Matérias de: Redação

Estácio Carapicuíba abre inscrições para o projeto de Alfabetização de Jovens e Adultos

De 22 de julho a 5 de agosto, a Estácio está com as inscrições abertas para o Projeto de Alfabetização e Letramento de Jovens e Adultos. A iniciativa — que integra o Programa de Responsabilidade Social da companhia apresenta novidade em sua 4ª edição — será oferecida em quatro unidades do Rio de Janeiro: Ilha do Governador (Zona Norte), Alcântara (Região Metropolitana), Queimados (Baixada Fluminense) e Via Brasil (em Irajá, Zona Norte do Rio), além dos campi Carapicuíba (em São Paulo), Natal (Rio Grande do Norte) e Brasília (em Taguatinga). As duas últimas praças foram contempladas e oferecerão o projeto pela primeira vez.

 A instituição de ensino está alinhada com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) de número 4, da Organização das Nações Unidas (ONU), que quer garantir que todos os jovens e uma substancial proporção dos adultos – homens e mulheres – estejam alfabetizados e tenham adquirido o conhecimento básico de matemática até 2030. O ODS 4 visa assegurar a educação inclusiva e equitativa e de qualidade, além de promover oportunidades de aprendizagem ao longo da vida para todos e todas. Os responsáveis pelo projeto sabem que a luta ainda é bastante grande, pois segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), divulgados em junho 2019, o Brasil ainda tem 11,3 milhões de analfabetos entre a população de 15 anos ou mais.

 Por um período de quatro meses, os adultos e jovens terão aulas com estudantes dos cursos superiores e de Licenciaturas da Estácio – como Pedagogia, Letras, História, Geografia e Matemática – com a participação do corpo docente da Instituição. As aulas acontecerão no período noturno com duração de três horas por dia, duas vezes por semana, e serão totalmente gratuitas para os alfabetizandos. Os interessados poderão se inscrever até o dia 5 de agosto, diretamente nas salas de matrícula das unidades que oferecem o curso e as aulas terão início na semana de 12 de agosto. Mais informações podem ser obtidas pelo site www.estacio.br/alfabetizacao ou por meio do telefone gratuito 0800 880 6774.  

  As turmas terão em média até 24 estudantes e, ao final do curso, os alunos deverão ser capazes de ler e escrever pequenos textos, com compreensão, além de resolver problemas matemáticos simples, utilizar de forma crítica informações veiculadas nas diferentes mídias e comunicar-se por intermédio de mensagens de texto em aplicativo de dispositivo móvel. Com essas competências o alfabetizado pode exercer plenamente a sua cidadania reconhecendo o seu valor e seu papel na sociedade, aumenta as suas chances de ingressar no mercado formal de trabalho e tem possibilidade de dar continuidade dos estudos.

 Desde sua criação, no primeiro semestre de 2018, o Projeto de Alfabetização e Letramento de Jovens e Adultos já contou com a participação de mais de 300 alunos. A iniciativa ganhou força e notoriedade no setor de educação e está se expandindo cada vez mais. Primeiro Rio de Janeiro, depois Carapicuíba (em São Paulo) e agora Rio Grande do Norte (Natal) e Brasília (em Taguatinga). “Nossa meta é levar esse projeto a todas as unidades da Estácio no Brasil. Estamos alinhados com os ODS 4 da ONU e queremos combater o analfabetismo e erradicá-lo no entorno de nossos campi. Os novos dados do IBGE nos mostram que a batalha ainda é bem grande”, afirma Cláudia Romano, vice-presidente de Relações Institucionais e Sustentabilidade do Grupo Estácio. 

  Segundo Cláudia, o projeto está alinhado à missão da Estácio de Educar para Transformar e reforça a diretriz de manter um relacionamento próximo e sustentável com a comunidade do entorno de suas unidades. Ainda de acordo com a vice-presidente, a iniciativa também representa uma oportunidade única para os alunos da instituição, pois vão aprender na prática ao atuarem como alfabetizadores, o que sustenta o compromisso com a empregabilidade destes egressos.

  A metodologia foi desenvolvida de forma a incentivar e efetivar o aprendizado dos jovens e adultos, a promover a sua autoestima, a reconhecer as suas potencialidades e a evitar a evasão dos alfabetizandos. “Esses adultos se sentem excluídos por conta do analfabetismo e é muito comum que tenham o ímpeto de desistir. Por isso, atuamos de forma a apoiar os alunos a seguirem estudando, apesar das dificuldades”, complementa Cláudia. 

 São utilizadas metodologias ativas de ensino-aprendizagem nas quais os alfabetizandos são protagonistas ativos e colaborativos no desenvolvimento de projetos, na resolução de problemas e realizando pesquisas. Os alfabetizandos contam com uma grande diversidade de materiais instrucionais, multimídia e tecnologias educacionais desenvolvidos pela Estácio de acordo com o método do Sistema de Alfabetização e Letramento, tais como bingo, quebra-cabeça, baralho, caça-palavras, vídeos, jogos e aplicativos.

 Os alfabetizandos não são submetidos a provas e o desempenho deles é avaliado a partir do alcance das competências estabelecidas. O ensino é individualizado e os alfabetizandos que não alcançam as competências são acompanhados para reforço e recuperação da aprendizagem.

 O Sistema Estácio de Alfabetização e Letramento agrega a alfabetização e letramento em língua portuguesa e matemática com a alfabetização e letramento midiático e informacional, e a modalidade de ensino presencial com o ensino a distância.

 O Método da Estácio

O Método Híbrido para alfabetização e letramento em Língua Portuguesa no Sistema Estácio conjuga as teorias e os paradigmas consagrados e os emergentes, assim como as tendências de métodos de alfabetização no país e no exterior. O Método Híbrido se constitui em um continuum que inicia com a oralidade, tem sequência com a leitura e a escrita até chegar à criação de frases e textos. Neste método a aprendizagem da leitura e da escrita se dá na perspectiva do letramento, inserida no contexto do alfabetizando, com o seu uso efetivo nas práticas sociais e partindo da compreensão do mundo que o cerca e de uma palavra geradora que seja do seu universo e tenha significado para ele.

 O ensino-aprendizagem da leitura e da escrita com o Método Híbrido trabalha a consciência fonética, fonêmica e fonológica. A construção do conhecimento em língua portuguesa se dá de forma interdisciplinar com matemática e com tecnologia, mídia e informação, e de forma contextualizada com estudos da sociedade e da natureza onde são abordados temas relacionados à história, geografia, ciências, artes, cultura, cidadania, trabalho, tecnologia e outros.

 Sobre a Estácio

A Estácio, um dos maiores e mais respeitados grupos do setor educacional do Brasil, atua há 49 anos no segmento de ensino superior. Presente em 23 estados e no Distrito Federal, por meio do ensino presencial, e em todo o Brasil com o EaD, conta com mais de 500 mil alunos matriculados. Atuante em projetos que contribuem para o desenvolvimento social e cultural do País, a Estácio promove o Programa de Responsabilidade Social Corporativa Educar para Transformar. O programa, que apoia iniciativas em cinco pilares – Esporte, Escola, Cidadania, Cultura, Inovação e Empreendedorismo – reflete o compromisso do Grupo Estácio de oferecer uma educação acessível e de qualidade e, assim, gerar um impacto positivo para a construção de uma sociedade mais justa.

 Serviço: 

Projeto de Alfabetização e Letramento de Jovens e Adultos 

 São Paulo:

– Carapicuíba (SP) – Av. Francisco Pignatari, 630 – Centro – Carapicuíba  

 Inscrições gratuitas – de 22 de julho a 5 de agosto de 2019 

As aulas terão início na semana de 12 de agosto 

Mais informações – www.estacio.br/alfabetizacao  / ou por meio do telefone gratuito 0800 880 6774 

Vagas Limitadas

Campanha Corrente do Bem 2019 é encerrada

R$ 126.713,15. Este foi o resultado da Campanha Corrente do Bem em Barueri. Desde seu lançamento, a campanha em prol da AACD ampliou-se, ganhou reforços e parceiros importantes. 

 Liderado pelo Fundo Social de Solidariedade de Barueri – Estrela Guia, o movimento envolveu poder público, comerciantes, empresários e pessoas físicas que voluntariamente fizeram questão de ajudar as pessoas com deficiências que são tratadas na AACD. 

 Ao agradecer os parceiros, a presidente do Fundo Social, Sônia Furlan, declarou que o objetivo foi alcançado. “Queríamos ajudar a AACD de uma forma mais significativa do que pudemos fazer no ano passado. Isso ocorreu graças à sensibilização que fizemos levando para as pessoas a necessidade das crianças que são atendidas lá e as dificuldades que enfrentam”, afirmou.  

 “Foi incrível contar com essa parceria de Barueri. No Estado de São Paulo, é o principal município que se engaja como um todo na Corrente do Bem, mostrando que a solidariedade é um princípio fundamental para a cidade. E tivemos um resultado excelente na campanha deste ano, que vai permitir a realização de atendimentos e melhorar a qualidade de vida de muitos pacientes”, afirmou Edson Brito, superintendente de Marketing e Relações Institucionais da AACD.  

 Eventos/ Ações 

Além dos cofres espalhados pela cidade, algumas secretarias municipais promoveram eventos e ações em prol da AACD: Educação, Segurança e Mobilidade Urbana, Relações Institucionais, Direitos da Pessoa com Deficiência, Indústria, Comércio e Trabalho e Cultura e Turismo. 

 Outra novidade foi a adesão de supermercados que mantiveram os cofres em seus caixas. Foram eles: supermercado Japão, Rede Carajás, Comércio de Alimentos Hugão, Atacado Paraná, Roldão Atacadista, Santa Margarida Supermercado, San Supermercados, Supermercado Silva e Supermercado Sol (Jandira, Osasco e Itapevi). 

 Os números 

2.505 cofres estiveram na cidade de Barueri. A Campanha Corrente do Bem de 2019 rendeu 157a mais do que no ano passado, que arrecadou R$ 49.260,15. A campanha foi lançada em 26 de abril e encerrada na segunda-feira (dia 15). 

 solidariedade 

“AACD, dei um pouco de dinheiro. Espero que essas crianças sarem. Estou orando por elas”. Os dizeres de um bilhete encontrado no cofre da empresa MF Materiais de Construção traduzem a solidariedade de uma cidade, que durante alguns meses não mediu esforços para ajudar a instituição que cuida das crianças.  

 Para a presidente do Fundo Sociala campanha foi representada pela solidariedade. “Fico muito agradecida a todos os parceiros que nos ajudaram nessa campanha. Vimos uma grande movimentação no comércio e estou extremamente feliz”, enfatizou Sônia Furlan. 

Grupo antitabagismo da UBS Belval alcança boa taxa de sucesso junto aos participantes

Foto: Aliz Lambiazzi 

Parar de fumar não é nada fácil, mas fazer isso ao lado de quem está enfrentando o mesmo desafio e ainda contar com o apoio de uma equipe de saúde tornam esse processo bem menos penoso. Pelo menos é isso que afirmam os participantes do Grupo de Tabagismo da Unidade Básica de Saúde (UBS) Hermelino Liberato Filho, do Jardim Belval. 

 O projeto existe desde 2016 e já está em sua sétima turma. Tem dado tão certo que neste ano os encontros passaram de quinzenais para semanais e os resultados são muito animadores: cerca de 50% dos frequentadores consegue mesmo abandonar o vício.  

 Durante 10 encontros uma equipe multiprofissional da UBS, formada por médico, enfermeiro, nutricionista, psicólogo, dentista, farmacêutico e terapeuta ocupacional leva os pacientes a entenderem a raiz do vício e aprenderem técnicas para substituí-lo por hábitos mais saudáveis e emocionalmente inteligentes.  

 Entendendo o vício 

“O detalhe é conseguir preencher o vazio que o cigarro preenchia e isso vai gerar novos hábitos na vida de vocês”, explica o clínicogeral Glaucio Stênio Araújo da Silva, que atua na UBS do Belval desde 2015 e encabeça o grupo desde o início. O médico incentiva bastante os participantes e reconhece cada avanço. “É uma caminhada difícil que nós teremos juntos, mas no final haverá aquela luz, eu garanto”, diz.  

 Falando em hábitos, o clínico explicou os motivos de alguns costumes provocarem uma maior vontade de fumar, como é o caso do consumo de café para muitos. Segundo ele, a cafeína rouba a nicotina do corpo, bem como alguns minerais, fazendo com que a necessidade da substância seja maior. Por isso sente mais dificuldade quem associa o cigarro ao café.    

 O aumento do apetite também foi citado por muitas pessoas durante esse processo. “O paladar, o olfato vão melhorando conforme vai parando de fumar e aí a vontade de comer aumenta”, aponta o especialista.  

 É possível! 

E para mostrar que é possível deixar o cigarro, vez ou outra o grupo leva um dos participantes que pararam de fumar. É o caso de Maria Fancicani, que frequentou o último grupo e já está há mais de seis meses sem fumar. “Eu tinha uma bronquite que todo mês me levava para o pronto-socorro. Hoje, graças a Deus, eu não sei o que é isso”, relata.  

 A programação inclui uma série de passos e sugestões para conseguir driblar a fissura pelo cigarro, que na realidade dura em média cinco minutos, mas que é justamente quando muitos perdem a batalha cedendo a mais uma tragada. Diferentes técnicas e terapias podem ser aliadas nessa luta, por isso as reuniões trazem aulas de exercícios respiratórios, relaxamento palestras sobre diversos temas. 

 Adesivos 

Para ajudar nesse processo, os profissionais dão aos pacientes os adesivos de nicotina, mas só para quem está há pelo menos 48 horas sem fumar. Segundo o médico, o que causa o vício é a nicotina e quando a pessoa está tentando parar de fumar, o adesivo dá ao organismo doses dessa substância para conseguir resistir. A vantagem é que o adesivo vem sem as mais de 4.700 substâncias tóxicas que compõem o cigarro e tanto prejudicam a saúde. Ao utilizar o adesivo a pessoa não pode fumar, senão estará consumindo uma dose exagerada de nicotina. Mas Glaucio frisa: “os remédios servem como auxílio no tratamento, mas parar depende mesmo da força de vontade”.  

 O grupo se reúne todas as quartas-feiras, das 14h às 15h30. Quem quiser participar deve procurar a UBS e registrar seu interesse. Há filas de espera porque as turmas são fechadas com uma média de 22 componentes.

Barueri terá dia D de vacinação contra o sarampo neste sábado, dia 20

As 18 Unidades Básicas de Saúde (UBSs) de Barueri irão abrir suas portas no próximo sábado (dia 20) para o dia D de vacinação contra o sarampo. A Secretaria de Saúde do município prevê ainda dois postos volantes nos bairros de Alphaville e Aldeia da Serra. 

 As UBSs irão funcionar das 8 às 16h e estarão oferecendo a vacina para as pessoas de 15 a 29 anos de idade. O posto volante de Alphaville será no Alpha Shopping e o da Aldeia da Serra, no Condomínio Morada dos Pássaros. Ambos atenderão das 9 às 16h. É necessário levar a caderneta de vacinação.  

 O imunobiológico aplicado é a tríplice viral, que também previne contra a caxumba e a rubéola. A cidade almeja vacinar 68.297 pessoas do público prioritário. As demais faixas etárias serão avaliadas mediante a apresentação da caderneta para a necessidade ou não da vacinação. 

 Não deixe de vacinar 

A vacina é extremamente importante para prevenir o sarampo, que é altamente contagioso. Até a última segunda-feira (dia 15), o estado de São Paulo confirmou 384 casos, sendo 272 (70%) provenientes da capital paulista.  

 A Secretaria de Estado da Saúde está fazendo campanhas de vacinação até o dia 16 de agosto em cidades como São Paulo, Guarulhos, Osasco, São Bernardo do Campo, Santo André e São Caetano do Sul. As pessoas de 15 a 29 anos estão sendo priorizadas por serem consideradas as mais vulneráveis devido sua baixa procura pelo imunobiológico. A faixa etária corresponde à metade dos casos da doença registrados no Estado.  

 Sobre a vacina 

A tríplice viral faz parte do Calendário Nacional de Vacinação brasileiro e está na rotina dos postos de saúde para crianças, que devem tomar uma dose aos 12 meses de vida e um reforço aos 15 meses com a tetraviral (que além das três doenças citadas também previne varicela). 

 tetraviral pode ser aplicada em crianças até quatro anos, 11 meses e 29 dias que não tenham sido vacinadas aos 15 meses. Pessoas de cinco a 29 anos nunca vacinadas ou com o esquema vacinal incompleto devem tomar a tríplice viral conforme a situação. Pessoas de 30 a 49 anos não vacinadas devem tomar uma dose da tríplice 

 É considerado vacinado o indivíduo que comprovar o recebimento de duas doses de vacina com o componente sarampo. Quem puder comprovar as doses conforme o preconizado para sua faixa etária não precisa mais receber o imunobiológico.  

 Contraindicação 

A vacina não é recomendada a gestante e a imunodeprimidos: pacientes oncológicos ou em tratamento contra a leucemia.  

HMB tem posto especializado de coleta de radiografias

Foto: Janaína Barbedo

A radiografia é realizada com processamento de filmes radiográficos e utilização de químicos, sendo que o plástico é a base do exame. De acordo com o Ministério do Meio Ambiente, esse tipo de material demora mais de 400 anos para se decompor. 

 “Além do plástico, as chapas de raio-x (películas) também possuem metais pesados, principalmente a prata. Se forem descartadas no lixo domiciliar, podem ser prejudiciais para o meio ambiente em função do risco de contaminação da água e do solo”, explica Pedro Limongi, técnico ambiental do Hospital, que destaca a importância do serviço de recolhimento desses exames também pelo risco de exposição ao ser humano. 

 A iniciativa, viabilizada com o auxílio de uma empresa especializada, reduz o impacto não só para a unidade, mas para toda a cidade, já que o container, disponível na recepção do Serviço de Apoio Diagnóstico Terapêutico (SADT), pode ser utilizado por toda população. Independentemente do local de realização do exame, qualquer paciente pode fazer o descarte na unidade. Além de efetuar o tratamento adequado para os metais pesados com intenção de evitar o despejo irregular nas redes fluviais, a empresa realiza a reciclagem do plástico para confeccionar artesanatos como caixas de boneca, capas de caderno e vasos de plantas. 

 A radiografia é muito utilizada para identificar lesões e fraturas em inúmeros casos, tanto que só o HMB realiza, em média, 3.000 exames por mês. “O raio-x é utilizado para auxiliar o diagnóstico e, por isso, pode ser solicitado em diversas situações. Por exemplo, quando o paciente passar com o anestesista, será necessário fazer o exame para avaliação clínica, ou se tiver uma suspeita de fratura, o ortopedista vai solicitar o raio-x para fazer a análise da estrutura óssea”, comenta Saner Souza, supervisor técnico de radiologia do hospital. 

 Vale ressaltar que as radiografias só podem ser descartadas após o término do tratamento. “É importante que o paciente traga as imagens para que o médico consiga avaliá-las no retorno. Por exemplo, uma pessoa que fez um raio-x de tórax para iniciar o tratamento para pneumonia precisará voltar com os exames em mão a fim de comprovar se o tratamento está surtindo efeito”, destaca Souza, que orienta os pacientes sobre a possibilidade de dar a destinação correta para o exame após o período estipulado pelo médico. 

Tratamento da hemodiálise um passo à frente

A equipe do Departamento de Hemodiálise do Hospital São Francisco acaba de receber treinamento sobre o novo equipamento Prismaflex, voltado para tratamento de reposição renal contínua. A tecnologia é voltada ao cuidado crítico de pacientes internados. A partir de agora o sistema está também no Hospital São Francisco, o primeiro de Cotia e região a abranger o tratamento com tal inovação, presente somente nos maiores complexos hospitalares do País.

Estima-se que a reserva ovariana esteja entre 1 e 2 milhões de óvulos

A reserva ovariana é, como o próprio nome já adianta: a reserva de óvulos da mulher. 
Quando as meninas nascem, elas já possuem em sua reserva ovariana todos os óvulos que irão liberar ao longo da vida. 

Ao nascer, estima-se que a reserva ovariana esteja entre 1 e 2 milhões de óvulos. Quando passa pela primeira menstruação, a menina já possui entre 400 e 500 mil.

E com o passar dos anos, o número vai caindo cada vez mais! Isso acontece porque, a cada menstruação, o organismo da mulher disponibiliza cerca de mil óvulos, mas apenas um chega a ovular. Todo o resto é descartado!

Esse é um processo natural e que não pode ser impedido. É por este motivo, entre outros, que com o passar dos anos se torna gradualmente mais difícil para a mulher engravidar. No momento em que ela atinge os 40 anos, seu estoque está praticamente vazio. 

O avanço da medicina proporcionou uma oportunidade de sabermos como está a situação da reserva ovariana. Com o mundo moderno e as mulheres cada vez mais empoderadas, muitas vezes dando prioridade à vida profissional e colocando a gravidez como um projeto futuro, é importante ficar a par das condições dessa reserva para que se programem!

Se no auge dos seus 35 anos a sua reserva já estiver muito comprometida e a mulher não tiver uma perspectiva de gravidez, existe a possibilidade de congelamento de óvulos. 

Os exames que conseguem medir a reserva ovariana da mulher são o FSH (exame sanguíneo que mede o nível do hormônio folículo-estimulante), a ultrassonografia transvaginal e o exame do hormônio anti-mulleriano. 

A ginecologista e obstetra  Dra. Erica Mantelli, está apto a falar de forma clara e esclarecedora sobre o tema,  como também,  saúde da mulher, câncer de mama, parto humanizado, acompanhamento de pré-natal, diástase, gestação, candidíase, corrimento, libido, processos emocionais entre a mãe e o feto, cirurgias ginecológicas, prevenção e tratamento de doenças, entre outros assuntos. 

Dra. Erica Mantelli, ginecologista, obstetra e especialista em saúde sexual – Graduada pela Faculdade de Medicina da Universidade de Santo Amaro, com Título de Especialista em Ginecologia e Obstetrícia. Pós-graduada em disciplinas como Medicina Legal e Perícias Médicas pela Universidade de São Paulo (USP), e Sexologia/Sexualidade Humana. É formada também em Programação Neolinguística, por Mateusz Grzesiak (Elsever Institute). Site:http://ericamantelli.com.br

Bebê de sete meses que se engasgou com papinha é salvo por GCM de Cotia

Há quase duas semanas, Simone Silvério Acácio e o marido, Jefferson Soares dos Reis, do bairro Quinta dos Angicos, viram o mundo desmoronar e ser reconstruído. O que seria um almoço da família, se tornou um pesadelo quando a bebê de 7 meses se engasgou com a papinha e chegou a desfalecer. Saíram em busca de socorro com os vizinhos, tentaram desengasgá-la, sem sucesso. A caminho do hospital, pararam na base da GCM, há poucos metros de casa, entregaram a filha nos braços do GCM Antônio da Silva, conhecido como Malvadeza – um apelido inapropriado neste caso.

O GCM Malvadeza conta que quando avistou o carro e o desespero da mulher pensou se tratar de um assalto, sequestro. “Mas era pior”, definiu. “Quando ela me entregou a bebê já roxa, desfalecida, sem batimento cardíaco dei início à manobra [Heimlich]. Meu pensamento era pedindo a Deus para a criança voltar a respirar”, lembrou Malvadeza.

Naquele cenário de desespero a mãe lembra que os minutos se transformaram em horas. “Tudo aconteceu num intervalo de cinco minutos, mas pareceu um dia inteiro pra mim [sic]”, descreveu. Fazendo a manobra o GCM sentiu em seu braço as primeiras batidas do coração da criança. A garotinha voltou a respirar. “Quando eu a virei, ela vomitou e abriu os olhos comecei a chorar”, emocionou-se Malvadeza. “Somos treinados para proteger a sociedade, salvar vidas, mas nada se compara a salva uma vida desta maneira”, completou.

A garotinha foi levada para o Hospital Regional de Cotia e depois para o Hospital São Francisco. Neste último, passou por diversos exames, ficou um dia na UTI e, para alívio da família, não teve sequelas. “A minha vida recomeçou naquele momento”, disse Simone. “Agradeço muito aos meus vizinhos Ricardo e Sandra que me ajudaram, aos guardas e, em especial, ao GCM Malvadeza. Ele foi um anjo que Deus colocou nas nossas vidas”, concluiu a mãe.

O prefeito Rogério Franco comentou o caso e disse que os GCM’s são preparados para lidar com situações de salvamento e que foi uma felicidade saber que o GCM Malvadeza teve sucesso neste atendimento. “Parabéns ao GCM pelo procedimento assertivo, pelo controle emocional para lidar com a situação. Estamos muito felizes em saber que o final foi um sucesso e a criança está bem”, disse o chefe do Executivo.

 

De frente com a morte

          Em abril deste ano, em um dia de folga, o GCM Antônio da Silva, o Malvadeza, estava em sua moto quando foi abordado por criminosos a bordo de duas outras motos. Eles anunciaram o assalto. Houve troca de tiros e o GCM ficou de frente com a morte quando foi alvejado pelas costas. Na ocorrência, um dos assaltantes também foi baleado.

          Os dias que se sucederam foi de luta pela vida e por sua recuperação. Um dia na UTI, sete dias internados e meses de recuperação. Voltou à corporação recentemente. Ainda afastado das ruas, Malvadeza se dedica a trabalhos internos na corporação. “Nossa vida é uma balança, vamos do céu ao inferno e, depois de tudo que vivi, tive a oportunidade de ajudar a salvar esta vida [da bebê Mônica]. Não dá para descrever”, disse o GCM.

Em julho, Cia. Asfalto de Poesia fica em cartaz com o infantil “TV Sem Controle”, no Teatro Cacilda Becker

Durante todo o mês de julho, período de férias da criançada, aos sábados e domingos, às 16h, a Cia. Asfalto de Poesia realiza temporada do espetáculo “TV Sem Controle”, no Teatro Cacilda Becker, localizado no bairro da Lapa, região oeste da capital paulista, e fica em cartaz todos os sábados e domingos até 28 de julho. A peça teve a sua primeira montagem em 2007, sendo contemplada pelos editais Proac 2009 e 2014, e se mantém em circulação desde então.

A peça infantil é sobre três crianças que brincam na casa da vovó Filomena, mas acidentalmente quebram a TV, que é o brinquedo favorito de todas elas. Para esconder o estrago, elaboram planos para que a avó não perceba o incidente, e elas mesmas preparam a programação televisiva, como novela, jornal, filmes, etc. Dessa forma, a história retrata duas fases da vida: infância e terceira idade. Por meio da arte da palhaçada, são problematizados o espaço da tecnologia das relações sociais e da influência da TV e demais equipamentos eletrônicos no desenvolvimento da criança.

O foco do roteiro é no resgate da infância, que atualmente encontra-se submersa no meio de tanta comunicação em massa e de jogos eletrônicos. De acordo com a pesquisadora Vera Barros de Oliveira, em publicação do portal Brasil Escola, “o ato de brincar, como sendo um processo de humanização, no qual a criança aprende a conciliar a brincadeira de forma efetiva, criando vínculos mais duradouros. Assim, as crianças desenvolvem sua capacidade de raciocinar, de julgar, de argumentar, de como chegar a um consenso, reconhecendo o quanto isto é importante para dar início à atividade em si”.

“A linguagem circense tem muita aproximação com o universo da criança, pois é repleto de ingenuidade e espontaneidade, o que tem grande capacidade de descontrair as situações sérias e de reverter o trágico em cômico”, afirma Maria Silvia do Nascimento, artista integrante do grupo.

 

Sinopse

 

O espetáculo conta a história de três crianças que se reúnem para brincar na casa da vovó. A brincadeira acaba quando, em meio a uma grande confusão, quebram seu brinquedo favorito: a TV. Para esconder o que aconteceu, elaboram planos divertidos e absurdos e, sem perceber, acabam descobrindo momentos mágicos ao se aproximarem uma das outras e da avó. Celulares, televisão, computador, internet, redes sociais… a tecnologia  tornou mais próximo quem está longe, mas também mais longe quem está por perto.  O que a geração smart pode aprender com a melhor idade? A peça retrata o encontro das duas fases extremas da vida – infância e a terceira idade – resgatando o valor da amizade e as brincadeiras tradicionais da infância, sem esquecer os benefícios da inovação dos meios de comunicação.

 

Sobre o grupo

 

A Companhia Asfalto de Poesia é formada por artistas egressos da Fundação das Artes de SCS e do IA-UNESP, que pesquisam as máscaras teatrais cômicas, em especial o nariz vermelho, a dramaturgia autoral e o diálogo entre o humor e o feminino. O primeiro espetáculo da companhia “TV sem controle”, foi contemplado pelo Proac 2009 e 2014, realizando apresentações e oficinas pelo interior de São Paulo. Contando também com peças adultas em seu repertório, como “O Martelo das Bruxas” e “Eu Transito”, a companhia promove intervenções, contações de história e oficinas de teatro em escolas, eventos, parques e ruas (Virada Cultural, Virada da Saúde, Dia Mundial da Conscientização do Autismo). Em 2016, a Cia. se junta mais uma vez a Cida Almeida para a produção do espetáculo Merlim, Arthur e o Bobo, com estreia no Sesc Pinheiros e circulação pelo Circuito Sescoop de Cultura por 15 cidades do interior de São Paulo por todo ano de 2017. Em 2018, a Cia. Asfalto de Poesia estreou o espetáculo “Pareias” com direção de Lilian Moraes, artista fundadora do Off Sina e da Escola Livre de Palhaços do Rio de Janeiro.

Agentes de trânsito fiscalizam o uso de vagas especiais em vias públicas e em estabelecimentos privados

Depois de concluir o levantamento em estabelecimentos comerciais de grande e médio porte em Cotia – em 2018 – para verificar se cumprem a lei que determina o número mínimo de vagas especiais de estacionamento, a Secretaria de Transportes e Trânsito (Settrans) do município realiza o trabalho de fiscalização do uso destas vagas. Por lei, cabe aos agentes de trânsito fiscalizar o uso indevido das vagas reservadas em estabelecimentos públicos e privados.

          A fiscalização verifica a presença do cartão de idoso e de deficientes físicos nos veículos estacionados nas vagas com marcação. “Ao contrário do que algumas pessoas imaginam, quando o agente de trânsito está fiscalizando no estacionamento de um shopping ou de um supermercado, por exemplo, ele não está a serviço do estabelecimento, ele está verificando se a lei está sendo respeitada e aplicando sanções previstas na lei aos que desrespeitam o uso destas vagas”, disse o titular da Settrans, Joaquim Brechó. “Cabe ao agente de trânsito este tipo de fiscalização e não aos estabelecimentos”, salientou.