Brasil tem mais mortes por Covid-19 que a União Europeia, América do Norte, África e Ásia

O país, que é o novo epicentro global do coronavírus, registrou nos últimos 7 dias mais de 18 mil mortes e é responsável por 27% de óbitos no período, sendo o mês de março de 2021 o mais letal desde o início pandemia

O Brasil é o epicentro global do coronavírus e o número de óbitos na última semana, com 18.164 vidas perdidas para o coronavírus, corresponde a 27% das mortes do mundo, e supera os quatro países com mais vítimas: Estados Unidos, México, Itália e Rússia juntos e também de continentes como Europa, América do Norte, África e Ásia. 

Estados Unidos, México, Itália e Rússia com 650 milhões de habitantes somaram menos mortes que o Brasil

Os dados divulgados pela Our World In Data mostram que mesmo com o triplo da população brasileira (209 milhões), Estados Unidos, México, Itália e Rússia com 650 milhões de habitantes somaram menos mortes (16.031) em um período de 7 dias (6.787 nos EUA, 3.587 no México, 2.991 na Itália e 2.666 na Rússia) que o Brasil (Veja a tabela 1).

A União Européia com uma população de 446 milhões de habitantes, mais que o dobro da população brasileira, soma 17.817 óbitos, já o continente africano possui o quádruplo de habitantes e contou, na última semana, com 2.010 mortes, já o continente asiático, com população 21 vezes maior que a brasileira, com 4,5 bilhões de habitantes, somou nos últimos 7 dias 7.716 óbitos (Veja a tabela 2).

A cada 4 mortes no mundo, uma é brasileira e, mesmo não tendo chegado ao fim, março já é o mês mais letal da Covid-19 no Brasil (Veja a tabela 3), com 35.507 óbitos até o último dia 19 de março. Santana de Parnaíba totaliza 204 óbitos desde o início da pandemia, somente na última semana 20 mortes foram confirmadas na cidade e o Estado de São Paulo teve o seu dia mais letal nesta última segunda-feira (29/03), em que foram registradas 1.209 mortes.

O total de casos de coronavírus em todo o Estado de São Paulo é de 2.446.680, sendo que 21.360 foram registrados nas últimas 24 horas, totalizando desde o início da pandemia 73.462 óbitos.

Créditos

Fotógrafo: Ilustrativa

Jornalista: João Guerra