“Amor em melodia” é tema de música e de ação no HMB

Colaboradores se uniram para levar alento aos profissionais e aos pacientes dos andares isolados

Desde o início do ano, o Hospital Municipal de Barueri Dr. Francisco Moran precisou fazer mais uma série de adaptações e melhorias para ampliar a capacidade de atendimento devido ao aumento de casos de Covid-19 no município.

Com a maior demanda e buscando reconhecer a colaboração dos profissionais da linha de frente neste momento, a diretoria da unidade propôs uma ação de humanização destinada a eles, acessível, rápida e fácil: uma cantoria nos andares críticos de internação de Covid-19. Na última quarta-feira (31/3), colaboradores de setores como Serviço de Atendimento ao Usuário (SAU), Plantão Administrativo, Radiologia, Qualidade, Serviço Social, entre outros, juntaram os talentos e a força de vontade para levar apoio, acolhimento e incentivo a esses funcionários que seguem no combate à pandemia. 

“Percebemos que uma ação de incentivo para melhorar o ambiente era necessária. Pensei que devíamos usar as ferramentas disponíveis: a voz e a vontade de ajudar. Para mim, a música transcende e a espiritualidade ajuda a curar. Juntei as duas coisas e achei a solução: vamos cantar! Vamos fazer musicoterapia!”, explica Vânia Zito, diretora de Atenção ao Paciente, que propôs músicas que falassem sobre o sagrado de cada um, independentemente da religião e que, inclusive, compôs a música “Amor em melodia” que também entrou no repertório.

Em vez de convidar músicos profissionais, devido ao risco de contaminação, a proposta incluiu a participação de quem já está diariamente no hospital: o próprio colaborador. E com todas as medidas de segurança, como Equipamentos de Proteção Individual (EPI’s) e fornecimento de álcool em gel, o grupo cantou nos corredores para levar um pouco de afago e alento ao ambiente. 

“A música também é uma forma de nos tratarmos, de resgatarmos a saúde mental, é um modo de acolher. Porque cada um tem um talento e esse talento pode ajudar a melhorar a vida do outro. O que um encarregado de serviços gerais faz, eu não faço. O que a enfermeira faz, eu também não faço”, comenta Zito, que considera todas as profissões do hospital essenciais para o bom funcionamento da unidade, principalmente no cenário atual. 

Além da alegria dos médicos e da equipe de enfermagem, a emoção dos pacientes foi muito impactante. Alguns cantaram, bateram palmas, levantaram as mãos e até choraram. “É revigorante e fortalecedor receber este tipo de homenagem e ajuda. Nós que estamos lutando diariamente pelos pacientes, lidando com a vida e a morte, precisamos de momentos assim, que enchem o coração de coragem e força”, agradece Paula Rodas, coordenadora da Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do hospital. 

“A apresentação, por mais singela que tenha sido, trouxe um conforto aos que ouviram as melodias. Tenho certeza que naquele momento todos nós ficamos conectados e com a certeza de que não estamos sozinhos. Acredito que este gesto fez um bem imensurável aos pacientes e à equipe multiprofissional, humanizando a assistência em forma de música, para oferecer motivação e mostrar que estamos todos aqui juntos até o fim. Posso dizer que durante toda a melodia eu senti paz e uma forte vontade de continuar”, reconhece Rafael de Paula Bezerra, enfermeiro clínico do HMB. 

_ _ _

Janaina Barbedo, do HMB

Crédito das fotos: Janaina Barbedo / HMB