Educadores comandados por educadores, ou pessoa que tenha experiência e sabe do que está falando. Existe um desconforto entre o gestor e quem produz educação hoje e isso atrapalha todo o funcionamento da Educação o resultado é uma prefeitura que falha constantemente e produz péssimos resultados.  

 

9 – Qual a mensagem que o senhor deixa para os filiados do solidariedade e em especial para os moradores de Barueri?

R: Aos filiados do partido vou reforçar minha mensagem que é para que todos pensem no coletivo. Se pensar somente em si mesmo, tenho certeza que jamais será um representante do povo. Se algum filiado vier a se tornar um representante do povo, pensem na cidade como um todo e trabalhe buscando o desenvolvimento da cidade. Já ao povo de Barueri quero dizer que o partido juntamente com todos os seus filiados vão trabalhar para que os moradores voltem a ter orgulho da cidade e batem no peito e digam que são Baruerienses.  

 

10-  Como as pessoas interessadas no partido solidariedade podem se filiar? 

R: Existem dois caminhos, o primeiro é fazer a filiação online no site do partido que está no sitio http://www.solidariedade.org.br. Fazendo assim a ficha irá chegar até minhas mãos e de posse dela irei me reunir com o interessado para assinar e aceitar a filiação dele no partido Solidariedade.

“Vamos tornar a OAB de Carapicuíba referencia e modelo de gestão”

A frase foi de Paulo Quissi, advogado e postulante a presidência da OAB da cidade de Carapicuíba na chapa 2. Quissi falou com o Jornal Metrópole e disse o que pensa e  o que irá fazer caso seja eleito presidente nas eleições promovida pela OAB que acontecem dia 18 de novembro e é obrigatório a todos os advogados do Brasil.

IMG_9418

1 – Como Surgiu a chapa 2?

R: A chapa de um grupo de advogados que querem o melhor para a categoria, então decidiram se unir para montar a chapa 2 e meu nome surgiu de consenso no grupo, hoje temos chapa a união de várias experiências, até mesmo de quem esta na atual gestão, aderiu nossa campanha e faz parte de nossa chapa.

2 – Por que o senhor decidiu aceitar o convite?

R: Vi uma proposta nova de tornar a OAB referencia e modelo de gestão. Hoje em nossa cidade já fazem mais de dez anos que não acontece um desagravo, creio que o quadro não seja esse e conheço advogados que foram feridos em suas prerrogativas e nada foi feito.

3 – Quais os pontos fortes da chapa 2?

R: Descentralização  do poder e fortalecimento das comissões para serem mais ativas. Precisamos ainda melhorar a casa do advogado que hoje praticamente não funciona como deveria ser, além de resgatar o advogado e traze-lo para o exercício da justiça que é o seu papel.

4 – Quais as primeiras coisas a priorizar caso seja eleito?

R: Vamos modernizar a sede da OAB, precisamos de novos equipamentos e de estrutura mais adequada para atender os advogados da cidade.

5 – Existe algo planejado para integrar os novos e antigos advogados?

R: Vamos fazer reuniões mensais para integrar os advogados. Buscar parceria com as faculdades de direito da região para uma ação de acolhimento dos estudantes e devemos promover uma comissão do esporte mais atuante para unir os advogados.

6 – E os atuais funcionários da OAB, o que pensa sobre o trabalho deles?

R: Eles são importantes para o bom funcionamento, porém precisamos trata-los bem, eles devem ser valorizados, vamos oferecer treinamento e aperfeiçoamento para eles auxiliares advogados com dificuldade na transição digital que passamos, porém em primeiro lugar devemos com todo o respeito, eles são fundamentais para nossa OAB.

7 – O cerimonia da entrega de carteiras da OAB sofrerá alguma mudança?

R: O advogado deve ser valorizado desde o primeiro momento, ou seja, na entrega de sua carteira, para isso devemos fazer um cerimonial melhor, convidar as autoridades e fazer desse momento um grande acolhimento, não devemos esquecer também daqueles que em sua partida deixam a dor, devemos estar presente também nesse momento para amparar a família do advogado.

8 – Os advogados hoje estão contentes com a estrutura do judiciário? Pode ser feito algo?

R: Hoje a comarca de Carapicuíba é uma das que tem a pior estrutura para o trabalho do advogado. A culpa não é do Juiz, a infraestrutura é péssima, não tem condições, devemos lutar por mais juízes,  promotores devemos cobrar condições do judiciário para que o advogado realize com maestria sua participação na justiça.

9 – Pensam em algo para a caso do Advogado que fica ao lado do fórum?

R: Do nosso ponto de vista, ela perdeu sua função, devemos transforma-la em uma sala para o advogado atender os seus clientes. Hoje quem seleciona o atendimento da comunidade é a defensoria, então aquele espaço poderia ser transformado em um local para os advogados conversarem com seus clientes, ser realmente a casa do advogado.

10 – Como pretende mobilizar a OAB em sua gestão?

R: Queremos unir a classe de advogados e essa é a missão da OAB, transformar nossa subseção em uma unidade mais ativa. Antes se procurava o advogado para defender seus direitos, hoje a população procura um programa de TV, devemos mudar isso resgatar o papel que era do advogado.

11 – Quais suas considerações finais e como tem sido a disputa em Carapicuíba?

R: Tenho que enaltecer o trabalho de todo o grupo, porque a cada dia que passa, temos conseguido mais adesões de outros advogados, estamos confiantes em nossa vitória, porque nosso  grupo vestiu a camisa e estamos fortalecidos, gostaria de mencionar todos os apoios e todos aqueles que entraram em nossa campanha mas posso cometer alguma injustiça, porque a lista é enorme. Mas agradeço a todos que realmente entenderem o nosso objetivo.